A vida da Igreja de Cristo em Atos (At.2.42-47)


O livro de Atos não é um livro doutrinário, como já vimos, mas é um livro repleto de informações doutrinárias. As ênfases sobre a doutrina da Igreja são feitas a partir da história, e consequentemente pela prática. Lucos não intenciona em seu relato julgar se a prática da Igreja de Deus é correta ou não, mas a coloca a prática da igreja primitiva como padrão a ser seguido. Portanto, o que vemos em Atos não é um guia para a doutrina da Igreja, mas para o exercício efetivo da vontade de Deus por meio da igreja. Isso está em acordo com Ef.3.10 que o objetivo da Igreja é fazer a multiforme sabedoria de Deus conhecida em todos os lugares segundo o eterno propósito de Deus  que estabeleceu em Cristo Jesus.

Para não cometermos erro na prática da Igreja, precisamos entender a forma como Lucas escreve o Livro de Atos, pois para ele a história é narrada a partir de personagens e eventos que são utilizados com padrão para a redação. Por isso encontramos em Atos situações semelhantes entre a vida de Paulo e Pedro, entre a Igreja em Jerusalém e a Igreja gentílica, no derramamento do Espírito Santo. Isso não significa que os fatos são aterados por Lucas, mas arranjados em conformidade com seu estilo literário. Da mesma foram, não significa que são irrerais as informações, mas trata-se de um recurso literário, de enfatizar o que considera importante, da mesma maneira que é superficial com acontecimentos considerados menos importantes.

No fim do segundo capítulo de Atos vemos que existe um arranjo literário muito interessante, pois trata-se de um resumo informativo sobre a vida da Igreja. “Uma das características de Lucas é separar os vários incidentes da primeira parte de Atos por meio de pequenos parágrafos ou versículos que dão resumos da situação da igreja nas várias etapas do seu progresso[1]“. Esse fato ressaltado por Howard Marshall acontece claramente aqui, e é a primeira vez que acontece em referência ao livro de Atos, mas é um recurso literário de Lucas já conhecido e evidenciado no prólogo, quando se referiu ao Evangelho (At.1.1-3).

O grande valor desse resumo de Lucas é que podemos observar como a Igreja Primitiva mantinha-se fiel a exigências de Cristo ante a propagação da mensagem do evangelho e do crescimento numérico que a acompanhava.  Diante da história da Igreja do primeiro século, podemos retirar as seguintes princípios para hoje:

1. A Igreja precisa manter-se Simples

Tal princípio não tem sido  absorvido como deveria na maior parte das Igreja. A simplicidade da igreja diz respeito a vida de sua essência. Atos nos ensina que não existe um forma absoluta e engessada para a vitalidade da igreja. Contudo, nos mostra exatamente quais são os elementos essenciais para seu funcionamento. Neste ponto vemos sua vitalidade.

Observe que os discípulos são apresentados por Lucas como aqueles que ensinavam e pregavam. Tal colocação diz respeito a função exercida pelos apóstolos de Cristo. Contudo, diversas pregações e ensinos são apresentados em Atos, e muitas diferenças são vistas os ensinos de Paulo e Pedro. Com isso não estamos afirmando que um está certo e o outro errado, mas observando um princípio vital para a Igreja: O Exercício efetivo da função é necessário, da mesma forma que a liberdade para a sua execução. Existe apenas uma restrição necessáruia nesse processo: A forma nunca pode manipular a função, mas, antes,  viabilizar.

Para facilitar a absorção deste princípio, vamos resumir da seguinte maneira:

  • Atos nos mostra funções e princípio a serem seguidos;
  • Atos, às vezes, nos mostra a forma que devem ser executados, mas é parcial e incompleta;
  • Em Atos, normalmente, a forma varia de acordo com o contexto;
  • Portanto, a Essência é Vital, a Forma secundária.

Seguindo essas colocações só podemos concluir que a Essência da Igreja restringe-se a execução de suas funções vitais. Como isso vai acontecer, cada líder deve avaliar a partir do contexto em que vive. Não existe um manual absoluto de crescimento e expansão da Igreja pronto para ser utilizado em todas as culturas. Por isso, cada líder deve avaliar a forma de executar as funções vitais do Corpo de Cristo, sem ferir, manipular, destruir, desconsiderar, sua essência. Por esta razão afirmamos que a Igreja deve manter-se simples!

