Era Judas Iscariotes Salvo?


Judas Iscariotes

(Ish Karioth – Homem de Queriote)

Informações sobre sua vida

  • Judas deixou tudo para se tornar discípulo de Cristo (Mt.19.27; Mt.10.1-4; Mc.3.13-19; Lc.6.12-16)
    • Isso implica que ele teve acesso aos mesmos privilégios e aprendizados que todos os outros discípulos:
      • Judas recebeu autoridade da parte de Cristo sobre espíritos imundos, para expulsá-los e para curar toda sorte de doença (Mt.10.1; Mc.3.15);
      • Judas foi chamado para ser enviado a pregar[1] (Mc.3.14)
    • Isso significa que ele foi separado dentre uma multidão que seguia a Cristo para ser considerado seu discípulo/apóstolo:
      • O ato de selecionar Judas da parte de Cristo foi antecedido por uma noite de oração (Lc.6.12)
      • A seleção aconteceu entre vários dos discípulos de Cristo. Judas foi pessoalmente selecionado por Cristo dentre várias possibilidades (Lc.6.13)
      • Judas foi denominado por Cristo como apóstolo[2]. O termo apóstolo po de significar “enviado” e “contém em si um elemento de autoridade concedida e reconhecida por aquele que envia[3]”
    • Isso não significa que essa seleção não tenha em si o pré-conhecimento de Cristo e sua predeterminação para a função a que ele desempenharia
      • Jesus escolheu 12 entre os discípulos, mas reconheceu que um era o diabo (Jo.6.70-71). Essa afirmação não é necessariamente definitiva para a não salvação de Judas, pois Jesus teria feito algo muito semelhante a Pedro (Mt.16.22-23; Mc.8.32-33)
      • Judas traiu sob influencia e domínio do Diabo (Lc.22.3-6; Jo.13.2)
  • Judas andou por três anos lado a lado com Jesus, e teve a oportunidade de ouvir ensinamentos que outros seguidores Dele não puderam ouvir (Mc.4.34; Mt.13.36ss; ).
  • Judas foi testemunha ocular dos sinais e milagres realizado por Cristo (Mt.8.23-27; Mt.9.18-26; Mt.15.32ss; etc.).
  • Judas foi selecionado como administrador dos recursos que sustentavam a Jesus e seus discípulos durante o ministério de Jesus. (Jo.12.1-6). Também foi considerado como ladrão.
  • Judas foi contado entre os apóstolos e parte do ministério deles realizado com Cristo (At.1.16)
  • Judas foi o responsável pela entrega de Cristo à morte
    • A entrega de Cristo envolveu suborno[4] (Mt.26.14-16; Mc.14.10-11; Lc.22.4-6)
    • Judas estava debaixo da influência do Diabo na execução dessa traição (Lc.22.3-6; Jo.13.2)
    • Debaixo do conhecimento do que haveria de sofrer, Jesus recomenda que Judas faça o que tem que fazer depressa (Jo.13.27). Isso assegura que a ação de Judas estava debaixo do conhecimento de Cristo e predeterminação de Deus (At.2.22-23)

Judas e o dilema do Mal

  1. Judas foi escolhido para ser o traidor?
  2. Se foi escolhido com esse propósito, ele não realizou a vontade de Deus? Isso não o torna melhor que os outros discípulos, que além de não se envolverem no processo (à exceção de Pedro) o abandonaram?
  3. Mas, Judas estava sob domínio e posse do Diabo. Isso significa que isso aconteceu debaixo da permissão e decreto de Deus. Como Deus pode usar o mal sem tornar-se culpado por ele?
  4. Qual é a diferença entre o que fez Judas e Pedro?
  5. Judas pode ter estar na Eternidade com Deus no futuro? Por quê?

Tabela de possibilidade de Salvação de Judas

Argumentos a Favor

Réplica

1. Judas foi selecionado por Cristo para ser discípulo e apóstolo.

  • a. Mt.10.1, Mc.3.13: parakaleomai – também usado para referir-se a atividade seletiva de Deus (At.2.39 – salvífico; At.13.2; 16.10 – ministerial);
  • b. Lc.6.13: eklegomai – termo também usado para designar os eleitos ou a eleição (Mc.13.20; Lc.9.35; Jo.15.16, 19; At.13.17; 15.7; 1Co.1.27-28; Ef.1.4)
A seleção de Judas não implica em que tenha sido chamado à salvação. O chamado de Judas pode evidenciar a pretrição salvífica.§   Ele poderia ter sido enquadrado como aquele que foi “parakaleomai” (chamado), mas não “eklegomai” (escolhido) (Mt.22.14). §   É também possível que Judas tenha sido escolhido por Cristo para ser o traidor (Jo.6.70-71; 13.18).
2. Judas exerceu funções ministeriais como os outros discípulos e apóstolos, debaixo da autoridade e autorização de Cristo:

  • a. Mt.10.1: Ele recebeu de Cristo a autoridade sobre espíritos imundos e para curar doenças (Mc.3.15)
  • b. Mc.3.14: Ele foi selecionado para estar com Cristo pessoalmente e foi comissionado por Ele para pregar. (kerusso)
  • c. Mt.10.7: Nas instruções da pequena comissão, Jesus, ele recomendou que pregassem a mensagem do Reino dos Céus.
Jesus teria ensinado que nem todos que exerceram funções ministeriais são de fato salvos.Funções ministeriais nunca definiram a salvação:

