Ebionitas Primitivos


Por meio das sobreviventes fontes do cristianismo primitivo temos conhecimento de um grupo de “cristãos[1]” que eram denominados Ebionitas. A origem do nome não é certa, pois duas teorias são conhecidas: (1) o grupo teria esse nome por causa do seu fundador Ebion; (2) em função da característica de pobreza do grupo, herdando do hebraico a palavra “ebyon” como descrição da identidade do grupo.

A primeira teoria teria nascido com Tertuliano, que supunha que “que toda heresia começa com um herege que pode ser nomeado” (ERHMAN, Bart, Evangelhos Perdidos. pp.152). No décimo quarto capítulo do documento chamado On The Flesh of Christ, Tertuliano fala sobre a possibilidade de inferioridade de Cristo, por ter sido ele feito inferior aos anjos no texto de Hebreus. Nesse contexto, enquanto ainda considera as possibilidades, Tertuliano diz: “Essa opinião seria bem confortável para Ebion, que defende que Jesus é um mero homem, e nada mais que um descendente de Davi” (On The Flesh of Christ, cap.14; cf. cap.18 e 24 – Tertuliano também faz descrições sobre Ebion no terceiro capítulo da sua obra Aginst all Heresies).

Já a segunda parece ter sido endossada por Orígenes, que fala que os Ebionitas “derivam a apelação de pobres para o próprio nome deles (uma vez que Ebion significa pobre em hebraico)” (De Principiis, Livro 4, Cap.1). Entretanto, Orígenes também apresenta sua opinião com certo sarcasmo, pois sabendo do significado da palavra hebraica ele os satiriza por dizer ou que seu nome deriva da pobreza da lei (Against Celsus, Livro 2, Cap.1) ou que deriva da pobreza do seu intelecto (De Principiis, Livro 4, Cap.1). Essa descrição ofensiva também foi adotada por Eusébio de Cesaréia, que no encerramento do capítulo que trata dos Ebionitas diz: “Assim, em conseqüência geral de tal curso, também receberam seu nome, o nome de ebionitas, manifestando a pobreza do seu intelecto. Pois é assim que os hebreus chamam ao pobre” (CESARÉIA, Eusébio, História Eclesiástica. Livro 5, cap. 27).

Muito embora a segunda possibilidade tem sido normalmente aceita como a que representa a verdade sobre o grupo, a razão certamente não é pela pobreza da lei ou do intelecto dos seus adeptos, mas à sua postura de simplicidade ante a vida.

 

QUEM ERAM OS EBIONITAS?

Os ebionitas eram um grupo de judeus que se entendiam seguidores de Cristo (ERHMAN, Bart, Evangelhos Perdidos. pp.153). No cristianismo primitivo dois grupos de judeus cristãos são claramente identificados: os que eram praticamente ortodoxos, mas do ponto de vista prático falhavam na busca por seguir toda a lei, e aqueles que adotavam uma cristologia deturpada. Os ebionitas normalmente são incluídos no segundo grupo (EHRMAN, Bart, The Ortodox Corruption of the Scripitures. PP.50), mas sabe-se que, como judeus que eram (ou até mesmo adeptos do judaísmo), também buscavam guardar toda a lei.

Eusébio de Cesaréia reconhece a categorização dos ebionitas no segundo grupo de judeus cristãos primitivos, e sobre eles fala: “O espírito de perversão, porém, sendo incapaz de mover alguns em seu amor a Cristo, mais ainda os considerando suscetíveis a suas impressões em outros aspectos, persuadiu-os para seus próprios propósitos. Esses são devidamente chamados ebionistas pelos antigos, como os que abrigavam opiniões inferiores e simplórias a respeito de Cristo” (CESARÉIA, Eusébio, História Eclesiástica. Livro 5, cap. 27)