Entretanto, ao afirmarmos que a Igreja mantinha-se simples não estamos dizendo que a igreja primitiva era uma igreja pobre, ou uma igreja não sofisticada, mas uma igreja que vivia em conformidade com a essência da fé cristã. Note que existem seis declarações nesses versículos que expressam as atividades da Igreja Primitiva:

A. Doutrina dos Apóstolos

O primeiro ponto a ser ressaltado é a Doutrina dos Apóstolos. O que Lucas quer dizer com “perseveravam na doutrina dos apóstolos” é que a Igreja Primitiva mantinha-se firmada na instrução dos apóstolos. A idéia expressa pelo verbete “perseverar” é dar constante atenção a alguma coisa. Ou seja, a Igreja Primitiva mantinha-se constantemente alicerçada pelo ensino apostólico. É importante ressaltar que até este ponto da história a doutrina da igreja primitiva podia ser resumida pelo v.36 do mesmo capítulo: “Esteja absolutamente certa, pois, toda a casa de Israel de que a este Jesus, que vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo“. Em favor desta idéia vamos nos lembrar daquilo que Paulo nos informa em 1Co15.3-4: “Antes de tudo, vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras“. A intenção de Paulo era de deixar aos Coríntios aquilo que é essencial para sua vida. Essa é a doutrina deixada que deve ser ensinada na Igreja hoje. Tudo o que não é concernente a doutrina dos apóstolos deve ser deixada de lado.

Contudo, é digno de nota que todos os apóstolos tinham sido instruídos por Cristo, e por certo podiam repassar aquilo que haviam aprendido. Aliás, a expressão grega referente a “doutrina dos apóstolos” sugere que tal instrução seja procedente dos apóstolos. Ou seja,

O ensino da igreja é mantido por aqueles que tem autoridade e capacidade para tal tarefa

 Dois requisitos básico devem ter os que transmitem o ensino dos apóstolos: Autoridade e Capacidade. Sobre capacidade, podemos dizer que tal princípio não é um critério exigido pela Instituição da Igreja, nem mesmo pela liderança local de cada núcleo da Igreja. Mas é um requisito das Escrituras. Observe que duas passagem exigem isso de maneira irrevogável: 1Tm.3.2 e 2Tm.2.24.

Qual é o papel da liderança da Igreja hoje? Certamente o mesmo desempenhado pelos apóstolos no início da História. Sobre eles estava a responsabilidade de instruir e governar a igreja de Cristo, não como senhores, mas como servos. O serviço do líder deve estar em conformidade coformidade com o serviço de seu Senhor. Cristo, como exemplo de liderança, foi o discipulador dos apóstolos, mas manteve-se sempre humilde diante deles. O Serviço do líder deve ser o Serviço a Seu Senhor, nos moldes ensinados por ele.

De acordo com tal conclusão, podemos dizer que o líder deve promover a Instrução dos membros do Corpo de Cristo. Mas qual deve ser o conteúdo do seu ensino? Certamente o mesmo conteúdo exposto pelos apóstolos. Tudo o que os apóstolos ensinaram que merece ser lembrado historicamente, foi preservado pelo Espírito Santo até os dias de hoje, e todo esse material encontra-se nas Escrituras. Diante desse fato, o papel do líder da Igreja é promover o governo da comunidade cristã que dirige, nos moldes da Liderança de Cristo, da mesma forma que promove o ensino nos moldes do ministério dos apóstolos.

B. Comunhão

Lucas não poderia estar equivocado quando utilizou o vocábulo “comunhão” quando se referiu à Igreja Primitiva. A descrição subseqüente, esplanada no tópico sobre unidade da igreja, expõe de forma muito clara as considerações dessa igreja. Assim, deve-se ressaltar que os primeiros cristãos “eram perseverantes (…) na comunhão“. E como foi anteriormente ressaltado, isso implica em dizer que eles eram fundamentados na experiência comum do corpo. Assim, como os outros pontos ressaltados por Lucas, a comunhão era essência da vitalidade da Igreja.