  • § Ninguém é salvo por elas (Ef.2.8-9)
  • § Realizá-las não é necessariamente evidência da salvação (Mt.7.21-23).
3. As definições ministeriais de Judas, também são definições do trabalho desempenhado por Cristo:

  • a. Mt.4.23: A proclamação (kerusso) nesse caso é atribuído ao Evangelho do Reino. O texto também fala sobre um ministério de sinais e milagres (Mt.9.35; 11.1; Mc.1.14; 1.39; 1.45)
  • b. Mc.3.14: Quando Cristo selecionou os 12, ele os escolheu para realizar o trabalho que já realizava, e que transmitia a seus seguidores.
  • 4. As funções ministeriais de Judas também são definições do trabalho desempenhado pelos apóstolos após a ressurreição de Cristo:
  • a. Proclamação: Essa ação foi tomada por todos os seguidores que teriam experimentado a verdadeira salvação (At.2; 3; 4; 8.5; 9.20; 10.40-43…)
  • b. Sinais e Milagres: At.2.43; At.3.1-8; At.8.7…
5. A Judas Iscariotes foi prometido que estaria, no Reino, e que se assentaria em um dos doze tronos que julgaria a nação de Israel, no futuro.

  • a. Mt.19.27: Pedro afirma que os que estavam com Jesus naquele momento, tinham largado tudo para seguir a Cristo.
  • b. Mt.19.28: Jesus não confronta esse fato, e complementa que aqueles que o haviam seguido se assentariam em doze tronos para julgar as doze tribos de Jerusalém
  • c. Mt.19.29: Jesus assegura que aqueles que haviam deixado para trás o que os discípulos haviam deixado, herdariam a vida eterna.
  • d. Lc.22.28-30: Jesus teria dito que aqueles que estavam com Cristo naquele momento eram os que teriam permanecido com Ele. A esses ele garantiu a presença no Seu Reino no futuro.
Vamos fazer a réplica desse argumento em duas etapas:.

  • § MATEUS: Em Mateus essa afirmação de Jesus é feita na presença de todos os discípulos e a presença do termo “doze tronos” pressupõe que Jesus incluísse a todos os discípulos que estavam presentes. Entretanto, Pedro quando se refere a ausência de Judas em Atos, diz que era necessário que a vaga dele fosse suprida. De onde vem essa necessidade? É provável que provenha dessa afirmação de Cristo.
  • § LUCAS: Em Lucas temos um detalhe interessante, essa cena acontece durante a última noite. Cristo já havia anunciado que havia entre eles um traidor (v.21-22). Após essa declaração os discípulos se perguntam que é o traidor, e posteriormente quem seria o maior entre eles. Comparando esse fato com a narrativa de João, o diálogo que segue Lc.22.28-30 trata-se da negação de Pedro, que em João acontece após o momento em que Judas já teria sido possuído por Satanás e teria saído da presença dos outros discípulos. Assim, Jesus teria se referido apenas aos 11 presentes. A falta do termo “doze” em definição aos tronos, também sugere isso.
6. Jesus concedeu acesso ao perdão divino a todos os que estavam envolvidos na cena da crucifixão, por que Judas estaria de fora? (Lc.23.34) O fato de o perdão estar acessível, não significa que ele tenha sido aproveitado. Acaso, os romanos envolvidos na crucifixão de Cristo estavam automaticamente salvos por terem ouvido essas palavras? Acaso a fé não lhes foi necessária?
7. O suicídio de Judas não autentica sua não salvação. Aliás, parece que Pedro também não o destinou ao inferno (At.1.25):

  • a. No discurso em Atos, Pedro afirma que Judas foi para o “seu lugar”. Não há indicações objetivas que isso represente a ausência eterna de Deus (inferno).
  • b. É possível que a morte terrível que teve Judas, seja esse lugar a que refere-se Pedro. Esse era o lugar esperado para um traidor.
  • c. A expressão “transviou” (parabaino) pode indicar que Judas esteve sinceramente na companhia de Cristo, até que mudou de idéia, deixou, abandonou o posto ou cargo.
O suicídio pode não indicar que Judas era um não salvo, mas também não evidencia sua salvação.A questão de ter-se transviado, não significa que ele fora salvo e caiu em pecado, mas que abandonou o posto de discípulo e apóstolo. De fato, pode significar que ele esteve sincero na presença de Cristo seu seguidor. Mas, desde quando sinceridade no seguir a Cristo é requisito para salvação?

Argumentos Contra

Réplica

1. Durante o ministério de Cristo, Ele anunciou abertamente que entre seus seguidores havia pessoas que, embora estivessem com Ele, não eram de fato dele:

  • a. Jo.2.23-25: Após alguns dos seguidores de Cristo terem visto os sinais que ele fazia, passaram a crer no nome de Jesus. Entretanto, o próprio não se confiava a eles, pois os conhecia.
  • b. Jo.6.64: Após um sermão pesado, Jesus afirma que entre aqueles ouvintes haviam descrente. A expressão grega para “descrentes” é exatamente o termo grego empregado para crer como requisito para salvação (Jo.6.29; 30; 35; 36; 40; 47; 64). Nesse mesmo verso, João acresce que Jesus teria conhecimento desde o princípio sobre os que não criam e quem o havia de trair. Portanto, Judas não teria crido em Cristo.
  • c. Jo.6.66-71: Na continuação da passagem anterior, Jesus oferece a oportunidade para que seus discípulos o abandonem, assim como muitos dos seus seguidores o fizeram após seu discurso. Pedro, em nome de todos, diz que eles criam em Cristo. Ao ouvir isso, Jesus alerta Pedro em sua inocência, dizendo que um dos doze era um Diabo.
  • d. Portanto, Judas faz parte daquele grupo de pessoas que embora estivessem próximos a Cristo nunca pertenceram a Ele.

