Análise de Atos dos Apóstolos


I.       Nome:

O título deste documento é visto em Aleph, Orígenes, Tertuliano, Dídiomo, Hilário, Eusébio e Epifânio como simplemente Atos (Praxeis). Mas é também encontrado como Atos dos Apóstolos (Praxeis ton  apostolon) em  B, D, Atanásio, Cipriano, Eusébio, Ciril, Teodoret, Orígenes, Tertuliano e Hilário. De outra forma, podemos considerar o livro como Atos dos Santos Apóstolos (Praxeis ton hagion apostolon), conforme encontramos em A2, E, G, H, A, K e Crisóstomo. Sobre o assunto Archibald Thomas Robertson afirma que  “é possível qu Lucas não tenha atribuido nenhum título ao livro, por isso o uso variou muito até nos mesmos escritores. O título longo, como é encontrado no Textus Receptus (Versão Autorizada) está indubitavelmente incorreta como o adjetivo ‘santo’. A leitura de  B e D, ‘Atos dos Apóstolos’ , pode ser aceita como correta[1]“.

Russell Norman Champlin, ainda sobre o assunto, diz que “o título original, Atos dos Apóstolos, dificilmente teria sido conferido pelo seu autor original, embora tenha sido aqule que geralmente veio a ser-lhe atribuído[2]“. O fato mencionado por Champlin é importante aqui pelo fato de que não se trata realmente da narrativa de “Atos dos Apótolos”, mas de dois deles, Pedro e Paulo.

Diante desses fatos, podemos concordar que as propostas para nomear o documento não alteram seu conteúdo, antes o refletem. Desse forma, poderíamos concordar com Champlin quando sugere que um título apropriado para o texto seria “História do poder de Deus entre os Apóstolos“. Contudo, em consoância com Archibald, aqui consideramos o título da obra como Atos dos Apóstolos, visto considerarmos como a melhor opção.

II.      Autor:

O Livro de Atos não é claramente atribuido a ninguém. Podemos observar uma breve introdução no início do texto, mas sem saber quem o está escrevendo. Nesta breve introdução, é possível notar claramente que o texto não está sendo iniciado aqui, mas é a continuação de um outro documento já escrito. Ou seja, Atos não é um livro completo por si mesmo. Ao que tudo indica, Atos é a continuação do terceito evangelho, visto ser dirigido ao mesmo personagem (At.1.1-2; Lc.1.1-3). Isso é um fato importantíssimo a ser ressaltado na busca pela autoria do documento, pois sabe-se ao certo que o mesmo autor é responsável por dois documentos importantes.

Contudo, um ponto relevante pode ser colocado aqui em relação a esse link entre o terceiro evangelho e Atos, pois  em nenhum dos documentos os autor revela-se claramente. Ou seja, esse link existente entre um livro e outro, nada mais prova senão que ambos documentos tem o mesmo autor, mas nada acrescenta-se sobre quem ele de fato é. Sobre isso, Carlos Osvaldo Pinto diz que, mesmo “embora Atos tenha permanecido como obra anônima, a evidência externa e interna aponta fortemente para Lucas como seu  autor[3]“. Segundo este autor, há duas formas de se confirmar a autoria do texto:

  • (1) A análise de outros documentos, sobre o que eles falam a respeito de Atos, e, obviamente,
  • (2) O que Atos deixa exposto sobre seu autor.

Sendo assim, vamos observar o que essas evidências nos dizem:

Evidência Externa

A tradição uniforme da igreja primitiva atribui o livro a Lucas, sem quais quer outras alternativas. O documento fragmentário chamado Canon Muratoriano (180d.C) atribui os “Atos de todos os apóstolos” a Lucas. A validade dessa afirmação pode ser questionada pelo próprio documento, pois ele sugere que o livro foi escrito após a morte de Pedro, e que a partida de Paulo de Roma for a posterior a esse evento. Contudo, não é este o único documento que faz menção a Atos como sendo de Lucas. Irineu de Lion, em seu escrito “Adversus Heresiae“, indicava sua aceitação de Lucas como autor de Atos. O mesmo fez Clemente de Alexandria (155-215d.C.), em Stromata, e Tertuliano (150-220d.C.), em Do Jejum. Contudo, o mais explícito dos testemunhos é feito por Eusébio de Cesaréia (História Eclesiástica), que parece ser o argumento final para as declarações externas a própria escritura.

