Palavras-Chave no Sl.119


Uma análise etimológica dos termos referentes a “Lei”

Introdução

 

  • A leitura de Salmos é muito agradável pelo fato de conseguir captar a realidade da experiência humana, quer pelo sofrimento, choro, alegria ou o louvor;
  • Por essa razão o Livro de Salmos merece nossa atenção;
  • Em especial o Sl.119, que é o Louvor expressivamente poético sobre a Excelência da Lei de Deus;
  • Ele merece destaque por várias razões: (1) É o maior dos Salmos; (2) É um acróstico alfabético em que cada estrofe de oito versos é dedicada a uma das letras do alfabeto hebraico; (3) Cada um dos oito versículos de uma estrofe começam com a mesma letra;
  • O que podemos ver é que a Lei de Deus contém tudo que o homem precisa saber;
  • Contudo, temos uma pequena dificuldade com a leitura desse Salmo, pois vemos muitos termos relacionados a Lei de Deus, e não conseguimos entende-las separadamente;
  • O intuito do estudo de hoje é exatamente fazer essa distinção e demonstrar a Grandiosidade da Lei de Deus;
  • Normalmente vemos as diferentes palavras empregadas para Lei sendo aplicadas à Bíblia;
  • Porém o Ideal é observarmos as palavras dentro do seu campo semântico, observando sua raiz e o desenvolvimento dela, a fim de cristalizar o conceito por trás do termo. Para isso, precisaremos observar separadamente cada um dos verbetes para então compreender o seu conceito.
Quadro Etimológico

bla

Estudo Etimológico

O estudo etimológico nos leva a compreensão do significado da raiz denominativa de um termo, bem como, nos auxilia a observar o desenvolvimento do seu campo semântico e notar o Significante e o Significado no seu Processo de Significação.

Todo termo é sujeito a um Processo de Significação, sendo influenciado pelo significante que produz, ou origina, um novo significado para o termo.

O Significante refere-se a palavras e aos seus sentidos. Contudo, os sentidos de um termo podem ser estabelecidos tanto socialmente, como individualmente. Portanto, é ao mesmo tempo abstrato e relativo. Segue-se que no processo de significação de um tempo, ele pode assumir diversos significados. Logo, o Significado de um termo depende do contexto sócio-cultural e lingüístico que é empregado. Sendo assim, palavras não têm significado em si, mas contém significado. Por mais que o significado seja comumente associado à definição encontrada em um dicionário, o contexto sócio-cultural e lingüístico, aliado à comunicação, é que vai determinar o significado empregado com o termo em uso[1].

 

Tora:  Lei, ensinar, instrução, decisão.

É o termo mais abrangente de todos os que serão estudados, conforme foi demonstrado pelo gráfico etimológico.

  • Provém da Raiz yara: Lançar, lançar corretamente (pedras) Lançar Flechas. É metaforicamente utilizado como mau por trás de uma emboscada para o íntegro (Sl.64.4); é utilizado, com sentido semelhante em relação a Deus, que fere o mau em proteção do íntegro (Sl.64.7); é também utilizado como sinal.
  • Tem relação com yoreh: Expressa a idéia de primeira chuva. É utilizado tanto no sentido de bênção natural, mas com Deus no controle (Dt.11.14; Jl.12.2), como no sentido de bênção espiritual (Os.10.12).

A idéia básica por trás da raiz do termo “tora” é a idéia de “ensinar”:

  • Ensinar: é apresentado no Velho Testamento como o encargo da Sabedoria, principalmente no livro de Provérbios; e do sacerdote;
    • O sacerdote deve ensinar a Lei dada por Moisés (Lv.10.11; Dt.33.10);
    • Joás agiu retamente enquanto foi ensinado por Joiada (2Re.12.2);
    • Quando a motivação do sacerdote fosse errônea ele era considerado como professor de mentiras (Is.9.15);
    • Os ídolos são apresentados com a mesma nomenclatura.
  • Ato relacionado com a ação do Espírito Santo:
    • Bezalel e Aoliabe (Ex.35.30-35)
  • Deus se descreve como aquele que ensina:
    • Deus ensina o que Moisés deveria falar (Ex.4.15);
    • Deus ensina o caminho certo aos pecadores (Sl.25.8);
    • Deus ensina os que O temem o caminho a seguir (Sl.25.8)
    • Os salmistas constantemente pedem instrução para poder manter os estatutos (Sl.27.11; 86.11; 119.33);