.

2. Judas também é citado por Jesus nos seus últimos momentos e fica evidente nesse momento que Judas nunca fez parte da salvação, muito embora isso não fosse perceptível, mesmo entre os que estavam com Jesus.

  • a. Jo.13.10-11: Após ter argüido Pedro sobre sua postura diante de sua humildade, Jesus afirma que quem já se banhou não necessita de lavar os pés, mas complementa: “Ora, vós estais limpos, mas não todos”. João explica que Jesus havia dito isso, pois sabia quem era o traidor.
  • b. Jo.13.18: Após recomendar a prática da humildade com o lavar dos pés, Jesus afirma que eles serão bem-aventurados se praticarem essas coisas. Entretanto, completa dizendo que não fala com respeito a todos, mas ele sabe a quem escolheu. Isso era para evidenciar o cumprimento profético de Sl.41.9, como uma referência a Judas (Jo.13.26-30).

.

3. Jesus havia ensinado que aqueles quem o Pai teria dado a Ele, de modo nenhum ele jogaria fora (Jo.6.37):

  • a. Jo.6.39: A segurança da Salvação é assegurada por Cristo, pois não perderia nenhum daqueles que o Pai o teria dado, e esses seriam ressuscitado no último dia.
  • b. Jo.6.40: Todos aqueles que depositassem fé e cressem no Filho, teriam acesso a vida eterna e seriam ressuscitados por Cristo no último dia.
  • c. Jo.6.44: Ninguém pode chegar a Cristo se não for encaminhado pelo Pai. Esse será salvo (Jo.6.65). O inverso é verdadeiro (Jo.14.6).
  • d. A verdade sobre a salvação é exposta no capítulo 6 de João, tanto da perspectiva da Predestinação Divina, quanto da Responsabilidade Humana. Entretanto, a garantia dessa salvação está restrita a Deus, como o que encaminha e garante essa salvação. Esses que são segurados por Cristo, não podem ser perdidos, pois estão garantidos por Deus.
  • e. Jo.17.12: Em sua oração, Jesus atesta que esteve com os discípulos, que os guardava em nome de Deus e os protegia de modo que nenhum deles se perdeu. Isso está em conformidade com o ensino de Jo.6. Entretanto, Jesus também afirma que o Filho da Perdição havia sido perdido e isto estava em conformidade com a revelação das Escrituras.

.

4. Jesus teria dito que a pessoas que resistiam ao seu ensino que eles pertenciam ao Diabo (Jo.8.44):

  • a. Jo.8.42: Jesus apresenta um princípio simples para a salvação: Se os seus ouvintes tivessem por Pai a Deus, certamente eles iram amar a Cristo, pois ele mesmo teria vindo de Deus.
  • b. Jo.8.43: Nesse verso, Jesus questiona-se por que não compreendem sua linguagem. A resposta é simples, é por que eles são incapazes de ouvir o que ele diz. Tal incapacidade não é uma deficiência intelectual, mas uma resistência pessoal às verdades anunciadas.
  • c. Jo.8.44: Em explicação à essa resistência, Jesus afirma que esse pertencem ao Diabo. Em grego, podemos ler: vocês do Diabo são. Essa fato explica a falta de compreensão e a incapacidade em ouvir o que ele dizia.
  • d. Jo.6.70: Judas foi chamado de Diabo. A construção grega pode ser lida da seguinte maneira: “um de vocês diabo é”. Essa sentença é muito semelhante àquela que garante que eles pertencem ao Diabo. É possível inferir que o mesmo aconteça aqui. Se isso é verdadeiro, Judas sempre pertenceu ao Diabo, nunca foi salvo e foi escolhido para ser instrumento do maligno (Lc.22.3-6; Jo.13.2, 27) debaixo da supervisão e determinação de Deus (At.2.23) para a realização a crucificação de Cristo, executada voluntariamente por homens (At.2.23; cf. Mc.15.13, 14; Lc.23.21; Jo.19.2, 15).

.


[1] O termo grego empregado no texto de Marcos é muito significativo, pois não tratava-se de uma pregação qualquer, mas do “kerigma” (o que é pregado, a mensagem) do evangelho. A pregação apostólica ficou conhecida como o KERIGMA da Igreja Primitiva. Já o ato de proclamar é identificado pelo verbo cognato “kerusso“, usado nesse texto de modo a dar a entender que Judas também estava escalado como um proclamador autorizado do reino e do evangelho de Cristo.

[2] A palavra “apóstolos” é utilizada nos evangelhos designar aqueles que estavam com Jesus, que foram eleitos por Ele para o acompanharem e que foram enviados por Ele (cf. Mt.10.2-5; Lc.6.13; Lc.11.49). Já em Atos pode-se notar que a referida palavra tem seu significado estendido, sendo atribuída àqueles que têm autoridade para ministrar, são ligados diretamente a Jesus (At.1.26; 2.37, 43; 4.33, 35-37; 5.12, 29), tem autoridade doutrinária (At.2.42), tem autoridade conciliar (At.15.2, 4, 6, 22-23) e são escolhidos pelo próprio Senhor Jesus (At.1.2). Essas são as características atribuídas a Judas, quando selecionado por Cristo para ser APÓSTOLO.

[3] PINTO, Carlos Osvaldo, Análise Exegética de Tito 1.1-2. Material não Publicado.