Contudo, antes de proseguirmos para outros tópicos, devemos compreender a idéia de “Comunhão“. O termo grego utilizado é “koinonia“. Em suas diversas formas o termo não é usado mais que 19 vezes no Novo Testamento. Contudo, sua idéia é visível em várias de suas partes. Um exemplo disso é At.20.36-38:

“Tendo dito estas coisas, ajoelhando-se, orou com todos eles. Então, houve grande pranto entre todos, e, abraçando afetuosamente a Paulo, o beijavam, entristecidos especialmente pela palavra que ele dissera: que não mais veriam o seu rosto. E acompanharam-no até ao navio”

Nenhuma vez neste texto nós encontramos o termo Comunhão, mas não podemos negá-la aqui. É evidente que a intimidade e comunhão entre Paulo e os cristãos de éfeso, que por razão da partida de Paulo, houve choro e tristeza. A vida de mutualidade entre Paulo e os cristãos de éfeso demonstra a Comunhão que existia entre eles. Em At.4.32-35 vemos outro exemplo fantástico e marcante:

“Da multidão dos que creram era um o coração e a alma. Ninguém considerava exclusivamente sua nem uma das coisas que possuía; tudo, porém, lhes era comum

Embora vamos comentar com mais detalhes esse versículo pouco adiante, vale a pena observar que a vida da Igreja primitiva estava alicerçada na Comunhão, também. Os cristãos estavam tão próximos uns dos outros que não ousavam considerar seu o que possuía, mas easstava pronto a dividir com seus irmãos conforme havia necessidade. Isto é a demonstração da Comunhão que a Igreja deveria ter hoje.

Diante desses fatos, qual é o papel da liderança nesse ponto? A liderança da Igreja deve promover a Comunhão da Igreja. Suas atividades devem viabilizar a Comunhão do Corpo de Cristo. Isso deve ser estudado e planjado de acordo com as reais disponibilidades da Igreja e de seus participantes.

De fato, a comunhão na Igreja primitiva era espontânea, por causa da experiência que cada um dos membros tinham com Cristo. Mesmo correndo o risco de ser redundante, digo:

“A comunhão da Igreja depende da vida de Comunhão com Deus que cada membro do corpo de Cristo desfruta”

Tal verdade é bem colocada por João em sua primeira epístola, observe: “Se, porém, andarmos na luz, como ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros” (1Jo.1.7a). Aqui está o segredo da Comunhão entre os participantes da Igreja de Cristo. Não há separação entre os que estão na Luz, como Deus é: “Deus é luz e nele não existe trevas nenhuma” (1Jo.1.5). Todo o que participa de uma vida de intimidade com Deus, desfruta da intimidade dos que procuram intimidade com Deus. Quanto mais perto de Deus os participantes da igreja estão, mas próximos uns dos outros.

Portanto, se o papel do líder da igreja é promover a Comunhão entre os irmãos, e tal comunhão só é possível quando eles estão desfrutando de intimidade com Deus, o líder deve auxiliá-los a buscar intimidade com Deus. O papel do líder não é ser um “dono-da-igreja”, mas ser um “servo-facilitador” da busca das virtudes bíblicas por parte dos seus liderados. Portanto, o líder deve dar sua vida pela santificação da Igreja que dirige. Se isto é buscado e efetivamente executado, a Comunhão é o resultado. Tal idéia é muito semelhante a colocação de Paulo em 2Co.11.2: “Porque zelo por vós com zelo de Deus; visto que vos tenho preparado para vos apresentar como virgem pura a um só esposo, que é Cristo“.

C. Partir do Pão

A expressão “partir do pão” não diz respeito a uma refeição típica da época, e que os cristãos mantinham-se comendo apenas pão, mas a expressão diz respeito à prática da Ceia do Senhor. O termo grego equivalente a “partir” em português é apenas utilizado no NT em referência à ceia. Alias, é digno de nota que o termo (te klasei tou artou) é apenas utilizado duas vezes no NT, ambas feitas por Lucas, e é de uso restrito à ceia. O uso da expressão é quase que um pleonasmo, visto que klasei (partir) só é aplicado a artou (pão). Segue-se que, com absoluta certeza, a igreja primitiva mantinha-se firmada constantemente no memorial da morte de Cristo.