Os ebionitas tinham duas características marcantes: se diziam pobres (no aspecto financeiro) e eram vegetarianos. Como defesa do seu voto de pobreza, o evangelho que eles usavam dizia: “[Jesus] lamentava a atitude daqueles que, vivendo nas riquezas e nos prazeres, não davam coisa algum aos pobres. Recriminava-os dizendo que haveriam de dar contas por não terem compadecido daqueles a quem deviam amar como a si mesmos, nem sequer quando os viam mergulhados na miséria” (Recognitiones 2, 29 – Documento Pseudoclementido do inídio do terceiro século). O que se destaca nesse texto é que:

(1)        Em primeiro lugar essa sentença não é encontrada nos evangelho canônicos e parece um adendo ebionita ao evangelho que dispunham

(2)        Em segundo lugar, há claras influências interpretativas sobre quem é o próximo que Jesus teria ensinado a amar como a si mesmos. Não temos evidências nos evangelho canônicos de que o próximo, para Cristo, eram apenas os pobres.

Para defender seu vegetarianismo, os ebionitas alteraram os evangelhos canônicos em duas ocasiões:

(1)        Quando eles descrevem João Batista como alguém que se alimentava de gafanhotos e mel silvestre. No Evangelho dos Ebionitas lê-se: “Seu alimento, diz ele, era mel silvestre, de gosto semelhante ao do maná, como se fosse bolo preparado em azeite” (Epifânio, Heresias, 30.13).

(2)        E na ocasião em que os discípulos pergunta a Cristo onde ele teria interesse em comer o Cordeiro Pascal: “Onde queres que preparemos para comeres a Páscoa? E que Ele, da sua parte, respondeu: Por acaso, desejei comer carne convosco nessa Páscoa?” (Epifânio, Heresias, 30.22)

Entretanto, também sabemos que os Ebionitas eram judeus zelosos com a prática da lei, como judeus que eram, ou se diziam. Por outro lado, mantinham o domingo como dia central da fé, como os cristãos primitivos também entendiam. O mesmo Eusébio reconhece isso: “Também observavam os sábado e outras disciplina dos judeus, exatamente como eles, mas por outro lado também celebravam o Dia do Senhor como nós, para comemorar a ressurreição” (CESARÉIA, Eusébio, História Eclesiástica. Livro 5, cap. 27).

O mais interessante sobre esse grupo é que eles clamavam para si mesmo o serem representantes da fé primitiva dos apóstolos originais de Cristo (ERHMAN, Bart, Evangelhos Perdidos. pp.153) e que como os primeiros seguidores de Cristo, ele trabalhavam para preservar não apenas a identidade e os costumes judaicos (EHRMAN, Bart, The Ortodox Corruption of the Scripitures. PP.51), mas a verdade que Cristo teria a defender, pois Ele veio para cumprir a lei e os profetas (Qual o texto autêntico do Evangelho de Mateus? –  cf. Mt.5.17).

COMO ELES ENTENDIAM A SALVAÇÃO?

Em uma forma de cristianismo similar a dos judaizantes combatidos por Paulo em Gálatas, os ebionitas “pregavam que, para seguir Jesus, era necessário ser judeu” (EHRMAN, Bart, O que Jesus disse? O que Jesus não disse?. pp.166), até por que, para os ebionitas, o segredo de Cristo era para ele e para os seus, isto é, para os judeus. Isso significava que o homem deveria ser circuncidado, e que todos deveriam respeitar o Sabá a dieta de kosher (ERHMAN, Bart, Evangelhos Perdidos. pp.153). De alguma forma, apregoavam a salvação pela identificação prática dos princípios judaicos, ou seja, a salvação era conquistada pessoalmente pela obediência. Eusébio de Cesaréia defende exatamente isso: “Entre eles a observância da lei era totalmente necessário, como se não pudessem ser salvos só pela fé em Cristo” (CESARÉIA, Eusébio, História Eclesiástica. Livro 5, cap. 27).

