O Interesse Universal de Deus


O Testemunho das Escrituras é claro em fornecer a Imagem de um Deus que se interessa pelo o homem e por todos os homens. O Deus apresentado nas escrituras não tem prazer na morte de ninguém (Ez.18.32), nem mesmo do perverso (Ez.18.23). Por essa razão ele mesmo se Deus em resgate da humanidade (At.20.28), para que o retorno, conversão, a Deus pudesse ser reestabelecido. Esse desejo universal de Deus é percebido no AT e NT.

A.    Antigo Testamento:

a.   Criação: No princípio Deus criou os céus e a terra, e posteriormente o homem. A esse homem deu capacidades especiais, como o domínio sobre os animais, outras criaturas de Deus. E a esse homem Deus deixou uma ordem muito interessante, narrada em Gn.1.28: “E Deus os abençoou, e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai-vos, ENCHEI A TERRA”. Desde o início do mundo Deus tem o interesse de que o homem se multiplicasse com o objetivo de ENCHER A TERRA. O interesse de Deus pode ser comparado ao interesse de um Artista para com Sua obra. Deus ao arquitetar, projetar e construir essa Maravilhosa Obra de Arte, ele se interessa por toda Ela, por toda sua Criação.

b.    Queda: No meio da criação, fez a Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal. Árvore que o homem era proibido de participar do seu fruto. Mas o homem se fez desobediente a ordem de Deus e desfrutou daquele fruto, se tornando conhecedor do bem e do mal, sendo Punido pela Justiça de Deus, contudo com a Promessa da Restauração Amorosa de Deus, descrita em Gn.3.15.

c.    Dilúvio: Esse homem se multiplica, multiplicando também a iniqüidade por toda a terra. Vendo Deus a maldade do homem, mais uma vez intervém em Sua Criação com sua Punição Justa, em destruição de suas criaturas. Contudo, dentre os homens Deus escolhe a Noé, homem fiel para que por ele possa continuar sua Obra de Arte. Interessante é notar que a Noé, após o dilúvio ele recebe a mesma ordem dada a Adão no princípio: “Abençoou Deus a Noé e a seus filhos, e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai-vos e ENCHEI A TERRA” (Gn.9.1). Deus tem o interessante interesse em que o homem se espalhe sobre a toda superfície da terra. Pois Ele sabia que assim, o Seu nome se espalharia pela terra.

d.    Babel: Mas, outra vez o homem se mostra desobediente. Eles têm uma brilhante idéia. Como todos ainda falavam a mesma língua, segundo Gn.11.1, ele resolveram construir uma grande cidade e uma Grande Torre, com o propósito não se espalhar pela superfície da Terra. Observe o versículo 4 de Gn.11: “Disseram: Vinde, edifiquemos para nós uma cidade e uma torre cujo tope chegue até os céus, e tornemos célebre o nosso nome, PARA QUE NÃO SEJAMOS ESPALHADOS POR TODA A TERRA”. Note também que nesse momento de desobediência, mais uma vez Deus intervém nos planos dos homens, pois Ele sabia que os homens tendo a mesma linguagem não haveria restrições para o que intentassem fazer. Então Deus confunde a língua dos homens, conforme narrado em Gn.11.7-8: “Vinde, desçamos e confundamos ali a sua linguagem, para que um não entenda a linguagem de outro. Destarte o Senhor os DISPERSOU dali pela superfície da terra”. Nesse momento, os homens juntaram-se aos que podiam entender-se, e se dispersaram, formando as nações. É neste momento que surgem as nações, ou seja, Deus consagra-se como o Autor das Nações.

