Natal entre Católicos: 5 Princípios para manter em mente


Você se senta para jantar de Natal com sua família, os quais são católicos. Tio Felipe, o autoproclamado líder dos Opus Dei conduz uma oração à Virgem Maria. Você se lembra do diálogo descarrilhado do ano passado no qual ressaltou o “não bíblico e eventualmente idólatra parecer sobre os santos” pode ter alguma forma precipitada esta nova ênfase. Ou talvez tia Luísa, sua mulher e pessoa mais ofendida com sua paixão pela apologética pelo Solus Christus, teve alguma influência. Em ambos os casos, você está passando mais uma vez outro feriado com a família em que a discussão religiosa criará combustão social volátil o suficiente para estourar o teto da casa.

Este ano, como nos aproximamos reuniões de família, temos a oportunidade de fazê-lo com a sabedoria e  graça de Cristo, tão dedicada ao evangelho, e também comprometido com o povo a quem amamos. No final das contas, entendemos que a palavra da cruz é loucura para aqueles ainda que estão perecendo, mas não deixam de ser obrigados a nos comportar de uma maneira cativante e graciosa, ou, nas palavras de Paulo, para tornar a nossa fala graciosa e temperada com sal (Cl 1:6), seguem-se cinco sugestões práticas para ajudá-lo para este fim.

1. Entenda A RELAÇÃO DE Graça e Verdade

Jesus manifestou graça e de verdade com uma postura perfeitamente equilibrada (João 1:14). Nossas personalidades, muitas vezes se inclinam para um ou outro, graça ou verdade. Alguns de nós, naturalmente, se assemelham a cordeiros, outros são mais como os pit bulls. Assim é a vida em um mundo cheio pessoas criadas. Conseqüentemente, nós não devemos ficar surpresos quando discordamos sobre como lidar com questões específicas. Mas essa discordância não deve prejudicar o empreendimento de tentar navegar de modo pensativo através de nossas diferenças. Ainda temos de concordar em discordar, em alguns lugares, mas o diálogo cortês é uma abordagem muito mais cristã do que jogar granadas polêmica sobre as diferenças das igrejas.

Uma das razões por que os cristãos não envolvem o processo de balanceamento de graça e de verdade entre os católicos é o excesso de confiança associada a uma falta de respeito pela outra pessoa. Em seu livro intitulado Humble Apologetics, o autor John Stackhouse elucida essa idéia:

Para colocá-lo de forma mais acentuada, que deve soar como nós realmente respeitamos o interesse de inteligência e integridade espiritual e moral dos nossos vizinhos. Devemos agir como se vê a própria imagem de Deus neles. . . É uma voz de fala autêntica de convicções cristãs sobre nossas próprias limitações muito reais e do nosso vizinho própria dignidade real, e não cínico oportunismo. Somos humildes retoricamente, porque não somos profetas infalivelmente inspirados por Deus, por isso permita que o único que pode falar “com autoridade” de uma forma que ninguém mais pode falar. Somos apenas mensageiros Dele: mensageiros que sinceramente bem intencionados, mas que esquecem desse pequeno aspecto da mensagem ou realmente nunca a entenderem assim; mensageiros que nunca fazem inteiramente jus às suas próprias boas notícias; mensageiros que reconhecem as ambigüidades do mundo o que torna a mensagem mais difícil de aceitarr, e por isso os mensageiros que podem se compadecer com os vizinhos que não estão prontos ainda para acreditar em tudo o que estamos dizendo a eles [1].

Ser humilde não significa que temos comprometido a nossa convicção do que constitui a verdade mais do que fraco sugere alguém desprovido de força. Jesus era todo poderoso, e ainda assim ele se humilhou a  morte, e morte de cruz (Fil 2,1-11). Somente quando nós temos uma convicção bem fundada, depois de ter tido tempo para ouvir, aprender e pensar, que nós possuímos a coragem necessária para se relacionar com outros de forma vulnerável  humilde. Inversamente, quando atacamos a jugular de quem discorda de nós, demonstrar a nossa insegurança. Mais uma vez, Jesus é nosso exemplo. Embora sendo Deus, Jesus não explorou a sua divindade, mas fez-se esvaziou, assumindo a forma de servo (Fl 2,6-7). Este é certamente o caminho cristão.

