Uma observação à Queda do Homem


A queda é o marco da origem do pecado no mundo e de todas as deficiências que existem nele. É o momento histórico que explica tanto a origem de todo o mal existente no mundo, como a concepção correta do pecado. Assim, não compreender o pecado do ponto de vista do Velho Testamento impossibilita vislumbrar a maravilhosa graça no Novo Testamento.

Da mesma forma, é necessário compreender a queda do ponto de vista teológico, pois apenas assim pode-se notar suas conseqüências danosas na humanidade, bem como em todos seus relacionamentos.

A.                          Queda como Fato Histórico

Para que a queda tenha qualquer sentido real, é necessário que os acontecimentos narrados em Gênesis sejam verdadeiros. Para que a salvação possa ter qualquer validade é necessário que exista uma deficiência que careça ser sanada. Ou seja, sem a queda não se pode reconhecer o pecado, e sem ele não há necessidade de salvação.

Jardim literal

Se os acontecimentos narrados em Gênesis são reais, era necessário um ambiente real para que atos reais possam ser executados. Segue-se a necessidade de um Jardim do Éden geográfico-histórico. Este Jardim é assim demonstrado pela literatura bíblica:

“E plantou o SENHOR Deus um jardim no Éden, na direção do Oriente, e pôs nele o homem que havia formado. Do solo fez o SENHOR Deus brotar toda sorte de árvores agradáveis à vista e boas para alimento; e também a árvore da vida no meio do jardim e a árvore do conhecimento do bem e do mal. (…) Tomou, pois, o SENHOR Deus ao homem e o colocou no jardim do Éden para o cultivar e o guardar”  (Gn.2.8,9,15)

 

Após o ato imediato da criação do homem, nota-se o seguinte texto que demonstra claramente a criação do Ambiente do Primeiro homem. Nota-se que Deus é a causa primeira deste Jardim que está localizado na terra, que já havia sido criada. A localização descrita pelo autor bíblico sugere que este Jardim estava situado na região da Palestina. Nos versículos que seguem podemos notar esse fato:

E saía um rio do Éden para regar o jardim e dali se dividia, repartindo-se em quatro braços (…) O nome do terceiro rio é Tigre; é o que corre pelo oriente da Assíria. E o quarto é o Eufrates” (Gn2.10, 14)

Os nomes de rios mencionados neste texto são muito bem conhecidos e Norman Geisler chega a sugerir que a Bíblia situa os rios na Assíria, atual Iraque[1]. As informações bíblicas são muito bem arranjadas, e isso faz com que alguns teólogos acreditem em uma inserção de informações posteriores. Mas tal informação é especulativa, visto não existir informações que sustentem essa opinião.

Por causa das especulações teológicas colocadas sobre o texto de Gênesis, é importante demonstrar que as evidências dão suporte para a interpretação normal do texto, que neste caso é literal.

Normalmente as objeções lançadas sobre a mitologia relacionada com o Jardim do Éden são colocadas em função da inexistência de artefatos arqueológicos que evidenciem tal existência. Contudo, é necessário que se demonstre que após a queda Deus selou o Jardim (Gn.3.24), isso impossibilitaria que qualquer evidência arqueológica fosse encontrada. Outro detalhe que merece atenção é que não existem evidências de que Adão ou Eva tenham se aplicado à produção de artefatos neste Jardim, nem mesmo se empenhado a qualquer espécie de construção. Ou seja, sem tais fatos é impossível que se encontre evidências arqueológicas. Se existisse, ainda, qualquer evidência, com o Dilúvio elas seriam destruídas (Gn.6-9; cf. 2Pe.3.5, 6).

A inclusão dos rios Tigre e Eufrates, que são reais, parece sugerir que o Jardim seja igualmente literal. A preocupação do autor bíblico em demonstrar os rios deve reportar-se ao fato de que tal Jardim seja também real.

Um ponto que merece destaque dentre os mencionados, é que o Novo Testamento testemunha sobre os fatos relacionados ao Jardim como reais. Fala da criação de Adão e Eva (Mt.19.4; 1Tm.2.13) e de seu pecado original (1Tm.2.13; Rm.5.12) . Assim, esses eventos reais precisam de um Ambiente Real para acontecer, um lugar geográfico-histórico.

Adão Histórico-literal

A argumentação que proporciona a interpretação mítica ou irreal é a consideração de que o autor utiliza-se de um estilo poético, repleto de paralelismo com outros mitos antigos e a suposta contradição entre o relato e a ciência. No entanto, para os escritores bíblicos, tanto Adão quanto Eva, são personagens históricos, e encontrados em uma leitura literal de Gênesis.