e.   Abraão: Logo, Deus é o responsável pela existência das nações. Assim sendo, Ele se interessa pelas Nações. O interesse de Deus pelas nações é tão Grande que escolhe um Casal, a quem Promete constituir uma Grande Nação. Nação esta que serviria como Instrumento de Bênção para outras nações, ou seja, uma nação como Canal de Bênçãos de Deus. Isso pode ser percebido em Gn.12, quando Deus separa Abrão, prometendo fazer a partir dele uma grande nação: “Ora, disse o Senhor a Abrão: Sai da sua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, e vai para onde te mostrarei; de TI FAREI UMA GRANDE NAÇÃO, e te abençoarei e te engrandecerei o nome. Sê tu uma benção: abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; em TI SERÃO BENDITAS TODAS AS FAMÍLIAS DA TERRA”. Essa Grande Nação serviria para abençoar todas as famílias da terra.

f.    Ideal Divino para Israel: No Velho Testamento esse é o método encontrado para Abençoar todas as Nações. A partir de Israel, como canal de bênçãos, as nações poderiam ser abençoadas. Ou seja, o alcance das nações no Velho Testamento, exigia uma aproximação e uma aceitação por parte delas. Existem alguns exemplos desse paradigma no Velho Testamento:

i.    Raabe: Raabe era uma prostituta em Jericó, nação Inimiga a qual o Senhor entregara nas mãos de Josué. Este, enviara a esta Cidade dois espias para que andassem na cidade e observassem a cidade, e Raabe pela fé (Hb.11.31) acolheu-os em sua casa escondendo-os dos Oficiais da cidade, pois sabia ela que o Senhor, que é poderoso, lhes tinha entregue aquela terra. Como se percebe em Js.2.9-11: “Bem sei que o Senhor vos DEU esta terra (…) por que temos ouvido que o Senhor secou as águas do Mar Vermelho diante de vós, quando saíeis do Egito (…) porque o vosso Deus é Deus em cima dos céus e embaixo da terra”.

ii.    Rute: Rute é uma moabita e  toma uma decisão de fé, em considerar o povo de Noemi como seu povo e o mesmo com o Deus de Noemi. Com está escrito: “Não me instes a que te abandone e deixe de seguir-te. Por que aonde quer que tu fores, irei eu; e onde quer que pousares, ali pousarei; o teu povo será o meu povo, e o teu Deus será o meu Deus” (Rt 1.16). A declaração de Rute não é apenas de fidelidade da Noemi, mas é um reconhecimento do verdadeiro Deus.

1.    Observação: Em ambos casos, houve um reconhecimento do verdadeiro Deus. Raabe afirma que Deus é Deus em cima dos céus em embaixo da terra. Rute afirma que o Deus de Noemi é o seu Deus, pois reconhece que Ele é o verdadeiro Deus. Esses dois casos são muito interessantes pelo fato de que ambas alcançaram tamanha benevolência do Senhor que estão inseridas na Genealogia de Jesus. E como se percebe, o método utilizado no Velho Testamento para o Alcance de pessoas é de Fora para Dentro, ou seja, Centrípeto.

iii.    Jonas: Contudo, esse modelo não é normativo. Encontramos também evidências de um método centrífugo. Como o que aconteceu com Jonas, que foi chamado por Deus para clamar contra uma Grande cidade Rival. Como se percebe em Jn.1.2: “Dispõe-te, vai à grande cidade de Nínive, e clama contra ela, por que sua malícia subiu até mim”. Conhecendo a história de Jonas, sabemos que Ele se dispôs, mas para fugir da Presença do Senhor. Contudo, ao passar por provações, acabou realizando o que Deus mandara. Mas o ponto mais notável de toda essa história, é que toda a nação, desde o rei da nação até os animais, é colocada em Panos de Saco, em jejum e se sentam em cinzas, em um ato de arrependimento Nacional. Então os Ninivitas se convertem dos seus maus caminhos.

1.    Observação: Mais uma vez Deus demonstra seu interesse Internacional, onde apesar do Método ser majoritariamente Centrípeto, Ele quer alcançar suas criaturas. Mas o interesse por Outras nações é claro. Contudo, não tão claro como no Novo Testamento.