 

 

Escopo da Palavra

  • Significa basicamente ensinar:
    • O homem sábio ensina a seu filho: A sabedoria ensina e dá perspicácia em todos os aspectos da vida de forma que o jovem possa saber se administrar e viver um vida santificada (Pv.3);
    • Deus ensina Israel: Da mesma forma, Deus concede ao homem a mesma perspicácia para saber viver bem e saber como chegar-se a Deus.
    • Lei: É pela Lei que Deus evidencia, demonstra, aponta o interesse dele em “todos os aspectos” da vida do homem, que sra vivida debaixo da direção e do cuidado dEle.
  • A Lei de Deus é um paralelo com a Palavra de Deus:
    • Significa que a Lei é a Revelação da Vontade de Deus (Is.1.10): Por isso ela se torna a sabedoria e o entendimento de Israel de forma que as outras nações se maravilhem com sua qualidade do estilo de vida (Dt.4.6);
  • Especificamente refere-se a qualquer grupo de regras:
    • Nesse sentido é considerada como: estatutos, ordenanças, mandamentos e testemunho; (Ex.12; Lv.7.37; 14.57; Nm.5.29 – neste sentido relaciona-se com os outros termos abordados);
  • O sentido ganha perspectiva adicional à luz de Deuteronômio:
    • Em Deuteronômio Moisés inclui o aspecto moral e cerimonial da Lei sob o mesmo título. “O genial em Dt é interpretar a Lei externa à luz dos efeitos dos desejos internos expressos externamente” e “O livro de Dt demonstra que a Lei tem significado amplo para cercar a história, os regulamentos e as interpretações e exortações do povo de Israel” (TWOT);
  • Posteriormente veio a incluir todo o Pentateuco: Aqui nota-se o caráter abrangente do termo.

‘edah: É utilizada no Sl.119 como: estatutos, testemunhos, palavras, discernimento.

  • Mais normalmente traduzida como testemunhos;
  • Segundo o DITAT é utilizado apenas no plural e refere-se às leis outorgadas por Deus com autorização divina. É provavelmente uma grafia diferenciada de ‘edut.

 

Origem Etimológica

  • O termo em pauta provém da raiz de ‘ud;
  • Relaciona-se com ‘ôd, ‘edah no singular e ‘edut;

‘ûd: Voltar, Repetir;

  • É a forma verbal de ‘ed, que significa testemunha.
  • Utilizada como Dar testemunho, admoestar, advertir;
  • Aplicação:
  • o Transação comercial: Jr.32.10, 25; 1Re.21.10, 13; Is.8.2; Jó.29.11
  • o Juízos de Deus: Dt.4.26; 30.19; Is.1.2; Dt.31.28
  • o Advertência Enérgica: No sentido de executar ou sofrer
  • § Atividade Humana: Gn.43.3; Ne.13.15; Ex.19.21; 1Sm.8.9; Ex.21.29
  • § Atividade divina: 2Re.17.15; Sl.50.7; 81.8; Jr.11.7
  • § Atividade divina mediada: 2Cr.24.19; Ne.9.26; Jr.42.19; Am.5.13;

‘ed: Testemunha

 “Aparentemente o desenvolvimento semântico é de que uma testemunha é alguém que por reiteração apresenta enfaticamente o seu testemunho” (DITAT).

  • É a forma substantiva do verbo denominativo ‘ud;
  • Palavra de cunho jurídico;
  • Aplicação
  • o Testemunha: aquele que tem conhecimento de primeira mão de um fato (Lv.5.1);
  • o É obrigado pela Lei a dar esse testemunho (Pv.29.24);
  • o Era necessário pelo menos duas testemunhas para se confirmar a culpa (Mn.35.30; Dt.17.6);
  • o Pode ser falsa (Ex.20.16; Pv.21.28; 19.28; Dt.5.20) ou fiel (Pv.14.24; Jr.42.5; Pv.14.5; Is.8.2);

‘edah: Testemunhos, testemunha

  • Utilizada no plural e refere-se à lei de Deus
  • No singular, demonstra a constância de algo, fatos inequívocos, um acordo, uma Aliança (Gn.21.30; 31.50);