O primeiro fato que evidência a condição histórica de Adão é a própria narrativa de Gênesis. Embora muita discussão exista neste ponto, para aqueles que consideram o texto como fonte fidedigna de informações é o ponto de partida. Observe que o autor sempre demonstra Adão como uma pessoa real. Se Adão fosse irreal não poderia ter gerado filhos, e na narrativa de Gênesis ele perpetua a espécie humana, gerando filhos à sua imagem (Gn.5.3).

Outro detalhe importante dentro da narrativa de Gênesis é que a sentença “Este é o registro”, ou “são estas as gerações” encontradas para registrar a história do povo hebreu (cf. Gn.6.9; 10.1; 11.10, 27; 25.12, 19) é usada para o registro da Criação (2.4) e para Adão e Eva e seus descendentes (5.1).

Fora da narrativa de Gênesis é possível encontrar Adão como personagem histórico. Na cronologia encontrada em 1Cr.1.1, Adão encabeça a genealogia mais extensa das escrituras (1.1 – 9.44), que demonstra a historicidade das tribos de Israel e a importância da linhagem davídica. Mas para que esta genealogia tenha valor real é necessário que os personagens envolvidos seja igualmente reais.

O Novo Testamento testemunha a favor da historicidade de Adão. Em Lc.3.38 Adão é designado como um ancestral literal de Jesus,  e este, posteriormente, referiu-se a Adão e Eva como os primeiros “homem e mulher” literais, fazendo da união deles a base para o casamento (Mt.19.4).

Paulo em Romanos declara que a morte foi trazida ao mundo por um homem real (Rm.5.12, 14). Em Coríntios, Paulo faz uma comparação entre Cristo e Adão (1Co.15.45). Para Timóteo, Paulo afirma que primeiro foi criado o homem e depois a mulher (1Tm.2.13, 14). Ou seja, se as comparações e citações paulinas sobre os diversos assuntos que aborda fossem baseadas em mitologia, as asseverações morais seriam nada mais do que afirmações equivocadas e inválidas. Entretanto, não parece ser esse o caráter que Paulo escreve. Tanto ele, como os autores do Novo Testamento tem por certo de que os acontecimentos narrados em Gênesis são fatos. Assim, é impossível não crer na historicidade de Adão.

Evidências

A queda é considera verdadeira e histórica pelo fato de que a Literatura Bíblica, mesmo fora do relato de Gênesis, apresenta tanto a queda como verdadeira como os resultados desse evento:

  • Velho Testamento: Gn.3.20; 5.1-15; 10.1-32; 11.1-32; 1Cr.1.1; Jó.31.33; Ec.7.29; Is.43.27; Os.6.7.
  • Novo Testamento: Mt.19.4-5; Mc.10.6-7; Lc.3.38; Rm.5.12-21; 1Co.11.7-9; 15.22, 45; 2Co.11.3; 1Tm.2.13-14; Jd.14.

B.            Queda como Fato Teológico

A queda não é observada apenas do escopo histórico, mas também teológico. O primeiro visa a demonstração da queda como um fato dentro da história do homem. O segundo, por sua vez, tem por norte a demonstração das conseqüências evidenciadas pelos resultados observáveis. Ou seja, evidencia o pecado muito mais como FATO do que como ATO. Assim, em função do pecado:

  • 1. A natureza humana foi corrompida por inteiro. Todos os aspectos do homem foram pervertidos a ponto de deteriorar com o passar do tempo. (ver detalhes no ponto IV)
  • 2. A Imagem de Deus foi maculada. O homem não deixa de ser Imagem de Deus, mas não pode ter a mesma.
  • 3. A morte, tanto física como espiritual ,passou a reinar no homem. E como conseqüência, todos os descendentes de Adão sofrem com esse resultado danoso.

Em suma, a queda do ponto de vista teológico determinou a culpa judicial sobre a humanidade, o rompimento da comunhão entre Deus e o homem e a deturpação da perfeita e anterior “Imago Dei”. (Veja Gn.2.15-17 c/ 1Co.15.22 e Rm.5.12).


[1] GEISLER, Norman, Enciclopédia de Apologética.

Um comentário sobre “Uma observação à Queda do Homem

  1. Iris Malaquias dos reis

    Graça e paz meu querido irmão.

    Para honra de Cristo sou hoje um pastor cristão evangelico, bacharel em teologia sistematica sistema EAD, pelo seminario internaciol de teologia, membro e representante conselho federal e regional de teologia, graduando em adm, e lider de uma pequenina comunidade evangelica.

    obrigado por sua fé e seu trabalho estou utilizando-o para minhas pesquias.

    um forte abraço.

    Att: Pr Malaquias

Os comentários estão desativados.