Doutrina da Trindade e Soteriologia


Alguém pode ser salvo sem crer na Trindade?

Essa pergunta é extremamente pertinente, e para vou respondê-la em quatro etapas.

1. Ninguém pode ser salvo sem a Trindade.

Efésios capítulo 1 nos ajuda a compreender essa verdade de forma muito clara, pois as três pessoas da Trindade estão ativas na salvação dos homens. Deus Pai é responsável por todas as bênçãos celestiais e pela eleição e predestinação: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo, assim como nos escolheu, nele, antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele, e em amor nos predestinou para ele, para a adoção de filhos” (Ef.1.3-5). Já o Filho é o meio (critério, instrumento) pelo qual essa eleição e predestinação é realizada: “nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade” (Ef.1.5). Entretanto é em Cristo que temos a Redenção e Graça: “para louvor da glória de sua graça, que ele nos concedeu gratuitamente no Amado, no qual temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados” (Ef.1.6-7). E o Espírito Santo é a garantia de que essa salvação será terminada no futuro, pois é Ele quem sela o salvo: “em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa; o qual é o penhor da nossa herança, até ao resgate da sua propriedade, em louvor da sua glória” (Ef.1.13-14). Essa breve exposição de Efésios capítulo um nos auxilia a compreender o papel de cada pessoa da Trindade na salvação do homem de modo que a afirmação inicial mostra-se verdadeira: Ninguém pode ser salvo sem a Trindade.

2. Uma pessoa pode ser salva sem entender a Trindade

Eu acredito que uma pessoa pode ser salva sem entender a Trindade. Não acredito que a salvação esteja restrita àqueles que compreendem corretamente a Trindade, ou a divindade como um todo. Esse é o caso das crianças que por depositarem sua fé em Jesus Cristo como seu Salvador estão salvas sem que mesmo tenham conseguido definir a Trindade. Ou seja, sofreram a ação da Trindade, muito embora não a possam explicar. Esse é o caso da pessoa simples que atende ao chamado eficaz da Graça de Deus, deposita sua fé em Cristo como exclusivo Redentor e está salvo, muito embora, a complexidade da Trindade não lhe seja de completamente compreensível. Contam-se inumeráveis os cristãos que demonstram dificuldade em expressar sua visão da Trindade, embora creiam nela.

3. Uma pessoa pode ser salva sem crer na Trindade

Em terceiro lugar, eu acredito que uma pessoa possa ser salva sem crer na Trindade. Ao observar as mensagens evangelísticas dos apóstolos em Atos não consigo ver uma ênfase se quer na doutrina da Trindade. Na primeira mensagem evangelística registrada em Atos e pessoa vemos algo quase incomum: Tanto o Espírito Santo tem parte significativa na pregação. Ele é apresentado como profecia de Deus no Velho Testamento (v.16-21) e é apresentado como aquele que batiza (v.38). Muito embora eles sejam citados, isso não se constitui uma definição de Trindade. O apelo não foi, creiam em Deus Pai, no Filho e no Espírito Santo e sejam salvos? Muito pelo contrário, o apelo foi pelo arrependimento e aceitação de Jesus como Cristo (v.36). A evidência da salvação seria o batismo. Mas, no decorrer do livro de Atos, vemos que isso passa a não acontecer mais, especialmente quando o evangelho chegou à regiões gentílicas. A própria pregação de Pedro a Cornélio (um prosélito) menciona rapidamente o Espírito Santo, mas nenhuma doutrina parece ser claramente ensinada. Mas nesse caso, temos certeza que seus ouvintes foram salvos. Isso também vale para as pregações de Paulo, que muito embora não fizesse uma apologia da Trindade, apresentava a Jesus Cristo como Salvador e muito criam e eram salvos. Vale ainda dizer que é bem provável que os cristãos dos dois primeiros séculos não tivessem uma formulação da Trindade, e ainda assim eram salvos. Ainda é válido acrescentar que são inúmeras as passagens que anunciam a centralidade de Cristo para salvação e não da doutrina da Trindade. Em Romanos 10.9, lemos: “Se, com a tua boca, confessares Jesus como Senhor e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo“. Muito embora a divindade de Cristo e a ação de Deus seja demonstrada aqui, a centralidade da fé soteriológica repousa sobre Cristo. Nada é mencionado sobre a Pessoa do Espírito Santo aqui, e isso não impede que as pessoas que tomarem de serem salvas. Paulo quando lembra os Coríntios do evangelho que promove a salvação (1Co.15.1-2) ele faz claras declarações da Pessoa de Cristo (1Co.15.3-4) e algumas inferências ao Deus Pai e nenhuma citação do Espírito Santo. A própria apresentação de Paulo da Salvação em Efésios 2 apresenta a Deus como rico em misericórdia, amoroso (v.4), doador da vida por meio da graça juntamente com Cristo (v.5), e com Cristo ele ressuscita e faz assentar nas regiões celestiais em Cristo (v.6) como demonstração para o futuro da sua rica graça (v.7). Ou seja, muito embora a ação do Pai e do Filho esteja claramente anunciada, o Espírito Santo novamente não é mencionado. Por isso acredito que aqueles que tiveram acesso à essas informações apostólicas podem ter acesso a salvação sem conseguir sistematizar a doutrina da Trindade. Por isso, quando digo que alguém possa ser salvo sem crer na Trindade penso na doutrina, no conteúdo da fé sistematizada, e não acredito haver fundamento para a salvação apenas pela fé trinitária.

4. Não é possível ser salvo e rejeitar a Trindade

Isso me leva a uma última consideração: não é possível alguém ser salvo e rejeitar a Trindade. Isso é diferente do que não crer. Essa distinção é importante, pois não crer pode significar não ter tido acesso à doutrina formalizada, como deve ser o caso de diversas etnias indígenas, que embora tenham Cristo como Salvado não tiveram um conhecimento sistematizado da Trindade. Por outro lado, rejeitar implica em ter conhecimento, mesmo que inadequado, e ainda assim ter completa antipatia a ele. Esse é o caso do Harold Bloom, que por mais impressionado que possa ficar com o conceito da Trindade afirma que ele é um absurdo. Mas, então, por que a salvação não pode ser desfrutada por pessoas que rejeitam a Trindade? Por que é impossível rejeitar a Trindade sem diminuição das pessoas da Trindade e quando isso ocorre com a pessoa de Cristo, a salvação está invariavelmente perdida. Esse é o caso do Testemunha de Jeová, que por atribuir a Cristo uma posição não divina, não pré-existente acaba por ser enquadrado entre aqueles que “negam que Jesus é o Cristo” (1Jo.2.22) e que por isso não tem nem o Pai nem o Filho. Esse é o caso dos gnósticos do passado que negavam a encarnação do Logos (1Jo.4.2) e também são chamados de impostores (gr. antíchristos) e falsos profetas (gr. pseudoprofétes).

Portanto, ainda que a doutrina da Trindade tenha grande valor soteriológico, não creio que a doutrina sistematizada seja o cerne conteúdo da fé soteriológica. A centralidade do conteúdo da fé que leva à salvação está sobre a Pessoa de Cristo e Sua Obra.

Um comentário sobre “Doutrina da Trindade e Soteriologia

  1. Pingback: Base Bíblica da Doutrina da Trindade « Teologando

Os comentários estão desativados.