Quando observamos a partir desse ponto de vista, precisamos nos perguntar qual a validade da morte de Cristo então? Para os ebionitas, a morte de Cristo era o cumprimento final de sua obra messiânica recebida da parte de Deus, mas ela era apenas relacionada ao cumprimento das profecias do Antigo Testamento. Não há valor redentor, pois a verdadeira fé (segundo eles) era a identificação com a prática judaica.

Entretanto, eles não acreditavam que eram necessários os sacrifícios de animais, pois o sacrifício de Cristo teria sido perfeito nesse sentido. Epifânio, de quem herdamos grande parte do texto do Evangelho dos Ebionitas, cita uma frase supostamente dita por Cristo, não encontrada em nenhum dos evangelhos canônicos, no qual demonstra a necessidade de se encerrar os sacrifícios de animais: “Vim abolir os sacrifícios e se não deixardes de oferecer sacrifícios, não se afastará de vós a minha ira” (Heresias, 30, 16).

Dessa forma, podemos compreender que, no que se refere a salvação, não eram necessários os sacrifícios rituais do judaísmo exigidos pela Lei, pois o sacrifício de Cristo teria sido suficiente. Por outro lado, a salvação pessoal dependida da identificação com os costumes judaicos e da obediência da Lei, como exigidos pela Lei. Assim, a salvação é uma aquisição pessoal exemplificada por Cristo.

COMO ELES ENTENDIAM A CRISTO?

A essa pergunta Eusébio responde: “Eles o consideravam homem simples e comum, justificado apenas por seus progressos na virtude e seu nascimento de Maria por geração natural” (CESARÉIA, Eusébio, História Eclesiástica. Livro 5, cap. 27). Luis Berkhof, quando fala sobre os ebionitas diz que eles “o [Cristo] consideravam como simples homem, filho de José e Maria” (BERKHOF, Louis, Teologia Sistemática, pp.281). Ou seja, ele era “um ser humano real, de carne e osso como todos nós, que nasceu como o filho mais velho da união sexual de seus pais” (ERHMAN, Bart, Evangelhos Perdidos. pp.154).

Muito embora fosse um homem como qualquer outro, ele teria sido “qualificado em seu batismo para ser o Messias, pela descida do Espírito Santo sobre ele” (BERKHOF, Louis, Teologia Sistemática, pp.281). Esse é o aspecto central da doutrina ebionita: Cristo como adotado filho de Deus em seu batismo. Para que isso ficasse evidente, no evangelho que dispunham encontra-se o seguinte relato do batismo:

Veio também Jesus e foi batizado por João. E quando saiu da água, abriram-se os céus e João viu o Espírito Santo, em forma de Pomba, baixar e penetrar nele. Veio uma voz do céu e disse: ‘Tu és o meu filho, o amado; em ti encontro minha alegria’. E de novo: ‘Eu hoje te gerei’. No mesmo instante uma grande luz iluminou o lugar. E como está escrito, João, ao ver Jesus, lhe pergunta: ‘Quem és tu?’ Ouviu-se de novo uma voz do céu que lhe disse: ‘Este é o meu filho, o amado; nele me regozijo” (Epifânio, Heresias, 30.13)

Nesse trecho temos clara evidência da doutrina ebionita: Jesus como adotado como Filho na ocasião do batismo. Alguns fatos interessante poderiam ser demonstrados:

(1)         João viu o espírito penetrar em Jesus em forma de pomba. Talvez essa seja uma forma a aludir o que de fato as escrituras ensinam sobre o assunto, mas a descrição parece sugerir que o texto que dispunham era composto com os olhos em algum texto canônico;

(2)         A repetição da identificação de Jesus como filho nesse texto, sugere que a preferência ebionita para a ocasião da adoção de Jesus como Filho de Deus é de fato o batismo;

(3)         A expressão “Eu hoje te gerei” nesse contexto confirma as duas suposições anteriores: seja quem for o autor, ele tem em mãos mais de um evangelho canônico e defende o adocionismo exatamente nessa ocasião. A razão para se defender isso é que a expressão em referência é a leitura variante encontrada em Lucas 3.22, adotada a parir de Salmos.2.7, texto usado para a coroação de um Rei.