2. Esteja consciente de sua posição familiar

Comunicação com a família é especialmente difícil. Foi um desafio para Jesus. O Senhor diz em Mateus 13:57: “Só em sua própria terra e em sua própria casa é que um profeta não tem honra.” No contexto, Jesus está se referindo às pessoas com quem ele cresceu, incluindo a família, que tinha dificuldade em receber a sua mensagem . Isto não é surpreendente; familiaridade promove desprezo.

Ela ajuda a compreender a posição que você mantenha em sua família. Sua tia Luísa que trocou  sua fralda quando você era um bebê provavelmente não está imediatamente dispostos a aprender com você a respeito de Deus. Mesmo que você já tenha o seu M. Div. e doutorado em teologia e foi pastor por mais de 20 anos, mas, em algum nível ela ainda o vê como o garoto que costumava babar em si mesmo. Precisamos identificar esses obstáculos relacionais e orar por sabedoria de Deus para tratá-los adequadamente.

3. Regule A intensidade emocional

Quando discutimos a fé com os católicos, nossa conversa tende a ser tão carregado de emoção que é praticamente condenada desde o início, especialmente em famílias onde houve história de discordância sobre tais questões. Isto é assim em grande parte , ao contrário da opinião dos evangélicos que muitas vezes gira em torno de proposições doutrinárias, o empenho dos católicos inclui uma cultura totalmente cercada incluindo a história pessoal, familiar e étnica de cada um. Como esses compromissos são profundas em nossa identidade, as questões sobre a veracidade das doutrinas Católica endereçam simultaneamente toda cultura em que essas opiniões são tecidas. O potencial de combustão emocional neste cenário não pode ser superestimada.

4. ConstruA em um terreno comum

Como mencionado no ponto anterior, a identidade religiosa de católicos consiste em muito mais do que os princípios doutrinários a que se adere. Também inclui a catena de tradições que emergem da própria experiência étnica, institucionais e litúrgica. São atividades como festas, cruzando-se, de cinzas na testa, comer certos alimentos (ou a abstenção dos mesmos), genuflexão, acender velas votivas ou ter missa em nome de um parente falecido. O jornalista Católico Peter Feuerherd disse-o bem, a “realidade religiosa é complicada, e porque as pessoas fazem o que fazem com sua vida espiritual vem de uma malha complexa de tradição, cultura e escolha pessoal.” [2]

Ao mesmo tempo, existem semelhanças básicas entre católicos e evangélicos. Temos uma Bíblia comum (apesar de alguns livros do Antigo Testamento que são únicas para a Bíblia católica e ortodoxa), confissões de credo (ou seja, os Apóstolos “e credos de Nicéia), figuras da história da igreja que nós reivindicamos como nosso próprios, e feriados como Natal e Páscoa. Estes compromissos comuns podem estabelecer as bases sobre as quais podemos fazer perguntas significativas e desfrutar de um diálogo produtivo.

5. ManteNHA a coisa principal a principal coisa

Ao falar com os católicos, nos deparamos com uma infinidade de possíveis desvios de assunto. Por exemplo, podemos entrar em uma conversa para falar sobre como Jesus oferece vida abundante e de repente nos encontramos enredados em um debate sobre os apócrifos ou Humanae Vitae. Às vezes, é adequado evitar estes temas, mas muitas vezes nós fazemos isso [discutir]às custas do evangelho, que não só é um erro, é uma farsa. Qual é o lucro de uma pessoa, se ele explica todos os enigmas teológicos do mundo, sem focalizar a atenção sobre a morte e ressurreição de Jesus? Isso, eu argumentaria, é a “coisa principal” a se testemunhar para o esplendor ea majestade do nosso Salvador, aquele que morreu, ressuscitou e hoje vive.

Que Deus te abençoe ricamente ea sua família nesta temporada como você considera, celebrar e testemunhar a beleza de Jesus Cristo!

________________________________

[1] John G. Stackhouse, Jr., Humble Apologetics: Defending the Faith Today. (Oxford: Oxford University Press, 2002), 229.

[2] Feuerherd, Peter. Holyland USA: A Catholic Ride Through America’s Evangelical Landscape. (New York: The Crossroad Publishing, 2006), 83.

MATERIAL TRADUZIDO E ADAPTADO DE CHRIS CASTALDO

Christmas Among Catholics: Five Lessons to Keep in Mind http://www.chriscastaldo.com/2010/12/03/christmas-among-catholics-five-lessons-to-keep-in-mind/