 

Evidência Interna

Antes de qualquer colocação sobre a autoria de Atos, devemos considerar os fatores que sugerem a unicidade entre o terceiro evangelho e Atos. Em primeiro lugar podemos citar o destinatário comum. Após isso, podemos considerar o estilo literário. Unindo os dois fatos mencionados, somado ainda à explícita declaração de que Atos é um segundo volume, a continuidade de um anterior, podemos sugerir que o mesmo autor o está escrevendo. Por conseguinte, podemos retirar de ambos documentos informação sobre o autor.

Seguindo o raciocínio acima lançado, podemos dizer que o autor de ambos documentos é alguém de estimada a cultura e bom nível literário. Isso pode ser observado pelo conhecimento claro, da parte do autor, em relação a versão grega do Velho Testamente, a Septuaginta. Sem contar no seu conhecimentos sobre as condições políticas e sociais vigentes na época em que escreve. Outro detalhe importante é que tal personagem histórico não pode ser um dos discípulos de Cristo, visto que ele escreve a respeito das coisas  que foram transmitidas a ele pelas testemunhas oculares e ministros da palavra (Lc.1.1-3). Por outro lado, não é alguém alheio aos acontecimentos narrados, pois existe a indicação de que o autor esteve presente em alguns deles. Note a mudança na forma de narração no trecho de At.16.8-10;  20.5-15; 21.1-18 e 27.1-28.16. Observe que a narrativa normal acontece sempre na terceira pessoa do plural, a exceção dos quatro trechos mencionados. Isso sugere que o narrador participou eventualmente de acontecimentos narrados no próprio livro. Ou seja, o autor acompanhou Paulo nesses acontecimentos. Logo, não pode ser nenhum dos personagens citadados nesses trechos. Assim, como nem Lucas nem Tito são mencionados especificamente entre os companheiro de Paulo em Atos, presume-se que um dos dois tenha sido aquele que, anonimamente, se incluiu entre esse “nós”. Contudo, Tito jamais fora defendido como autor do documento. Sendo assim, é mais sensato não levá-lo em conta como autor do documento em pauta.

Portanto, se os argumentos anteriores são corretos não podemos ter outra opção senão considerar que Lucas, o “amado médico” (Cl.1.14) como o autor de tal documento. Aliás, é digno de nota que a autoria lucana não teria sido contestada até o advento das abordagens críticas do Novo Testamento no fim do século XVIII. Ou seja, se as evidências internas apontam para a autoria lucana, as evidências externas da época o confirmam, não há porque dar crédito aos intentos da teologia liberal, fundamentada na alta crítica textual.

III.     Data:

Algumas considerações devem ser avaliadas:

  • (1) Não é mencionada nenhum material paulino em Atos. Portanto Atos foi escrito antes da circulação universal das carta de Paulo. Portanto Atos foi escrito antes do segundo século.
  • (2) Não é mencionada a Queda de Jerusalém. Isso aconteceu no ano 70d.C com General Tito. Portanto, Atos foi escrito em data anterior a esta.
  • (3) Não é mencionada a morte de Paulo. Isso sugere que Paulo ainda estava vivo enquanto Lucas coletava informações sobre os fatos mencionados. Se a tradição está correta, Paulo morreu debaixo do governo de Nero, que findou por volta do ano 68 d.C. Portanto, Atos foi escrito antes dessa data.
  • (4) Não é mencionada a perseguição de Nero contra os cristãos. Segundo a história, a perseguição de Nero, iniciada no ano de 64d.C., foi a mais cruel. Portanto, Lucas escreveu Atos antes de 64d.C.

À luz dessas considerações podemos concluir que Atos foi escrito antes de 64d.C. Alguns comentaristas tem sugerido que Lucas tenha escrito o livro durante os eventos narrados no fim dele, o que sugere uma data entre 61d.C e 63d.C.

IV.     Características:

Lucas é um livro que combina uma multiplicidade de intenções, todas elas envolvidos com aspectos característicos da narrativa. Podemos dizer que existem três grandes pilares em Atos: Didático, Teológico e Apologético.

Atos é um livro Didático:

Atos é o segundo volume de uma obra com intenções claramente didáticas (cf. Lc 1.1-4). Lucas intenta fortalecer e edificar Teófilo em sua fé por meio de um relato ordenado. No evangelho Lucas narra o ensino e a obra de Jesus, o Messias; em Atos, ele narra as obras do Cristo ressurreto por meio de Seus apóstolos, no poder do Espírito.