A Ceia do Senhor foi estabelecida pelo próprio Senhor Jesus, pouco antes de dar Sua Vida em nosso favor:

Enquanto comiam, tomou Jesus um pão, e, abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai, comei; isto é o meu corpo. A seguir, tomou um cálice e, tendo dado graças, o deu aos discípulos, dizendo: Bebei dele todos; porque isto é o meu sangue, o sangue da nova aliança, derramado em favor de muitos, para remissão de pecados (Mt.26.26-28)

Naquela ocasião Jesus estava estabelecendo o que seria considerado posteriormente, o memorial mais significante do cristianismo. A “Ceia do Senhor” não é uma prática institucional  da Igreja, mas a recordação vívida do Sacrifício de Cristo em nosso favor, para redenção dos nossos pecados. É a memória da efetivação da Nova Aliança. Por ser tão grande importância para a Vitalidade do Corpo de Cristo, Paulo faz a seguinte colocação:

“Porque eu recebi do Senhor o que também vos entreguei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão; e, tendo dado graças, o partiu e disse: Isto é o meu corpo, que é dado por vós; fazei isto em memória de mim. Por semelhante modo, depois de haver ceado, tomou também o cálice, dizendo: Este cálice é a nova aliança no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que o beberdes, em memória de mim. Porque, todas as vezes que comerdes este pão e beberdes o cálice, anunciais a morte do Senhor, até que ele venha” (1Co.11.23-26).

Aqui está claro e evidente que a “Ceia do Senhor”  trata-se e um memoral. O pão continua a ser pão, e o vinho continua a ser vinho, mas ambos simbolizam e representam o corpo e o sangue de Cristo, entregue para nossa redenção. E uma advertência deve ser feita: A CEIA É O ANUNCIO DA MORTE DE CRISTO, e deve ser realizado até que o Cristo volte. Não existe um cronograma para sua execução, mas deve ser executado. Pode ser uma vez por mês, por semana, a cada dois meses. A frequência não é o importante. O importante é que seja frequente.

Contudo, devemos evitar o erro de considerar a “Ceia do Senhor” como uma mera lembrança, ou ceriminial, como alguém que, com sudades, observa fotos de seus entes queridos. Não é esse o sentido da Ceia. Trata-se, sim,  de um memorial, mas não é esta sua razão exclusiva. Vamos observar outro texto importante:

“Porventura, o cálice da bênção que abençoamos não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos não é a comunhão do corpo de Cristo? Porque nós, embora muitos, somos unicamente um pão, um só corpo; porque todos participamos do único pão” (1Co.10.16-17)

            Aqui nós vemos que a Ceia é vista como a “participação” do sangue e do corpo de Cristo. Ou seja, o cristão quando participa do memorial da morte de Cristo é também participante de sua morte. Isso não significa que o cristão morra, mas que participa das bênçãos oferecidas por essa morte. A conclusão disto, é que os cristãos são feitos um só corpo. A conclusão do argumento de Paulo sobre a ceia é que ela é a união espiritual entre Cristo e os cristãos. Isso é visto em 1Co.10.21: “Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios“. Se realizarmos a ceia deste modo estaremos suscitando o Senhor a Ira contra nós, como se pudéssemos contender com Ele (1Co.10.22).

Por esta razão é que Paulo faz sérias advertências sobre participação indevida da “Ceia do Senhor“:

“Porque o que come e bebe indignamente come e bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor. Por causa disso, há entre vós muitos fracos e doentes e muitos que dormem” (1Co.11.29-30)

Note que a participação indevida da Ceia torna o participante desatento passível da disciplina de Deus. Tal disciplina pode ser uma doença física, ou até mesmo a morte. Portanto, nota-se a seriedade deste memorial participativo. Portanto, não podemos deixar de observar esse mandamento, com cautela e perseverança. Doi contrário seremos negligentes e passíveis da disciplina de Deus, sem contar que deixaremos de lado mais um ponto importante para a Vitalidade da igreja de Cristo.