B.    Novo Testamento:

a.    Amor de Deus: No Novo Testamento pode-se notar claramente o Interesse por todas as Nações, pelo fato de Deus Amar Todo o Mundo: “Por que Deus AMOU ao mundo de tal maneira que DEU o Seu Filho unigênito, para que TODO o que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Portanto Deus enviou o Seu Filho ao Mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o MUNDO fosse salvo por Ele” (Jo.3.16-17).

b.    Morte de Jesus: É interessante perceber que Jesus foi ENVIADO à terra por causa do Grande Amor de Deus por Ela. Mas existia uma Missão para Jesus, ele não fora enviado para julgar, mas para salvar o mundo. O interesse de Deus pelo Mundo pode ser claramente visto pela própria missão de Jesus, que também não era Restrita, pois ele é a Propiciação pelos pecados do mundo inteiro, como se percebe em 1Jo.2.2: “E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente os nossos próprios, mas ainda pelos do MUNDO INTEIRO”. O alcance da Propiciação de Jesus, realizada em Sua Morte, é sem restrições de fronteiras. É para o Mundo Inteiro. Contudo o interesse de Deus não é apenas pelas nações, mas pelas pessoas das nações. Nesse quesito é importante realizar uma observação:

i.    Suficiência e Eficiência: Apesar do Sacrifício de Cristo ser SUFICIENTE a todos os homens, de todas as nações e etnias, de todas as épocas, não significa que ela é automaticamente EFICIENTE a todos eles. Sabemos que a salvação exige aceitação, recebimento que pode apenas acontecer por meio da fé, que é seguida do arrependimento genuíno para com Deus. Portanto, a morte de Cristo é suficiente para todo homem, mas apenas Eficiente ao que crê.

c.    O Desejo de Deus: Dessa forma o sacrifício de Jesus também é abrangente o suficiente para esse Interesse, pois Jesus se entregou em resgate por todos. Isso pode ser notado em 1Tm.2.4-6, onde diz: “O qual deseja que TODOS os homens sejam salvos e cheguem ao pelo conhecimento da verdade. Portanto há um só Mediador entre Deus e os Homens, Cristo Jesus, homem, o qual a si mesmo se entregou em resgate por TODOS”. Isso também pode ser percebido em 2Co.5.14-14, onde o mesmo autor diz: “Pois o amor de Cristo nos constrange, julgando nós isto: um morreu por TODOS, logo todos morreram. E ele morreu por TODOS, para que os que vivam não vivam mais par si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou”. Um morreu por Todos. Jesus morreu por todos, para que esse por quem morreu, vivam para Ele. E isso é nossa função, viver para Ele, pois temos vida pela Morte Dele.

d.   Graça de Deus: E sabendo que o sacrifício de Cristo é para todo o Mundo e Todos, podemos afirmar que Graça de Deus se mostra salvadora a Todos os Homens, como Paulo afirma a Tito em Tt.2.11: “Porquanto a graça de Deus se manifestou salvadora a TODOS OS HOMENS”.   Isso também pode ser verificado na Carta de Paulo aos Romanos, no capítulo 5 versículos 17-18: “Pois, assim como por uma só uma ofensa veio juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens”. Alerta: É notório o Interesse de Deus por todas as pessoas, mas é intrínseco relembrar que isso não significa que Deus salvará todas as pessoas, nem que todos se converterão.

e.    Ordem de Cristo: Hoje temos uma ordem explícita para Irmos a outras pessoas e nações, como vemos em Mt.28.18-19, que diz: “Toda autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, portanto, fazei discípulos de TODAS AS NAÇÕES”. É interessante que Jesus baseia a ordem em sua autoridade, pois Ama a todo o Mundo, se fez propiciação pelos pecados do Mundo Inteiro, e por isso podia afirmar para que Fossem a todas as nações. Em Marcos a ordem de Jesus acrescenta: “Ide por TODO O MUNDO e pregai o evangelho A TODA CRIATURA” (Mc.16.15).

2 comentários sobre “O Interesse Universal de Deus

  1. Pingback: Melhore sua Evangelização « Scripturae Lectionarium

  2. Pingback: O Interesse Universal de Deus « fomedebiblia

Os comentários estão desativados.