Atos é um livro Teológico:

Além disso, Lucas tem intenções claramente teológicas. O tema do reino de Deus permeia os dois livros. Assim é que Atos começa com uma pergunta escatológica (1.6) e termina com vocabulário escatológico (28.31).

Outra ênfase teológica é o relacionamento da Igreja com o reino de Deus, ou seja, como a mensagem do reino, soberanamente, deixou de ser um fenômeno predominantemente judeu e se tornou um movimento predominantemente gentílico, com seu centro se deslocando de Jerusalém para Roma. Ele demonstrou ao(s) seu(s) leitor(es) como Deus tencionava incluir em Seu reino um povo formado por judeus e gentios durante esta era.[4]

Assim como fizera no evangelho, Lucas vindicou esta mudança na operação divina em Atos narrando a oferta autorizada da mensagem cristã aos judeus, e sua rejeição por Israel, de Jerusalém a Roma, escancarando assim a porta aos Gentios. Assim, as palavras de Paulo e Barnabé aos judeus em Antioquia da Pisídia são significativas: “Era necessário que a Palavra de Deus fosse proclamada primeiramente a vós; visto que a repudiais e vos julgais indignos da vida eterna, eis que nos voltamos para os gentios” (13.46). Para os judeus incrédulos em Roma, Paulo citou Isaías 6.9-10, a passagem clássica de endurecimento e condenação nos quatro evangelhos, e disse: “Fique sabido, portanto, que esta salvação de Deus foi enviada aos gentios: eles a ouvirão” (28.28).

Outra ênfase é o papel preponderante do Espírito Santo como o fator motivador no progresso da mensagem do reino. Não foi o esforço humano, e sim o cumprimento da promessa de Jesus que possibilitou o dramático avanço do cristianismo até os confins da terra. Essa ênfase no Espírito Santo é vista ainda na continuidade dos ensinos proféticos de Jesus no livro de Atos:

 

TEMAS DO ENSINO DE JESUS CONTINUADOS EM ATOS

 

A profecia do crescimento da Igreja, que seria vitoriosa contra Satanás (Mt 16.18) Lucas registrou o nascimento e o crescimento da nova entidade chamada igreja e a conquista dos domínios das trevas e do mal.
Jesus afirmou aos líderes religiosos que apenas um sinal seria dado a Israel, a Sua ressurreição (Mt 12.38-40; cf. Jo 2.19). A morte, ressurreição, e o ministério continuado de Jesus Cristo formam o contexto e a base do livro de Atos, sendo o centro da pregação dos apostolos.
Jesus declarou que a cidade de Jerusalém seria destruída, porque aquela geração de israelitas estava sob julgamento divino pelo pecado nacional de haver rejeitado o Messias (Lc 21.23-24). Os apóstolos instaram com os judeus a que se arrependessem e se salvassem daquela “geração perversa” (At 2.40).
Jesus declarou que o reino seria tirado de Israel (aquela geração) e dado a outro povo (os gentios/Igreja), até o cumprimento futuro de suas alianças com Abraão e Davi (Mt 21.43).
  • (1) O reino permaneceu em foco (1.3, 6; 28.31);
  • (2) Jesus não negou a restauração do reino a Israel (1.6-7);
  • (3) Jesus esboçou para os discípulos a sua tarefa até a época fixada pela autoridade do Pai (1.8);
  • (4) O ministério dos apóstolos, especialmente de Paulo, confirmou mais profunda e amplamente a rejeição do Messias por Israel e demonstrou um deslocamento da obra divina dentre os judeus para entre os gentios por meio da Igreja.

 

Assim, a historiografia de Lucas é teologicamente baseada e orientada. Enquanto registrava acuradamente a disseminação do evangelho de Jerusalém para Judéia e Samaria e até os confins da terra, Lucas ligou a história com o propósito divino para o povo de Israel e para o mundo, que o acesso ao reino e o desfrute de suas bênçãos espirituais fosse partilhado por judeus e gentios em pé de igualdade até o tempo da restauração de Israel (cf. 1.6).

Atos é um Livro Apologético

A última, mas não menos importante, das intenções de Lucas era a apologética. Ele tencionava defender o apostolado e a missão de Paulo, complementando assim, com base histórica, as defesas que o próprio Paulo fizera nas cartas de Gálatas e 2 Coríntios.