[4] Como Judas era familiar com o roubo, podemos dizer que tinha problemas com a sedução do dinheiro.

14 comentários sobre “Era Judas Iscariotes Salvo?

  1. cavalini

    Não tenho duvidas: Judas já é salvo e vai se assentar e julgar as 12 tribos de israel. Acorda povo! Foi plano de Deus na vida de Judas. Foi deus que entregou Judas a Cristo, era seu ministerio. Se vocês não acreditam, tudo bem, só não crucifiquem Judas. Cabe a Deus o julgar! Quem somos nos para julgarmos Judas? Não acuse.

    1. Muito Obrigado por sua participação no Teologando.

      Eu já disse em outro lugar que opinião é assim mesmo, cada um tem a sua. Entretanto, eu gostaria que você não apenas deixasse a sua opinião, como demonstrasse nas escrituras isso. Se possível, leia com atenção esse texto no blog e você irá perceber que passei por essas informações. E lembre-se, minha opinião não é um julgamento aleatório, creio que observei as evidências que as escrituras deixaram. Por isso, pergunto: O que você faz com essas afirmações de Jesus sobre Judas:

      “Contudo, há descrentes entre vós. Pois Jesus sabia, desde o princípio, quais eram os que não criam e quem o havia de trair” – Jo.6.64

      “Replicou-lhes Jesus: Não vos escolhi eu em número de doze? Contudo, um de vós é diabo. Referia-se ele a Judas, filho de Simão Iscariotes; porque era quem estava para traí-lo, sendo um dos doze” – Jo.6.70-71.

      “Declarou-lhe Jesus: Quem já se banhou não necessita de lavar senão os pés; quanto ao mais, está todo limpo. Ora, vós estais limpos, mas não todos. Pois ele sabia quem era o traidor. Foi por isso que disse: Nem todos estais limpos” – Jo.13.10-11

      Isso sem contar que a missão de Cristo era guardar aqueles que Deus havia dado a ele e não perder nenhum, como Ele mesmo disse:

      “E a vontade de quem me enviou é esta: que nenhum eu perca de todos os que me deu; pelo contrário, eu o ressuscitarei no último dia” (Jo.6.39). Entretanto, Jesus alega que Judas havia sido perdido: “Quando eu estava com eles, guardava-os no teu nome, que me deste, e protegi-os, e nenhum deles se perdeu, exceto o filho da perdição, para que se cumprisse a Escritura” (Jo.17.12).

      Diante dessas evidências acredito que a não salvação de Judas é defendida pelas escrituras, especialmente por que essa era a visão que Cristo tinha da situação (cf. Jo.17.12).

      Um grande abraço.

  2. Tiago Jovita Ubaldo

    É lógico e evidente que a questão da salvação de Judas Iscariotes não cabe a mim ou a você, mas a DEUS somente. Porém, o Brasil tem em torno de 190.000.000 (cento e noventa milhões) de técnicos de futebol, porque não tentar sermos teólogos também?

    Quero deixar claro que não colocarei aqui minha opinião, mas procurarei basear-me em dados fornecidos na bíblia e nos ensinamentos teológicos. Peço perdão, por não colocar os versículos de onde estou citando.

    Na Bília fala que DEUS se dará por todos: “Eis o cálice do meu sangue; o sangue da nova e eterna aliança que será derramados por vós e por TODOS…” Algumas traduções trazem este trecho como: “Eis o cálice do meu sangue o sangue da nova e eterna aliança que será derramado por vós e por MUITOS…” As traduções não divergem, pois na verdade, a salvação é dada a todos aqueles que creem.

    Judas Iscariotes Creu?

    – Claro que sim!!! Não seria escolhido, nem passaria três anos, nem muitos menos entregaria o próprio Cristo, se não cresse que Ele é Rei, Mestre e Senhor de tudo.

    Então a graça da salvação está sobre Judas Iscariotes, assim como, sobre mim e você quando dizemos que CREMOS.

    Também está escrito: “Todo aquele que come minha carne e bebe meu sangue permanece em mim e Eu nele…” Mas alerta: “Aquele que come minha carne e bebe meu sangue de forma indigna, comunga sua própria condenação.” (escrito de forma aleatória, apenas tentando preservar o sentido) Judas comungou impuramente; com outros propósitos que não eram pertencer ao Corpo Místico do Cristo – A Igreja. Por isto está escrito: “Ao receber o Pão, o demônio entrou em seu corpo e Cristo lhe falou ‘Vai e faz o que tem que fazer.'” Neste momento, Judas estava participando do Projeto de Salvação desenvolivido por Cristo e pelo Pai na Ação do Espírito Santo, pois a salvação não existiria se naquela noite, primeira quinta-feira depois do dia de domingo no qual o Cristo havia sido aclamado como Rei e Santo no brado de “Hosana” do povo de Isarael, Ele não tivesse sido entregue.

    Aí coloco mais uma questão: Faz parte do plano de Salvação para a humanidade esta intervenção demoníaca? Ou não foi Satanás que entrou no coração de Judas, mas simplesmente o desejo de inveja ou o desejo de cumprir o que já havia sido acordado? Pois na Santa Ceia, Judas já havia recebido a quantia referente a entrega de Jesus.

    Mas independente deste fato, a traição de Judas Iscariotes foi um pecado, assim como eu e você somos propensos a pecar. E todo pecado tem perdão. Na Bíblia está escrito que Judas se arrependeu amargamente do feito e até tentou devolver as moedas de prata em troca da libertação do seu Mestre e Senhor. Então, teoricamente, o perdão a ele estaria concedido, por ter se arrependido e tentado voltar atrás em sua má ação. É aí que se coloca a principal questão. A maior de todas: “O SUICÍDIO DE JUDAS”.