Os ebionitas não adotavam a noção da preexistência de Cristo, mas o consideravam como “o Messias judeu, enviado pelo Deus judeu para o povo judeu, em cumprimento das escrituras judaicas” (ERHMAN, Bart, Evangelhos Perdidos. pp.153). E como ser humano normal que era o que o distinguia de todas as outras pessoas “foi o fato de que ele guardou a Lei de Deus perfeitamente, e por isso foi o homem mais íntegro sobre a face da terra. Assim, Deus o escolheu para ser seu filho e confiou a ele uma missão especial: sacrificar-se pelo bem de outros. Jesus foi, então, para a cruz, não como punição pelos seus próprios pecados, mas pelos pecados do mundo, um sacrifício perfeito em cumprimento de todas as promessas de Deus para seu povo, os judeus, nas Escrituras Sagradas. Como sinal de aceitação do sacrifício de Jesus, Deus o ressuscitou dentre os mortos e o glorificou, elevando-o ao Paraíso” (ERHMAN, Bart, Evangelhos Perdidos. pp.154).

Sobre a origem de Jesus, Epifânio diz que eles o entendiam não como “gerado de Deus Pai, mas criado como um dos arcanjos, sendo, contudo, superior a eles. Declaram que ele tem domínio sobre os anjos e sobre tudo o que foi criado pelo Todo-Poderoso” (Heresias, 30.16).

Essa declaração de Epifânio nos auxilia a compreender que mesmo os ebionitas, como adocionistas, também tinha suas divergências, uma vez que não é possível que um homem comum também fosse criado como um arcanjo. De alguma forma, é bem provável que as heresias primitivas exercessem influência umas às outras. Assim, a noção mais ariana de Cristo também parece ter passado por algum grupo ebionita do período de Epifânio.

 

O QUE ELES CONSIDERAVAM ESCRITURA?

No período do surgimento do ebionismo não se tinham definido o Canon das escrituras e debates para a busca da validade de documentos cristãos estavam fluindo por todo o mundo antigo. Os ebionitas não eram exceção a esse fato: Eles também alegavam serem representantes da verdade, por que entendiam que as escrituras, como fonte para a verdade, de modo diferente da ortodoxia cristão nos primeiros séculos.

Como os ebionitas eram judeus ou judaizados, era óbvio que “consideravam a Bíblia hebraica (o Velho Testamento) como a Escritura por excelência” (ERHMAN, Bart, Evangelhos Perdidos. pp.155). É por isso que eram reconhecidos pela pregação da obediência irrestrita da Lei. Mas, além disso, para os ebionitas o VT era compreendido como a fonte correta para conhecer as intenções de Deus para seu povo.

Talvez, por essa razão, os ebionitas consideravam Paulo como um herege, um inimigo da fé. Ele representava um auto-proclamado apóstolo que teria vindo ao mundo para deturpar a fé, até por que, Paulo insistia que a circuncisão não era necessária para os cristãos. Ehrman, sobre a relação entre Paulo e os ebionitas, diz:  “Na verdade, para eles Paulo estava errado não apenas com relação a alguns detalhes menores: ele era o arquiinimigo, o herege que desviou muitos ao insistir que uma pessoa pode ser correta com Deus em guardar a Leu e ao proibir a circuncisão, o ‘sinal do pacto’, para os seguidores” (ERHMAN, Bart, Evangelhos Perdidos. pp.155). Entretanto, Eusébio parece ter conhecimento mais abrangente desse assunto, pois segundo o seu relato sobre os ebionitas, todas as epístolas dos apóstolos deviam ser rejeitadas:  “Esses, de fato, por um lado pensavam que todas as epístolas dos apóstolos deviam ser rejeitadas, chamando-os de apóstata da lei, mas por outro lado, usando apenas o evangelho segundo os Hebreus, consideravam os outros de pouco valor” (CESARÉIA, Eusébio, História Eclesiástica. Livro 5, cap. 27).