‘edut: Testemunho, Lembrete, sinal de advertência

  • Eventualmente traduzida como Advertência (2Re.17.15);
  • Encontrado com maior freqüência no plural no sentido de “testemunho” de Deus;
  • Aplicação
  • o Relacionado ao Tabernáculo: Exs.38.21; Nm.1.50, 53;
  • o Relacionado à Arca: Ex.25.22, 26, 33, 34; 30.6, 26;
  • o Quando sozinha pode significar Arca: Ex.16.34; 27.21; 30.36; Lv.16.13;
  • o Designa as “Pedras dos Mandamentos”: Ex.24.12; 31.18; 32.15; 34.29;
  • o Utilizada no Sl.119 como sinônimo da Lei: v.2, 22, 36, 79, 88, 146, 157 (entre muitos outros);
  • o Utilizada na cerimônia de coroação de um rei[2] (2Re.11.12);
  • o Advertência: 2Re.17.15; Ne.9.34; cf. Jr.44.23;
  • o A lei foi dada como um sinal de Advertência de Deus para os homens;

Mitsvah: Mandamentos, promessa

Origem Etimológica

  • O termo em pauta provém da raiz de tsavah;
  • Relaciona-se com tsiyun e tsav;

Tsavah: ordenar, incumbir

  • Designa instrução:
  • o De um Pai para um Filho: 1Sm.17.20;
  • o De um fazendeiro aos seus lavradores: Rt.2.9;
  • o De um rei aos seus servos: 2Sm.21.14;
  • Instrução por autoridade concedida:
  • o Líder presta contas a Deus: 2Sm.7.7;
  • o Josué nomeado por Deus: Nm.27.18;
  • o Davi nomeado por Deus: 1Sm.13.14;
  • o O profeta tem autoridade porque fala o que Deus ordena: Jr.1.7; Dt.18.18;
  • Relacionado com a Atividade Criativa e Soberana de Deus:
  • o Deus ordenou que o mundo viesse a existir: Sl.33.9; Is.45.12;
  • o Por essa razão todas as criaturas e elementos lhe obedecem as ordens: 1Re.17.4; Jó.37.12; Sl.78.23;
  • o Deus dirige o curso da história, pois ordenas os eventos: Lm.3.37;
  • o Deus providencia meios para que seja realizado o que ele determina: Ex.31.6; 36.1;
  • Relacionado com a Fidelidade e Veracidade de Deus:
  • o Deus ordenou a Aliança: Sl.105.8; 111.9;
  • o Ordenará bênçãos aos fiéis à aliança: Dt.28.8; Sl.133.3;
  • o Deus se lembra do que ordenou e é cuidadoso em cumprir o que disse: 1Cr.16.15;
  • Relacionado a Retribuição de Deus, conforme sua fidelidade:
  • o Desobediência implica em maldição: Gn.3.16-19; Dt.31.29;
  • o Obediência em bênção: Gn.6.22; 7.5; Ex.12.28, 50; Dt.5.33; 6.25;

Mitsvah: Mandamento

  • Em situação de aquisição de terra significa contrato: Jr.32.11;
  • Na escola da sabedoria significa instrução ministrada do professor para o aluno: Pv.2.1;
  • Normalmente como estipulações específicas da Aliança: Ex.24.12;
  • Deus os revela:
  • o O homem não necessita viver em busca deles: Dt.30.11
  • o Deus busca o homem muito antes do homem procura-lo;
  • Características dos mandamentos:
  • o Puros: Sl.19.8;
  • o Verdadeiros: Sl.119.151;
  • o Confiáveis: Sl.119.86;
  • o Retos: Sl.119.172;
  • Quem tem prazer neles é chamado de bem aventurado: Sl.119.47; 112.1;
  • Os mandamentos de Deus proporcionam:
  • o Uma compreensão mais profunda do significado da vida, para que ela seja vivida em seu sentido completo: Sl.19.8, 9; Dt.5.9; 6.2; 8.11;
  • o Sabedoria e respeito dos que estão ao redor: Dt.4.5;
  • Quem os segue em muitos casos é elevado à posição de liderança: Dt.28.13;
  • Guardar mandamentos é uma expressão de amor: Dt.11.1;
  • Deus concede seu amor a quem guarda seus mandamentos: Dt.5.10;
  • Os mandamentos devem ser:
  • o Lembrados: Nm.15.35;
  • o Escritos nos umbrais das portas: Dt.6.9
  • o Ensinados e falados aos filhos com freqüência: Dt.6.6, 7
  • Os mandamentos foram preservados ao serem escritos no livro da lei: Dt.30.10;
  • Não se deve acrescer nem retirar deles alguma coisa: Dt.12.32; 5.32;
  • Viola-los implica em culpa: Lv.4;
  • O que faz pouco caso deles é eliminado do povo de Deus: Nm.15.31; 2Re.11.31-39; 14.8;