    Pois é: “Não matarás” esta parte do decálogo desrespeitada por Judas com suas últimas forças quando matou a si mesmo, pode ser responsável pela sua condenação, porém, a Igreja afirma que, se todos estão salvos, ninguém pode ser excluído da salvação, a não ser que o faça de livre e espontânea vontade negando o Senhorio de Nosso Senhor Jesus Cristo. O ato desesperado de Judas de tirar a própria vida não partiu, senão, de má utilização do arrependimento gerado em cada um de nós quando temos consciência do quão Deus é bom em nossas vidas, mesmo assim, O traímos. Se “Um segundo para Deus são mil anos e mil anos são um segundo” como poderíamos dizer que nos últimos centésimos ou milésimos de segundo de sua consciência (período entre pular com a corda no pescoço e realmente perder a consciência) Deus pode ter feito a pergunta que fará a nós neste mesmo momento: “Tiago, tu me amas?”

    Quem sabe se esta não é a resposta que realmente nos colocará diante ou não do Cristo face-a-face?

    Quer minha opinião? Pois aí está:

    “Eis o número dos que serão salvos, são 124.000 (cento e vinte e quatro mil)”. Se 12 (doze) é um dos números na Bíblia utilizado como número que designa a perfeição, temos: 12x12x1.000=124.000. Então é a mesma relação utilizada por Cristo quando disse: “Não digo que deveis perdoar sete vezes, mas setenta vezes sete.”

    Espero ter contribuído.

    Fiquem com Deus e sejam abençoados com o projeto da Salvação descrito por Nosso Senhor Jesus Cristo.

  3. Eduardo

    Tudo isto e muito interessante, mas na minha concepção Judas esta salvo sim
    Se ele traiu o SENHOR JESUS por que ele veio ao mundo para fazê-lo para que se cumprisse a morte e ressurreição de CRISTO.
    Por que diz: (MT 12:40) Que o SENHOR JESUS esteve por três dias e três noites no coração da terra
    Creio que ali o SENHOR JESUS pregou a todos que estava naquele lugar e com certeza Judas se prostrou aos pés do SENHOR JESUS com todo arrependimento e teve sua Salvação

    1. Eduardo,

      Muito obrigado por sua participação. No Teologando opiniões diferentes são bem vindas, mas é princípio no Teologando, que tais opiniões tenham respaldo bíblico. Temos a firme convicção que “achismos” não podem se sobrepor ao ensino das escrituras.

      Sua opinião é que Judas era salvo, pois Judas prostrou-se aos pés do SENHOR JESUS como todo arrependimento e teve sua salvação. Você pode usar as escrituras para demonstrar sua opinião?

      Lembre-se: Não há qualquer menção do arrependimento de Judas nas escrituras. A idéia de um Judas arrependido, cumprindo sua missão não vem das escrituras, mas do Evangelho de Judas, documento gnóstico, pseudoepigráfico que tornou-se conhecido mais recentemente. Na história do Cristianismo não existem referências a um Judas salvos. Essa informação sempre esteve na pena e boca dos hereges.

      Outro detalhe: Jesus ensina claramente que Judas não era salvo: “Contudo, há descrentes entre vós. Pois Jesus sabia, desde o princípio, quais eram os que não criam e quem o havia de trair” – Jo.6.64

      Descrentes é o oposto de salvo. Judas está nesse grupo na opinião de Jesus. Como você harmoniza a visão de Jesus com a sua opinião?

      Um grande abraço,
      Marcelo Berti

  4. Silas Haziel

    Assunto bastante interessante, segundo Mateus 27:5 Judas teria se matado mediante a dor tremenda em seu peito derivado do sentimento de culpa, teria as 30 moedas jogadas e se enforcado em uma arvore, mas em atos 1:18 não relata a morte de Judas por enforcamento, ele teria compro um terreno com o dinheiro de sua iniqüidade e após uma queda teria se partido ao meio, ouvi algumas explicações que diz respeito a esse assunto mencionar que esse “partido ao meio” seria pelo fato do seu corpo esta em estado de putrefação e não sustentar seu peso, mas e “a compra do terreno como dinheiro de sua exigüidade”? Isso seria alguma metáfora ou ele jogou as 30 moedas e pegou de volta pra compra “o seu tumulo”, ou seja, o terreno onde se encontra a arvore na qual se enforcou? Sobre o assunto de sua salvação, nos é ensinado mediante a palavra que quem comete suicídio não tem lugar no céu, por tanto não tem o perdão de Deus, ele deveria ter pedido o perdão de Deus para obter sua salvação assim como Pedro o fez pos ter o traido negando-o 3 vezes, mas não se fazia necessária essa traição pra que cristo fosse morto e assim redimir todos os nossos pecados? Esse nao era o destino de judas, Deus como um ser onipotente e oniciente que é, nao teria o conhecimento disso? Os doze tronos mencionados em Mateus 19:28 não se refere aos 12 apóstolos, se sim, Judas não estaria no meio dos dozes?

    Abraço.