D. Orações

A Igreja Primitiva viva em constante oração, quer comunitária como individual. As orações tinham um papel fundamental na vida da Igreja Primitiva. Isso pode ser claramente percebido pelo relado deixado por Lucas, que diversas vezes considera as orações dos primeiros cristãos.  Em Atos podemos ver que a oração foi:

  • a atitude dos cristãos diante das decisões a serem tomadas (1.14);
  • a atitude da liderança da igreja em situação de crescimento (6.4);
  • a prática da igreja quando os apóstolos foram libertos da prisão (4.24-30);
  • a prática da igreja quando estava em situação de perigo e perseguição (12.5);

Como podemos notar, a Igreja orava junto diante de situações positivas e negativas. Lucas nos mostra que em situações diferentes das habituais, “havia incessante” oração por parte da Igreja. A prática do Corpo de Cristo eaxige a Oração, ela é a respiração de sua fé. A oração deve ser a genuína expressão do nosso coração e reflexo de nossa autêntica fé. A comunidade que isenta-se dessa prática pública pode deixar de participar efetivamente. Apenas um ponto merece nosso destaque aqui: “quanto a nós, nos consagraremos à oração e ao ministério da palavra” (At.6.5). Embora o texto seja trabalhado pouco mais a frente, aqui fica a nota de que o ministério do líder da Igreja deve ser cheio de oração. Sua vida deve ser uma vida de oração (cf. O exemplo de Paulo nos seguinte versos: Rm.1.10; Ef.1.16; Cl.4.12; 1Ts.1.2; Fm.14), e nas tribulações, sua oração deve ser perseverante (Rm.12.12; Cl.4.2).

E. Louvor

Esta é uma das poucas referências encontradas em Atos que descreve essa atitude dos cristãos. Isso, no entanto, não quer dizer que os primeiros cristãos não adoravam a Deus, mas que suas reuniões estavam mais voltadas para a instrução, a oração  e a comunhão. Contudo, devemos notar que todos os outros fatos ocorriam enquanto os cristãos louvavam a Deus[2] . Ou seja, embora sejam poucas as referências era uma atividade que estava intimamente ligada a expressão de adoração da igreja. Entretanto, não podemos afirmar com certeza se isso acontecia por meio da música, embora possa ser muito bem expressa por ela.

Contudo uma pergunta merece ser feita: Qual a ligação do louvor com a música? Será que os primeiros cristãos musicavam seu louvor? De fato não é possível responder definitivamente esta pergunta. Contudo, podemos considerar que a situação dos cristãos nesse momento histórico não era favorável a cultos musicais.

O que podemo dizer é que o louvor da igreja não era definitivamente ligado a música, como, na verdade, não deveria ser. Hoje estamos acostumados a ter um “louvor” com músicas no culto público, e nos esquecemos da essência do louvor na vida pessoal. Segundo a definição de Hebreus, o louvor é resultado de lábios que confessam o nome de Cristo (Hb.13.15). Por outro lado, não podemos nos esquecer das colocações encontras nos Salmos  (Sl.6:5; 22:25; 34:1; 35:28; 40:3; 42:4; 48:10; 65:1; 66:2, 8; 71:8; 100:4; 102:21; 106:12, 47; 109:1; 111:10; 119:171; 147:1; 148:14; 149:1), que apresentam louvores musicados.

Para melhor entendermos essa questão vamos chamar esse louvor da igreja primitiva de adoração, que em sua essência é deveras semelhante ao louvor. Diante dessa colocação devemos reconhecer que a missão central da Igreja é adorar e glorificar a Deus, portanto deve fazer parte da vida da Igreja. Observe que isso deve ser feito “com salmos, hinos e cânticos espirituais” (Cl.3.16), por que fomos escolhidos “para sermos para louvor de sua glória” (Ef.1.12).