Piqudim: Utilizada no Sl.119 somente como preceitos

  • Pode ser utilizada como preceitos, estatutos, mandamentos;
  • Utilizada somente no plural;
  • Aparece apenas em Salmos (24x onde 21 estão no 119)
  • Termo genérico que indica as responsabilidades que Deus coloca sobre seu povo;
Origem Etimológica
  • O termo em pauta provém da raiz de paqad;
  • Relaciona-se com pequdda, pequdim, paquid, peqidut, piqqadon;

Paqad: computar, calcular, visitar, castigar, nomear

  • Sentido básico de supervisionar um subordinado, tanto no que tange a inspeção, como para tomar providência para obter mudança considerável na situação do subordinado;
  • Verbo de maior dificuldade de tradução, provavelmente o mais difícil em Hebraico;

Pequdda: Inspeção, cargo, funcionário, relato, acusação, custódia, ordem, supervisão, castigo;

  • Intervenção por um poder superior para proporcionar mudança no subordinado;
  • Mudança normalmente para pior;
  • Intervenção ativa para ajudar ou ferir (Jó.10.12);

Pequdim: Total

  • Uma ocorrência no VT (Ex.38.21);

Paquid: Superintendente, líder;

  • Designa um subordinado que foi colocado numa posição de supervisão;

 

Choq: Utilizada no Sl.119 como decretos e testemunhos.

  • Normalmente utilizada como decretos;
  • Também traduzida como ordenança, dever e obrigação;
Origem Etimológica
  • O substantivo masculino (choq) vem de chaqaq (128x);
  • O Substantivo feminino equivale a chuqqa (102x);

Chaqaq: entalhar, retratar, determinar, inscrever, decretar, governar;

  • Sentido básico:
  • o Cortar ou entalhar pedra (Is.22.16);
  • o Fazer desenho em Tijolo (Ez.4.1);
  • o Desenhar num muro (Ex.23.14);
  • o Escrever na Palma da Mão – Tatuar (Is.49.16);
  • o Escrever em um livro (Is.30.8; Jó.19.23)
  • Pode referir-se
  • o Ação legislativa (Is.10.1; Pv.8.15);
  • o Provavelmente, essa forma correlacione-se com mehoqeq, governante, legislador (Gn.49.10, Is.33.32) ou com comandante (Jz.8.27, 29). Utilizado em referência ao Messias em Gn.49.10.

 

Chuqqa: Estabelecimento de uma lei, estatuto ou ordenança;

  • Sentido básico de estatuto, decreto dado por Deus;
  • Utilizado com ‘ôlam (eterno) em referência a:
  • o Páscoa (Ex.12.14);
  • o Festa dos Pães Asmos (Ex.12.17, 13.10);
  • o Festa dos Tabernáculos (Lv.23.41);
  • o Dia da Expiação (Lv.16.29, 31, 34)
  • o Sacerdócio Araônico (Ex.29.9);
  • o A Lâmpada (ex.27.21);
  • o Veste de linho do sacerdote (Ex.28.43);
  • o A proibição da gordura e do sangue (Lv.3.17); Sacerdote beber vinho (Lv.10.9) e certas comidas (Lv.23.14); Levitas herdarem a terra (Nm.18.23).
  • Em algumas passagens é paralelo a Juizo (mishpat – 2Sm.22.23; Sl.18.22) e Mandamento (mtswah – Dt.6.2; 28.15, 45; 30.10);
  • Termo legal;

Choq: Estatuto, costume, lei, decreto;

  • A Septuaginta utilizou três palavras basicamente para traduzir choq: prostagma (ordem ou injunção), dikaioma (regra ou exigência) e nomimon (mandamento);
  • Choq ocorre juntamente com outras palavras designativas de lei: tora, mishpat, ‘edut e mitsvah.
  • Atualmente tem se procurado mostrar que choq indica aquilo diante do que os homens devem reagir obedientes, embora não se aplique a todos os casos.
  • Pode ser vista como regra ou prescrição:
  • o Imposta por Deus (Ex.18.16) ;
  • o Imposta pelo Homem (Gn.47.26; 2Cr.35.25; Jz.11.39; Ez.20.18; 1Sm.30.25);
  • É utilizada com berit (aliança) significa as exigências que Deus fez ao povo de sua aliança;
  • Implica em direitos e deveres (Sl.2.27);
  • Indica direito legal:
  • o José dá a Faraó um quito do que a terra produz (Gn.47.26);
  • o Isaías fala sobre leis injustas, mediante as quais roubava-se os pobres (Is.10.1);
  • o O mar tem direiro a agitar-se (Pv.8.9; Jr.5.22; Jó.38.10);
  • Pode significar costume (Jz.11.39; Lv.18.3, 30; 20.23);

 

Mishpat: Utilizada no Sl.119 como ordenanças, leis, ordens.