  5. carlos lima leite

    DEVEMOS SER PRATICOS, DEUS NÃO É BUROCRATICO COMO TAMBÉM NÃO É A BIBLIA, NÃO HÁ SALVAÇÃO APENAS POR CRER MAS NA APLICAÇÃO PRATICA DA FÉ.
    ARREPENDIMENTO GERA PEDÃO MT 9-13 , SE VOCÊ IMPOSSIBILITA A VIA DA SALVAÇÃO QUE É O ARREPENDIMETO,(JUDAS IMPOSSIBILITOU O ARREPENDIMENTO PELO SUICIDIO NÃO POR PLANO DIVINO) ESTÁ CONDENADO JÁ ERA VAI PARA O CALDERÃO !!!!!!!
    SE TUDO FOR PLANO DIVINO ENTÃO O DIABO VAI SER AMPARADO POR ESTA MESMA BRECHA E ESTÁ SALVO LIVRE ARBITRIO TIRA DAS MÃOS DE DEUS O SANGUE DE JUDAS .
    FOI CONDENADO !!!!!!! SEJAMOS INTELIGENTES E TEOLOGAMOS POR ALGO MAIS PROFUNDO !
    CARLOS LIMA .:

    1. Carlos Lima,

      Obrigado por sua contribuição, e em termos gerais nós concordamos sobre o que aconteceu com Judas. Há algum tempo não venho respondendo post sobre esse assunto em função de já ter-me feito claro nas resposta anteriores. O que me faz interessado em responder o seu comentário é minha discordância com alguns detalhes de sua opinião, e por isso faço algumas observações:

      1. “NÃO HÁ SALVAÇÃO APENAS POR CRER MAS NA APLICAÇÃO PRATICA DA FÉ“: Sua opinião nesse ponto é contraditória às escrituras: Não há salvação por aplicação prática da fé, apenas por fé e por fé somente. Veja o caso de Cornélio: “Morava em Cesaréia um homem de nome Cornélio, centurião da coorte chamada Italiana, piedoso e temente a Deus com toda a sua casa e que fazia muitas esmolas ao povo e, de contínuo, orava a Deus” (At.10.1-2). Apesar de esse homem ser piedoso e temente (coisa que muitos cristãos não o são) não significava que ele era salvo. Aliás, o texto nos conta que Deus enviou mensageiros (anjos) para avisar a Cornélio que deveria chamar a Pedro para uma conversa (v.3-7). Deus também fala de modo sobrenatural com Pedro para que entenda que deve ir até os gentios e levar o evangelho (v.9-20). A verdadeira conversão de Cornélio aconteceu apenas depois de ouvir sobre Jesus Cristo (v.36-43: observe a expressão “todo aquele que nele crê recebe remissão de pecados”) e sua salvação foi confirmada pelo batismo do Espirito Santo (v.44). Na verdade, as escrituras são claras em demonstrar que a aplicação prática da fé segue a salvação e nunca o contrário: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie. Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas” (Ef.2.8-10). A Salvação é por Graça (da parte de Deus) por meio da fé (da parte do homem) para realizar boas obras (com Deus).

      2. “SE VOCÊ IMPOSSIBILITA A VIA DA SALVAÇÃO QUE É O ARREPENDIMENTO (…) ESTÁ CONDENADO“: É certamente muito arriscado diferenciar Fé de Arrependimento, pois reconheço que as escrituras ensinam que a verdadeira fé nasce no reconhecimento da necessidade de perdão fruto de um arrependimento genuíno. Os apóstolos deixaram evidente que a mensagem do evangelho exigia arrependimento: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo” (At.2.38; cf. 3.19; 8.32; 17.30). Por outro lado, o termo grego que descreve o “arrependimento” é muito mais do que um pesar pelos erros e defeitos do passado, é uma mudança consciente da mente (gr.μετάνοια / meta = transformação; mudança; nóia = mente). Segue-se que arrependimento segundo o NT está relacionado muito mais à conversão (mudança) que acompanha o exercício da fé. Ou seja, sem fé não existe verdadeira mudança ou arrependimento. Por isso, as escrituras são recorrentes em ensinar que é a fé determinante para salvação ou condenação e não o arrependimento: “Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus” (Jo.3.18; cf. 36).

      3. “JUDAS IMPOSSIBILITOU O ARREPENDIMENTO PELO SUICIDIO NÃO POR PLANO DIVINO“: Sua opinião não se relaciona com as escrituras nesse ponto (do meu ponto de vista). A liberdade de Judas em retirar sua própria vida é uma demonstração de não arrependimento, mas isso não exclui a Determinação Divina. Observe que Jesus fala em Judas como um “descrente” (J.6.64), “diabo” escolhido por Cristo (Jo.6.70-71), sujo e traidor (Jo.13.10-11) e especialmente não protegido e guardado por Cristo por ser o filho da perdição (Jo.17.12). É interessante notar que todos aqueles que Deus Pai tem interesse em salvar ele os dá a Jesus Cristo (Jo.6.37; v.44), para que sejam guardados e protegido por Ele (Jo.6.39), fato que não intencionou fazer com Judas, como Jesus deixa bem claro em sua visão de Judas. Portanto, não foi o suicídio que determinou a condenação, mas a determinação divina em não salvá-lo, manifesta em sua falta de fé (descrença), sua participação com Satanás (Jo.6.70-71) e sua possessão com o mesmo (Jo.13.2, 27) e no seu suicídio.

      Abs,
      Marcelo Berti

  6. Ckeuksib

    Se Judas foi salvo, então a Escritura não se cumpriu. A Escritura não pode falhar (Jo 10.35). Jesus disse que guardou a todos os que o Pai Lhe deu, exceto o filho da perdição (Judas). Para quê? Para que a Escritura se cumprisse. Se Judas como filho da perdição for salvo, então Jesus não conseguiu cumprir uma profecia das Escrituras, portanto Ele não pode ser o Messias.