Sobre que parte do NT os ebionitas aceitavam há relativa divergência: Eusébio chama o documento aceito por eles de Evangelho segundo os Hebreus; Epifânio diz que eles o chamavam de Evangelho dos Ebionitas, dos Doze, ou Evangelho Hebraico, mas acredita que era uma versão do Evangelho de Mateus (Heresias, 30.3); o que se sabe com relativa certeza é que o documento utilizado pelos ebionitas não era o atualmente conhecido Evangelho dos Hebreus, embora tivesse semelhanças com ele. Seja qual for o documento, é bem provável que Epifânio esteja correto em sua defesa, uma vez que todos os evangelhos mencionados se parecem com alguma forma deturpada dos evangelhos canônicos. (ERHMAN, Bart, Evangelhos Perdidos. pp.156)

Para compreender esse dilema, recorremos às declarações de Epifânio sobre o texto ebionita, que segundo ele teria sido adquirido de um grupo de ebionitas. Sobre o documento, ele diz: “No evangelho usado pelos ebionitas, denominado ‘segundo Mateus’ – que, no entanto, não é íntegro e completo, mas adulterado e mutilado” (Heresias, 30.13).

No que se refere a mutilação, os ebionitas não possuíam os dois primeiros capítulos do Evangelho de Mateus. Epifânio diz que o evangelho deles tinha início com a história de João Batista. Ehrman entende que isso acontecia por que eles rejeitavam, tanto a preexistência como a idéia do nascimento virginal. (ERHMAN, Bart, Evangelhos Perdidos. pp.155). Entretanto, mesmo o início desse suposto evangelho tem suas divergências com os evangelhos canônicos: “Aconteceu que nos dias de Herodes, rei da Judéia, João começou a batizar com um batismo de penitência no rio Jordão. Dizia-se que ele era descendente do sacerdote Aarão e filho de Zacarias e de Isabel” (Heresias, 30, 13). A noção do tempo parece em conformidade com os evangelhos canônicos, contudo, é claramente um acréscimo interpretativo o tipo de batismo usado por João Batista e sua ascendência.

No que se refere à adulteração, já temos citado alguns exemplos: A questão de quem é o próximo, a alimentação de João Batista, a rejeição de Jesus em comer o cordeiro pascal e a cena do Batismo. Porém, para que fique evidente, gostaria de observar a cena do batismo novamente:

Veio também Jesus e foi batizado por João. E quando saiu da água, abriram-se os céus e João viu o Espírito Santo, em forma de Pomba, baixar e penetrar nele. Veio uma voz do céu e disse: ‘Tu és o meu filho, o amado; em ti encontro minha alegria’. E de novo: ‘Eu hoje te gerei’. No mesmo instante uma grande luz iluminou o lugar. E como está escrito, João, ao ver Jesus, lhe pergunta: ‘Quem és tu?’ Ouviu-se de novo uma voz do céu que lhe disse: ‘Este é o meu filho, o amado; nele me regozijo” (Epifânio, Heresias, 30.13)

Os evangelho canônicos apresentam que a voz vinda do alto teria se pronunciado apenas uma única vez, mas, em cada um dos relatos essa voz teria dito algo diferente: “Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo” (Mt.3.17); “Tu és o meu Filho amado, em ti me comprazo” (Mc.1.11); “Tu és o meu Filho amado, em ti me comprazo” (Lc.3.22). Observe que em Mateus a voz fala com a multidão (Este é), enquanto os dois outros registros se dirigem ao Filho (Tu és). O que me deixa um pouco espantado é o fato de que a voz também tenha dito “Eu hoje te gerei”, leitura variante para o final do verso 22 de Lucas 3 (D, ita, (itb), itc, itd, itff2, itl, itr1, Diogeneto, Justino, (Clemente σύ ἀγαπητός), Methodius,  Orígenes, Juvencus, (Ambrosiaster), Faustus-Milevis, Hilario, Constituição Apostólica, Tyconius, Mss LatinosAugustinho).