  • Representa a idéias mais importante para uma concreta compreensão do que seja governo;
Origem Etimológica
  • Provém de shapat;
  • Relaciona-se com shepet, shepot;

Shapat: Julgar, governar;

  • Sentido básico é executar processo de governo;
  • Tradução usual é julgar no sentido de “exercer no funções judiciais no governo”;
  • Significa basicamente governar, dominiar, sendo que no particípio pode-se traduzir por líder;
  • A idéia de governo em comunidades antigas estava arraigada na pessoa, e não em um código legislativo;
  • É empregada como “agir como governante” e é aplicada a:
  • o Congregação de Israel (Mn. 18.22-28);
  • o Juízes (Dt.1.16; Jz.16.31; 1Sm.7.16, 17);
  • o Rei (Jz.8.20);
  • o Messias (Sl.72.4);
  • o Deus (Sl.93.13; Gn.18.25);
  • o Autoridade Mediada (Ex.18.13, 15) – Todos;
  • Ação de decidir como juiz na esfera civil, familiar e religiosa (Sl.72.2-4; Dt.25.1);
  • Executar ou providenciar execução de decisões judiciais (livrar, vindicar, condenar, castigar – 1Sm.24.15);

Shepet: Julgamento

  • Aparece sempre no plural shepatim;
  • Sentido básico de julgamento penal, castigo (ex.6.6 – da parte de Deus):
  • o Juízo (Ez.14.21);
  • o Castigo divino mediado (Ez.16.41);

Shepot: Juízo

  • Usada duas vezes no sentido de juízo;

Mishpat: Justiça, ordenança, costume, maneira;

  • Traduzida como justiça:
  • o A clara distinção que temos hoje de governo legislativo, executivo, judiciário não existia no mundo antigo, por isso a tradução do termo para justiça pode ser deficiente;
  • o O termo originário de mishpat, shapat diz respeito a governo totalitário;
  • o Portanto, tanto o verbo como o substantivo abrangem todos os aspectos de um governo;
  • Contudo, a melhor tradução da idéia central do termo mishpat para o português seria “justiça”;
  • Características (ligação estreita com a justiça de Deus):
  • o Decidir uma ação litigiosa (Ex.21.31; Dt.35.1; Js.20.6);
  • o Local onde a decisão ocorre (1Re.7.7);
  • o O processo litigioso (Is.3.14; Jó.22.4; Sl.143.2);
  • o Um caso de litígio levado ao magistrado (1Re.3.11; Jó.13.18; 1Re.8.59);
  • o Sentença ou decisão dada por um magistrado (Juízo – 1Re.20.40; Sentença – Jr.26.11, 16);
  • o Época do julgamento (Sl.1.5; Ec.12.14);

Resumo

 

  • Torah: Lei de Deus, Instrução, Ensino;
  • ‘edah: Expressão de Advertência divina contra o Juízo;
  • Mitsvah: Ordem que não pode ser descumprida;
  • Piqud: Indica as responsabilidades que Deus coloca sobre seu povo;
  • Choq: Demonstra Deus como Rei e Legislador e a Lei como decretada e julgada por Deus;
  • Mishpat: Exercício efetivo da justiça divina;

[1] Exemplos: Vossa Mercê – Vosmicê – Você; Avexado: Vergonha, pressa; Pior: Uso com sentido positivo; Bacana: Origina de Bacanal; Terrível: Sentido positivo: aquele que causa terror; Sentido negativo: Horrível, feio, de aparência desprezível; arteiro; Dizimar: dízima, dízimo, destruir.

[2] “O Objetivo desse gesto (…) era lembrar o rei de que a Lei havia de controlar tanto sua vida pessoal quanto seu reinado como monarca (cf. 1Re.2.3; 1Cr.29.19; 2Cr.34.31)” DITAT.