Introdução


=======================

ESBOÇO DO ARTIGO COMPLETO:

=======================

Marcelo Berti

Uma das alegações comuns sobre a correta tradução de Jo.1.1c é a existência de uma versão copta do quarto século que traz a seguinte tradução: “e o verbo era um Deus”, modo como a Tradução do Novo Mundo (TNM) traduz o texto grego. O site Mentes Bereanas faz uma pequena apresentação dessa evidência e ainda apresenta o texto com indicativos de tradução:

joao1coptaFonte: http://www.mentesbereanas.org

A tradução dessa antiga versão copta (saídico), segundo o site citado, traz claramente a distinção entre o artigo definido e o indefinido, o que altera radicalmente a visão da frase joanina em 1.1c. Não é à toa que Solomon Landers ao tratar do assunto chegou a dizer:

A significância disso [o exemplar copta] é fenomenal. Em primeiro lugar, por que as versões copta precedem a Tradução do Novo Mundo em quase 1700 anos e é parte do corpo das antigas testemunhas textuais do evangelho de João. Em segundo lugar, as versões copta foram produzida enquanto o grego koinê das escrituras gregas cristãs ainda era uma linguagem viva cujas pequenas nuances  poderiam ser compreendidas pelos tradutores coptas, de modo que muitas palavras gregas foram deixadas sem tradução no texto copta. Em terceiro lugar, as versões copta não demonstram a influência  de interpretações posteriores da Cristologia criada pelos concílios da igreja do quarto e quinto século da Era Comum” (LANDERS, Solomon, The coptic evidence. Material não publicado, 2006, p.1).

Landers tem razão quando diz que a versão copta precede a TNM em muito tempo e que é uma ótima testemunha textual de João. Ele também está correto que afirmar que essa versão é contemporânea do grego koine utilizado no texto do novo testamento. E possivelmente também está certo em supor que a tradução está isenta de interpretações cristológicas (ortodoxa) do quarto e quinto século. Entretanto, isso não significa que seja uma tradução isenta de qualquer influência teológica.

O que se pode dizer com certeza é que a versão copta saídica tem grande valor para a crítica textual e deve ser considerada com critério. Por isso, vamos observar com cautela as evidências que dispomos sobre essa tradução.

PRÓXIMO

Um comentário sobre “Introdução

  1. Pingback: Jesus é [um] deus? « Teologando

Os comentários estão desativados.