F. Evangelismo

No mesmo versículo podemos perceber, ainda que um pouco escondido, a atividade evangelizadora da Igreja Primitiva. Note: “e dia-a-dia acrescentava-lhes o Senhor os que iam sendo salvos“. Por mais que a atividade esteja centralizada na atividade divina na salvação, sabe-se que “aprouve a Deus salvar os que crêem pela loucura da pregação” (1Co.1.21). Portanto, não se pode negar que o evangelismo era parte integral da vida da igreja primitiva, sendo que isto acontecia diariamente. Segue-se, então, que a proclamação da verdade, o kerigma na Igreja Primitiva era parte essencial da vitalidade da Igreja de Cristo, assim como todos os elementos já mencionados.

A conclusão que devemos chegar aqui é que estes seis elementos são essenciais na prática e na experiência da Igreja de Cristo. Portanto, a igreja local que não viabiliza a execução desses seis pontos não pode ser considerada uma igreja saudável. Em alguns casos é possível que nem possa ser considerada como parte da Igreja de Cristo.

2. A Igreja precisa manter-se Unida

Na introdução deste estudo foi utilizado uma frase que expressa um pouco daquilo que encontramos neste trecho, pois aqui vemos o aspecto mais forte, ou o mais enfatizado por Lucas em suas descrições da Igreja Primitiva: A Unidade, que destrói idéias contrárias, a preferência, o egoísmo e principalmente o fermento que toma conta das igrejas atuais, o partidarismo. Provavelmente isto se deve à necessidade bíblica da Unidade que é muito bem exposta por Cristo antes de se morrer e ser elevado às alturas. Note algumas considerações de Cristo sobre a unidade na Igreja: “Já não estou no mundo, mas eles continuam no mundo, ao passo que eu vou para junto de ti. Pai santo, guarda-os em teu nome, que me deste, para que eles sejam um, assim como nós” (Jo.17.11). Jesus em sua oração pede a Deus que aqueles que são seus mantenham-se unidos, ou melhor que seja “um” como Ele o é com Deus Pai (cf. 17.22);Não rogo somente por estes, mas também por aqueles que, pela sua palavra, hão de crer em mim, a fim de que todos sejam um; e como és tu, ó Pai, em mim e eu em ti, também sejam eles em nós; para que o mundo creia que tu me enviaste” (Jo.17.20-21). Note que a unidade do Corpo de Cristo é a Vontade de Cristo para sua Igreja e um pré-requisito para o testemunho na comunidade, portanto não deve estar em falta na comunidade cristã. Assim, é importante compreender o que é Unidade na Igreja Primitiva. Para tanto podemos considerar os seguintes pontos:

A. Auxílio Social

Auxílio Social é uma marca muito bem delineada da Igreja Primitiva. Observe no v.45 a consideração da dos participantes da igreja: “Vendiam as suas propriedades e bens, distribuindo o produto entre todos, à medida que alguém tinha necessidade“. Os primeiros cristãos tem vívida a idéia de unidade na comunidade a ponto de que entre eles ninguém tenha problemas com o essencial para a vida física.

O meio pelo qual isso era feito é estampado pelo trecho em negrito no supracitado versículo, entretanto resguardado pela premissa sublinhada no mesmo. Assim, os cristãos preservavam a integridade física uns dos outros por meio da prática da ação social. Isso reflete a forma como estavam unidos os irmãos da Igreja Primitiva.

Em At.4.34-35 a declaração é ainda mais clara: “Não havia, pois, entre eles necessitado algum; porque todos os que possuíam herdades ou casas, vendendo-as, traziam o preço do que fora vendido e o depositavam aos pés dos apóstolos. e depositavam aos pés dos apóstolos; então, se distribuía a qualquer um à medida que alguém tinha necessidade“. A preocupação da comunidade cristã primitiva era levar a cabo as exigências de Cristo e assim ser testemunho ao mundo da Graça de Deus.

A conclusão que se chega ao ler esse trecho é que a Igreja Primitiva é exemplo de uma comunidade que sabe como investir seu dinheiro, pois investe em pessoas.

B. Comunhão

A comunhão tem papel fundamental na vitalidade da Igreja, e isso é claramente percebido na experiência da Igreja Primitiva. Esta é a idéia é exposta pelo termo “estavam juntos” que literalmente significa “eram próximos uns dos outros“. Ou seja, viviam uma vida comunitária em unidade. Veja essa descrição: “Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão de casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração“. Mas é importante dizer que a Igreja Primitiva vive em unidade e não em uniformidade.