    Guardar no contexto do Evangelho joanino é preservar para a vida eterna. Em João 6.39 Jesus diz que a vontade do Pai é que “nenhum, de todos aqueles que me deu, se perca, mas que o ressuscite no último dia”. Ressuscitar todos vão, ímpios e salvos, mas o contexto deixa claro que o termo refere-se à preservação para a vida eterna.

    Se Jesus não consegue salvar pelo menos um dos que o Pai Lhe deu, então Ele falhou no propósito salvífico. Se, por outro lado, Jesus salva um sequer que o Pai não Lhe tenha dado, a Escritura não se cumpre.

  7. vaucilei alves

    judas foi salvo?
    eu supomho que sim,que ele tenha sido salvo pois se arrependeu verdadeiramente.
    quantas pessoas nao fazem mal aos outros e nao se arrependem,dormem ate melhor do que eu e vc,que perdemos noites de sono por sentirmos que erramos com alguem.
    judas devolveu as moedas e disse pela sua boca que havia traido um sangue inocente.
    ele apenas nao suportou tanta pressao e decidiu se enforcar.
    quantas pessoas nao tiram suas vidas e talvez o que elas precisavam era de ajuda para sair da situaçao.
    judas e amaldiçoado pelos seculos dos seculos por todos nos,e sera que somos justos em dar sua sentença,nao seria este papel de DEUS?
    se as pessoas que afirmam cegamente e sem duvida de que judas esta condenado,entao essas pessoas so podem ser DEUS.
    se jugam tao conhecedores da palavra ,assim como os mestres da lei que hora ou outra debatiam com JESUS.
    meus amigos tenho uma opiniao sobre judas,mas nao a certeza.
    quem sera salvo ou nao,cabe unicamente a DEUS.

    1. Vaucilei,

      Obrigado por seu comentário, mas acredito que você precise olhar mais para as escrituras antes de definir a salvação de Judas. Observe alguns pontos:

      1. Judas se arrependeu verdadeiramente? A resposta das escrituras é não, por duas razões:
      * O USO DO TERMO: Em Mateus 27.3 vemos a cena que a versão Almeida Revista e Corrigida (1969) lê: “Então, Judas, o que o traíra, vendo que fora condenado, trouxe, arrependido, as trinta moedas de prata aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos”. Como alguém poderia ler esse texto e ver nele a declaração que Judas não se arrependeu, se o texto diz o oposto?! Na verdade, a questão aqui é o termo usado por Mateus em grego, que não é o termo comumente usado para arrependimento “Μετανοῶ”, mas usa um sinônimo “μεταμέλομαι”. C. Trench no livro Synonims in the New Testament (Sinônimos no Novo Testamento, lxix), faz uma interessante distinção entre os dois termos: “As distinções tão frequentemente estabelecidas entre essas palavras, no sentido de que o primeiro [μεταμέλομαι] expressa uma mudança meramente emocional a uma mudança de última escolha; o primeiro termo [μεταμέλομαι] faz referência a assuntos particulares, a última [Μετανοῶ] para a vida inteira, a primeira [μεταμέλομαι] não significa remorso, mas lamento, remorso, o outro termo [Μετανοῶ] apresenta a mudança de propósito moral conhecido como arrependimento. Ainda assim Μετανοῶ é a mais completa e mais nobre expressão”. Não é à toa que as versões bíblicas mais contemporâneas como a Almeida Revista e Atualizada já utilizam o termo “remorso” ao invés de arrependimento, bem como a NVI. Outro detalhe interessante é que em todas as as ocasiões em que Cristo conclama pessoas ao arrependimento ele usa “Μετανοῶ” e não “μεταμέλομαι”.

      * O CONCEITO BÍBLICO DE ARREPENDIMENTO: Talvez você possa estar pensando que esse é um caso que apenas algumas pessoas com conhecimento de línguas poderiam perceber, mas isso não é verdade, pois o conceito de arrependimento segundo as escrituras não depende de um estudo de vocábulos em grego. Ou seja, ainda que o termo utilizado fosse “Μετανοῶ”, o contexto é evidente em demonstrar a diferença entre o verdadeiro arrependimento e o falso: Judas e Pedro foram expostos a situação similar, enquanto um traiu o outro negou publicamente, ambos foram acusado se serem ou estarem sob influência do Diabo (Judas: Jo.6.70; Pedro: Mt.16.23), e ambos sofreram emocionalmente com suas ações (Judas: Mt.27.3; Pedro: Lc.22.62), mas Judas se matou e Pedro não. Diante do resultado da ação de cada um deles fica evidente que em um houve o verdadeiro arrependimento, ao passo que no outro, houve apenas o remorso de sua traição. É Paulo que nos ensina isso: “A tristeza segundo Deus produz um arrependimento que leva à salvação e não remorso, mas a tristeza segundo o mundo produz morte” (2Co.7.9). Se o resultado final foi morte, o pesar emocional, a tristeza, não foi segundo Deus, mas segundo o mundo. Portanto, de acordo com o conceito bíblico de arrependimento, Judas não se arrependeu verdadeiramente.

      2. Judas devolveu as moedas? A resposta das escrituras é não, observe: “Quando Judas, que o havia traído, viu que Jesus fora condenado, foi tomado de remorso e devolveu aos chefes dos sacerdotes e aos líderes religiosos as trinta moedas de prata. E disse: “Pequei, pois traí sangue inocente”. E eles retrucaram: “Que nos importa? A responsabilidade é sua”. Então Judas jogou o dinheiro dentro do templo, saindo, foi e enforcou-se” (Mt.27.4-5). O texto diz que Judas devolveu, mas que os sacerdotes não aceitaram, então ele jogou o dinheiro. Diante das duas verdades estabelecidas pelas escrituras, Judas quis devolver, mas sua devolução não foi aceita.