Lucas retrata o poder e a autoridade de Paulo como plenamente comparáveis aos de Pedro, conforme sintetiza o quadro abaixo:

 

As obras poderosas de Pedro

 

 

As obras poderosas de Paulo

3.1-11  Curou um paralítico de nascença 14.8-18  Curou um paralítico de nascença
5.15-16  Cria-se que sua sombra curava pes­soas. 19.11-12  Cria-se que seus lenços e aventais curavam pessoas.
8.9-24  Repreendeu Simão, um ilusionista 13.6-11  Repreendeu Elimas, um feiticeiro
9.32-35  Curou Enéias de paralisia 28.7-9  Curou o pai de Públio e outros (Malta)
9.36-41  Ressuscitou a Dorcas 20.9-12  Ressuscitou a Êutico

A conversão de Paulo é narrada três vezes (caps. 9, 22, 26), e em cada uma delas se enfatiza sua condição de “caso escolhido”, o que dá a nítida impressão de que Lucas considerava tal evento como crucial no desenvolvimento da mensagem do reino. Esta defesa de Paulo, todavia, não pode ser o único ângulo da intenção apologética de Lucas, pois muito material em Atos em nada contribui para ela (e.g. relatos sobre outros líderes como Estêvão e Filipe).

A possibilidade de que Lucas tenha escrito para demonstrar que o cristianismo não era religião nociva à pax romana pode-se depreender da afirmação dos judeus romanos sobre a fé cristã de que “em toda parte se fala contra ela” (28.22). O cristianismo já havia sido difamado em Roma antes de Paulo ali chegar.

Assim, Lucas indica cuidadosamente que as perseguições em Atos eram de origem religiosa, não política. Que haviam nascido da intolerância e incredulidade dos judeus, exceto em Éfeso e Filipos, onde os motivos foram puramente econômicos, embora relacionados a práticas religiosas.

Se levarmos em conta os dois volumes escritos por Lucas, descobrimos a declaração de inocência de Jesus por Pilatos foi registrada nada menos de três vezes (Lc 23.4, 14, 22). Em Pafos, o procônsul de Chipre, um homem de bom senso, abraçou a fé cristã (At 13.6-12). Em Filipos os magistrados se desculparam diante de Paulo e Silas por abuso de poder e violação de seus direitos de cidadania romana. Em Corinto, o procônsul da Acaia, Gálio, julgou Paulo e Silas inocentes de qualquer ofensa contra a lei romana (18.12-17). Em Éfeso, alguns dos oficiais da província eram amigos de Paulo e o escrivão da cidade o absolveu da acusação de sacrilégio (19.31, 35-41). Na Palestina os governadores Félix e Festo consideraram Paulo inocente das acusações contra ele levantadas, e o rei Agripa II concordou que Paulo “poderia ser libertado, se não houvesse apelado a César” (24.1-26.32).

V.    Ênfases Teológicas em Atos:

Não é difícil de ser perceber uma ontinuidade na ênfase teológica central do Evangelho de Lucas no Livro de Atos. Em Atos, Lucas mantêm seu interesse no tema da Salvação ainda que que sua abordagem seja, obviamente, distinta  da abordagem de seu primeiro livro. Em Atos, Lucas procura demonstrar como a Igreja, constituída de Judeus e gentios, formam uma comunidade com o Judaísmo, ao mesmo tempo em que é no propósito de Deus uma entidade nova e distinta (mesma idéia de “novo mandamento vos dou“).

Continuidade com o Judaísmo

É evidente desde o começo de Atos que Lucas pretende estabelecer uma relação bem estreita entre a Igreja incipiente e o judaísmo (cf. 2.46, 3.1). Por muito tempo a Igreja de Jerusalém teve a posição de “Igreja Mãe” em relação às comunidades cristãs que foram estabelecidas no início: 8.14; 11.2-3, 22; 15.2, 6, 22-29.

Descontinuidade com o Judaísmo

Atos não apresenta um ruptura definitiva entre Igreja e Judaísmo. No entanto, verifica-se, principalmente na segunda metade do livro, um distanciamento gradativo entre Igreja e Judaísmo. O concílio em Atos 15 já demonstra que Jerusalém fez conceções às igrejas gentias (15.28ss). É significativo que o último acontecimento narrado em Atos seja justamente a rejeição da mensagem do evangelho por parte das autoridades Judaicas em Roma (28.17, 28).