C. Mesmo Sentimento

Dentre todos os pontos destacados até aqui, nenhum me chama tanto a atenção como este. Note que algumas vezes na nossa leitura observamos a seguinte expressão “perseveravam unânimes” (cf. 1.14; 2.46). A idéia de perseverar já foi bem exposta, entretanto nada foi dito sobre essa “unanimidade“. O termo grego utilizado é “omotumadón” que é um advérbio. Tal advérbio é utilizado dez vezes no livro Atos sendo que são apenas onze em todo o NT. Seguindo essa sugestão, pode-s afirmar que o termo é de grande importância para Lucas e merece ser bem observada. O termo em pauta pode ser traduzido pelas seguintes sentenças: “comum acordo” (At.12.20); “pleno acordo” (At.15.25); “concordemente” (At.18.12, cf. Rm.15.6); “à uma” (At.19.29), sendo encontrado na literatura grega antiga como “comum consenso“, “com uma mente“, “com um propósito“.  Todas as opções encontradas nos levam a uma conclusão interessante, pois os discípulos mantinham-se firmes em comum acordo. Isso é apenas possível se os participantes possuírem o mesmo propósito, estarem em comum consenso com o mesmo modo de sentir e pensar. Contudo, não se deve confundir isto com uniformidade ideológica, mas unidade em termos de propósito, modo de pensar, agir e sentir.

O mesmo sentido é exposto por Paulo, por outros termos, quando diz: “completai minha alegria, de modo que penseis a mesma cousa¸ tenhais o mesmo amor, sejais unidos de alma, tendo o mesmo sentimento” (Fl.2.2; cf. Rm.12.16; 2Co.13.11). Mas é importante dizer que é provável que essa unidade seja uma tentativa de um viver em conformidade com Cristo que é padrão da vida cristã: “Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus” (Fl.2.5; cf. Rm.15.5; Cl.3.2).

Sendo assim, podemos dizer que unidade na Igreja Primitiva significava ter o mesmo sentimento, tendo o mesmo propósito, pensar, agir e sentir. Isso pode ser claramente percebido pela expressão feito por Lucas, pouco depois: “Da multidão dos que creram era só um o coração e a alma” (At.4.32).

3. A Igreja precisa ter Maturidade

Um detalhe que parece antagônico é que a Jovem Igreja Primitiva era Madura e procedia em Maturidade. Maturidade esta que apaga a infante idéia de agradar o público, mas, ao contrário disto, busca agradar somente aquele que é digno de Glória. Essa idéia é importante ser ressaltada pois está em falta em boa parte das comunidades cristãs hoje. Isso pode ser percebido em três pequenos detalhes:

A. Temor

            Na vida de cada cristão havia temor : “Em cada alma havia temor” (v.43). O temor é um ponto primordial para a vida da igreja e parece ser uma exigência em Hb.12.28-29. O sentido expresso pelo termo “temor” está além de medo, embora o inclua. O termo sugere devota reverencia em relação a Deus. Na Igreja Primitiva, tal medo reverente existia em cada um dos cristãos (cf. At.5.1-11).

 

B. Líderes como Instrumento

Na Igreja Primitiva os líderes são instrumentos e não Senhores da Igreja (v.43: “e muitos prodígios e sinais eram feitos por intermédio dos apóstolos“). Na Igreja Primitiva os líderes não eram os “milagreiros“, mas homens que nas mãos de Deus eram instrumentos de sua graça.

 

C. Reconhecimento da Atuação de Deus

O reconhecimento do crescimento como obra divina (v.47 “Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos“) A Igreja Primitiva tinha o conceito correto de que crescimento é competência divina.


[1]MARSHALL, M. Howard, Atos – Introdução e Comentário. pp.83

[2] É importante ressaltar que o gerúndio “louvando”  refere-se a um verbo no presente do particípio ativo grego e é melhor traduzido pelo uso adverbial temporal. Ou seja, “enquanto louvavam“.

About these ads