      3. Apenas Deus pode dar uma sentença justa sobre a salvação de alguém? Isso é extremamente verdadeiro e bíblico, e o que Deus diz sobre a salvação de Judas:
      * PRIMEIRO: Que a salvação é pela Graça e fé e não por Obras (Ef.2.8). Ou seja, da parte de Deus Graça, que é disponível para todos, e fé a resposta de alguns. Então a pergunta é: Judas teve fé? A resposta de Jesus é não: “Contudo, há descrentes entre vós. Pois Jesus sabia, desde o princípio, quais eram os que não criam e quem o havia de trair” (Jo.6.64). Judas é descrito como descrente por Cristo, ou seja, alguém que não havia crido embora estivesse entre os discípulos de Cristo.

      * SEGUNDO: Jesus Cristo garante que aqueles que o Pai o entregou esses mesmos Ele guardará até o fim: “E a vontade de quem me enviou é esta: que nenhum eu perca de todos os que me deu; pelo contrário, eu o ressuscitarei no último dia” (Jo.6.39). Ou seja, aqueles que são salvos, trazidos pelo Pai a Jesus Cristo (Jo.6.44) serão garantidos como salvos até o dia que o próprio Cristo o ressuscitar. Então a pergunta é: Judas recebeu essa manifestação graciosa de Cristo? A resposta de Jesus é não: “Quando eu estava com eles, guardava-os no teu nome, que me deste, e protegi-os, e nenhum deles se perdeu, exceto o filho da perdição, para que se cumprisse a Escritura” (Jo.17.12). Judas não recebeu essa manifestação graciosa de Cristo por que não havia sido enviado pelo Pai a Cristo, pelo simples fato de que ele mesmo não teve fé em Cristo, e por isso não foi guardado por Ele. Em outras palavras, o filho da perdição não poderia ser salvo e isso é parte do cumprimento das escrituras.

      * TERCEIRO: Ninguém será salvo por Deus por manifestar arrependimento por suas obras más, nem mesmo por reconhecer que é pecador, como Judas fez. Observe o que defende as escrituras: “Se, com a tua boca, confessares ao Senhor Jesus e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dos mortos, serás salvo” (Rom.10.9)

      Portanto, diante das escrituras não estamos sendo arbitrários em dizer que Judas não é salvo, nem almejando fazer o papel de Deus, como você afirma em seu texto, mas estamos apresentando verdades estampadas nas escrituras.

      Grande abraço,
      Marcelo Berti

  8. jonas de barros lima

    caro irmão marcelo berti, achei esse assunto de judas legal e vou dar um porto de vista meu.
    OU NÃO TEM O OLEIRO PODER SOBRE O BARRO, PARA DA MESMA MASSA FAZER UM VASO PARA HONRA E OUTRO PARA DESONRA? RM 9/21
    Vejo neste versículo uma clara menção de que DEUS tem o poder de fazer homens para honra e homens para desonra basta ele querer.
    PORQUE DIZ A ESCRITURA A FARAÓ: PARA ISTO MESMO TE LEVANTEI; PARA EM TI MOSTRAR O MEU PODER, E PARA QUE O MEU NOME SEJA ANUNCIADO EM TODA A TERRA. RM9/17
    Este versículo mostra para mim que DEUS levantou um homem para desonra (faraó). DEUS levantou esse homem para um propósito especifico.
    MAS, Ó HOMEM, QUEM ÉS TU, QUE A DEUS REPLICAS? PORVENTURA A COISA FORMADA DIRÁ AO QUE A FORMOU: POR QUE ME FIZESTE ASSIM? RM 9/20
    Para mim aqui fala que ninguém tem o direito de questionar a DEUS, se DEUS levanta um para fazer isso ou outro para fazer aquilo é autoridade de DEUS e isso é inquestionável.
    LOGO, POIS, COMPADECE-SE DE QUEM QUER, E ENDURECE A QUEM QUER. RM 9/18
    Ora, se DEUS agradou de Ciro o persa ao ponto de chamá-lo meu ungido, porque se compadeceu dele. Se DEUS quer endurecer o coração de alguém para impor suas questões, ele assim o faz e ponto final. ELE é o criador para isso.
    Vemos que a salvação foi imposta a todos, mas a alguns homens DEUS o predestina para certos propósitos, Paulo, Jonas os apóstolos… Se DEUS queria esses homens para o ministério podemos questionar o oleiro? Ora, satanás pediu para cirandar Pedro mais CRISTO intercedeu pelo mesmo e não foi permitido que Pedro tornasse o traidor. Quando JESUS retorna da sua oração (Lc 6/12) e escolhe os doze apóstolos é porque DEUS já tinha determinado que Judas fosse o traidor. Vou questionar por que não foi Pedro, Tiago, João, Andre. se DEUS disse, é Judas!
    PORVENTURA A COISA FORMADA DIRÁ AO QUE A FORMOU: POR QUE ME FIZESTE ASSIM? RM 9/20
    OU NÃO TEM O OLEIRO PODER SOBRE O BARRO, PARA DA MESMA MASSA FAZER UM VASO PARA HONRA E OUTRO PARA DESONRA? RM 9/21.

Os comentários estão desativados.