Missão da Igreja

Enquanto que Lucas dedica não mais de sete capítulos à igreja em Jerusalém, o restante (outros vinte e um capítulos) relata a expansão do Cristianismo até a cidade mais importante da época, Roma. A ênfase, portanto, é na missão aos Gentios – ainda que Paulo procure sempre os judeus em primeiro lugar (Rm.1.16). Lucas narra a conversão de Paulo três vezes (9.1ss; 22.3ss; 26.2ss); como o evangelho chegou aos gentios duas vezes (10.1ss; 11.4ss); o decreto de Jerusalém sobre os Gentios três vezes (15.20, 29; 21.25). É interessante observar também que a missão da igreja foi essencialmente urbana (Jerusalém, Éfeso, Antioquia, Roma)

O Espírito Santo

A direção do Espírito Santo se faz presente no desenrolar da história que Lucas conta em At.2.1-4; 6.3; 11. 28; 13.2; 15.28; 16.7; 21.11.

A Igreja

Apesar de toda a sua concentração na Igreja, Lucas não tem por objetiavo explicar uma doutrina sobre a Igreja, como se já estivesse desenvolvida. Segundo Lucas, a igreja começou seguindo o esquema da sinagoga Judaica (presbíteros: 14.23; episcopos: 20.18). Contuno, é inegável que Lucas tenha selecionado eventos da Prática da Igreja Primitiva que irrovogavelmente devem fazer parte da praxis eclesiológica hoje. Portanto, neste aspecto, muito estima-se o Livro de Atos.

VI.   Contexto Histórico:

A Igreja Primitiva estava sendo perseguida e assolada pelos judeus e pelo Império Romano, acusada de ser religião ilegal. Ao mesmo tempo, divisões e facções internas, junto com a presença de falsos mestres ameaçavam a saúde da igreja. A Igreja ainda estava em desenvolvimento, com menos de 30 anos, mas sua obra missionária era “invejável“, ainda que tenha se iniciado com perseguição. O livro encoraja os crentes pelos relatórios do pregresso inevitável do evangelho através da Obra do Espírito Santo. Incentiva a continuação da obra missionária iniciada por Pedro, Paulo e outros.


[1]ROBERTSON, Archibald Thomas. Word Pictures in New Testament. Parsons Tecnology. Vol.3: Atcs

[2]CHAMPLIN, Russell Norman. Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. SRVBB: São Paulo. Vol.3 pp.1

[3]PINTO, Carlos Osvaldo, Apostila de Teologia Bíblica do Novo Testamento 1. Material não publicado. pp.??

[4]Stanley D. Toussaint, “Acts” em The Bible Knowledge Commentary: New Testament Edition, p. 351.

About these ads

15 comentários sobre “Análise de Atos dos Apóstolos

  1. Muito Bom!
    Me ajudou bastante, eu tinha que dar uma palestra sobre Atos e não tinha quase nenhuma noção do que era ou o que representava.
    Valeu!

  2. Extraordinária a corrrelação entre os milagres de Pedro e Paulo, bem como as três absolvições concedidas a Jesus por Pilatos, e os perdões a Paulo. Nos mostrando as fortes perseguições religiosas ao Cristianismo.

  3. a paz do senhor jesus! ótimo estudo. mas não me parece ao ler o texto de atos 20.9-12
    que o jovem êutico tenha sido ressucitado, pelo fato que paulo diz que a sua alma está nele. se fôr possivel ficaria grato por um esclarecimento.

  4. graça e paz!
    Estou fazendo a hermenêutica de Atos 15:5 e sua pesquisa me acrescentou muito. Que o Senhor continue te abençoando.

  5. Gostei muito do conteudo aqui apresentado. Estou preparando uma apostila sobre o conteudo teológico dos atos, para o curso de teologia, e pesso permissão para utilizar este conteudo. Aguardo resposta, e que Deus vos abençoe!

  6. Pingback: Os números de 2010 « Teologando

  7. Graça e Paz!
    Saúdo aos irmãos pela disposição em compartilhar material de estudo bíblico que edifica, que faz crescer e amadurecer espiritualmente, o povo de Deus.
    Que o Espírito Santo de Deus continue abençoando-vos e iluminando-vos, a fim deste e outros materiais serem acrescidos.
    A Paz do Senhor Jesus!

Os comentários estão desativados.