Ou seja, na tentativa de tentar compreender o que de fato a voz teria dito, o evangelho dos ebionitas teria inserido cada uma versões canônicas em um só relato. Como a tentativa de harmonizar os evangelhos é relativamente antiga (cf. Diassetaron), não é de se estranhar que algo desse tipo houvesse acontecido aqui. O que é surpreendente é que, quem quer que tenha sido o autor, teve acesso aos documentos canônicos e não apenas os rejeitou, mas os adaptou à suas convicções.

OS EBIONITAS ERAM UM GRUPO EXPRESSIVO?

No que se refere ao alcance da doutrina ebionita nos primeiros séculos não podemos afirmar com certeza sua expansão geográfica ou expressão ideológica. O fato de que autores Latinos e Gregos os terem confrontado sugere que não estavam limitados à região da Palestina. Já o fato de que não são pouco os pais da igreja (Inácio, Irineu, Eusébio, Tertuliano, Hipólito, Orígenes, Epifânio) que desprendem energia para confrontá-lo sugere que os ebionitas eram hereges que mereciam confrontação. Entretanto, como a quantidade de informação nos pais da igreja é bem pequena, sugere que eles era um grupo ideológico de pouca expressão. Já, a não sobrevivência de nenhum dos seus documentos sugere que o ebionismo foi uma deturpação do cristianismo que não sobreviveu ao tempo (muito embora exista um ebionismo moderno sobrevivente – sobre esse falaremos mais em um outro artigo).

Ou seja, o ebionimo, ainda que pudesse ser encontrado em outras regiões e ter sido acessível a judaizados que liam grego, não representa um grande grupo do cristianismo primitivo. Ao que as evidências indicam, é bem provável que fossem pequenos grupos espalhados em algumas regiões do mundo e ainda assim, um grupo de pouca expressão.


[1] Passo a apresentar os ebionitas como “cristãos” entre aspas por razões óbvias: ainda que se considerem como tal, ou que alguns dos comentaristas citados nesse texto os considere como tal, não os entendo como cristãos.

3 comentários sobre “Ebionitas Primitivos

  1. josué Isaac da Silva

    Não conhecia sobre os ebionitas quando ouvi falar deles e que eles chamavam o santo apostolo paulo de hereje me entristeci muito, mas sei que eles são assim porque não tem o espirito de Deus pois falo como Paulo : o que para mim que era ganho (a lei) o tive por perda para ganha a cristo porque em Jesus nem a circuncisão e a incircucisão tem virtude alguma mas sim o ser uma nova criatura

  2. Dougival

    A paz do Senhor Jesus, sendo cristão evangélico, quando li sobre as várias bíblias que existem e um ebionita dizendo que a bíblia dos ebionistas era a verdadeira, e que ela só ia até Mateus e dizendo ainda que o livro de Mateus deles o autêntico. Fiquei triste, mas logo eu vi que não batia com augumas experiências que já tive com o Senhor Jesus, e até mesmo com alguns livros do novo testamento. Lendo esses textos escritos acima me clareou mais a mente ainda. Graças a Deus.

  3. thayse sampaio

    O Senhor Jesus nos ensinou a dar a Paz de Deus,eu acho q os Ebionitas são um povo reto diante de Deus .E graças à Jave eles ñ acrescentarão e nem excluiram nada dos ensinamentos de Jesus Cristo . E Jesus veio pra q se faça cumprir as leis de Deus e ñ para aboli-la, portanto Paulo de Tarso ñ tinha poder nenhum pra abolir alguma lei . Portato , fazer circusição é um fato, q circunsição foi um pacto q deus fez com Abraão q disse pra ele circunsisar do servo ou estrageiro q estivesse na casa de Abrão.Pra seguir a Deus ñ só precisar ter Fé em Jesus Cristo como acatar suas leis.Obrigada e Q Javé os abençoe.

Os comentários estão desativados.