O Tetragrama e o Novo Testamento


Aqueles que defendem o uso do Tetragrama (YHWH – Jeová, Yahweh)  no NT usam com frequência diversos argumentos históricos e arqueológicos para defender sua tese. Apesar de ter observado esse tipo de argumentaçõ diversas vezes não sabia de onde elas teriam saído, até que recentemente encontrei o artigo que provavelmente trouxe o assunto à tona. Em 1977 George Howard ele publicou um artigo no Journal of Biblical Literature com o nome “THE TETRAGRAM AND THE NEW TESTAMENT”, que tornou-se a grande fonte de pesquisa sobre o Tetragrama no NT.

Diferente do que encontrei na Internet, Howard apresenta o caso com propriedade e um detalhamento impressionante, entretanto, sua conclusão não parece seguir o mesmo afinco de sua tese. Ou seja, ainda que a argumentação seja acadêmicamente polida e fundamentada a conclusão exige um alto grau de probabilidade.

Assim, nesse post apresento um resumo desse artigo e então teço alguns comentários à tese de Howard.

Bom Proveito:

——————

1. Existem manuscritos gregos pré-cristãos do Antigo Testamento que incluem o Tetragrama.

Isso indica que o Tetragrama estava em uso num período muito próximo da formação do NT. As evidências para isso seguem abaixo:

1. P. Ryl. Gk. 458: Em Dt.23-28, C.H. Roberts verificou que o manuscrito não continha o nomina sacra (abreviação do nome divino), mas em um lugar específico (Dt.26.18) ele encontrou uma lacuna, em que os códices cristãos usavam o nomina sacra para Senhor (gr. kurios), e a julgar pela quantidade de letras presentes, ele conjecturou que o nomina sacra era usado ali.Paul Kahle, lendo a mesma evidência não admitiu que naquele lugar houvesse o termo kúrios, pois nele se traduzia o tetragrama, e usado como evidência outros manuscritos que continham o tetragrama, convenceu Roberts de que o tetragrama deveria ter sido usado ali

2. P. Fuad 266: Manuscrito que depois de muitas dificuldades de publicação teve uma discussão iniciada por Françoise Dunand (Papyrus grecs bibliques, 1966), pois na seção de Dt.31.28-32.7 nas ocasiões onde os manuscritos cristãos continham kúrios, esse fragmento usava o tetragrama em letras aramaicas.

3. Em 1952 foi descoberto um rolo em Nahal Hever contendo os doze profetas em grego. Chegou a ser datado entre 50 a.C e 50 d.C. por C.H. Roberts, e nele também foi encontrado o tetragrama nas ocasiões em que a a LXX cristã vertia por kúrios. Entretanto, diferente do P.Fuad 266, o tetragrama em Paleo-Hebraico.

4. Em 1962 um outro grupo de fragmentos dos doze profetas fora encontrado e comentado por B. Lifshitz, e neles foram encontradas algumas ocasiões em que o tetragrama fora traduzido pelo termo grego theós (Deus), embora também preservasse o Tetragrama em Paleo-Hebraico. Entretanto não se tem certeza quanto a data do documento

5. Manuscritos de Quran: Em Quran foram encontrados pelo menos 5 fragmentos da LXX (4QLXXNum, 4QLXXLeva,  4QLXXLevb ). Esses manuscritos foram datados entre o primeiro século a.C e d.C, mas apenas no 4QLXXlevb o nome divino aparece em caracteres gregos. P.W. Shehan defende que essa evidência sugere que o tetragrama era usado no período em que a LXX iniciava a ser produzida. Entretanto, todos os outros manuscritos (incluindo os manuscritos da Caverna 7), também datados 100 a.C, não incluem o tetragrama.

2. Existem documentos hebraicos e aramaicos do deserto da judeia que usavam o tetragrama.

Nesses documentos o Tetragrama é escrito tanto em Aramaico como em Paleo-Hebraico. Entretanto, em todas as ocasiões em que um escriba comentava um texto (p.e. 1QpHab.10.6-7) ele substituía o tetragrama pelo termo hebraico para Deus (`El). Em todo o material não vétero-testamentário não foi encontrado o Tetragrama. Em outras palavras, quando o escriba transcrevia o texto, o tetragrama era usado, mas quando citava o texto ou o comentava não utilizava, exceto raras exceções (4Q185 2:3; 2Q22 1; 8Q5 2:3). Devemos apenas apresentar duas outras características dessa evidência:

  1. Primeiro, alguns manuscritos tinham outras formas para o tetragrama.
  2. Segundo, alguns manuscritos não continham o Tetragrama em nenhum lugar.

3. Existem evidências em escritores judaicos pré-cristãos que usavam o Tetragrama, como Filo de Alexandria.

Em Filo a substituição do tetragrama por kúrios é comum e frequente. Em alguns comentários, entretanto, ele também usa o termo theós. Entretanto, Howard tem dúvidas sobre o texto de Filo, uma vez que ele é apenas preservado por cristãos. Com isso, ele levanta a hipótese de que o texto de Filo tenha sido adaptado à LXX cristã. Para defender essa tese, Howard apresenta afirma que em 1950, W.P. Walters publicou um livro defendendo que o tetragrama de Filo foi omitido no curso da transmissão e que no período de Filo, a LXX deveria ter incluído o tetragrama.

4. Existem textos judaicos pós-cristãos que usavam o Tetragrama.

Perto do início do segundo século foi produzido entre os judeus entre os judeus uma espécie de Textus receptus (termo do autor) da biblia hebraica, especialmente para diferenciar o texto hebraico do texto samaritano. Nessa produção, o tetragrama fora mantido em grego nas versões gregas de Aquila, Theodotion e Symmachus.

Em 1897 F.C. Burkitt publicou fragmentos do texto de Áquila nos quais ele claramente preserva o tetragrama.

Próximo a esse ano, Giobanni Cardinal Mercati descobre um exemplar da Hexapla de Orígenes do saltério, no qual a coluna do texto hebraico está faltando, mas tem em todas as outras colunas o tetragrama em letras hebraicas. Segundo Paul Kahle, Orígenes usou o texto hebraico para sua produção, mas Eusébio de Cesaréia afirma que seu trabalho veio de uma cópia antiga de uma versão grega, que Howard especula que seriam do primeiro século cristão.

5. Existem textos cristãos que incluem o tetragrama após o período da produção do NT.

Segundo Howard, quando chegamos às cópias cristãs da LXX, imediatamente nos deparamos com a ausência do tetragrama de modo universal, sendo ele substituído pelo termo grego kúrios. Ou seja, parece evidente que algo mudou entre a produção cristã da LXX e das antigas versões dela. Nessas versões cristãs é começamos a encontrar o nomina sacra com frequência. Como o objetivo do autor era demonstrar que o NT deve ter sido escrito com a presença do tetragrama e que tais inserções do nomina sacra são de período similar ao das cópias mais antigas do NT, nos quais o uso do nomina sacra é dominante, Howard entende que isso serve come evidência para demonstrar que no original do NT, o tetragrama fora usado. Para defender esse ponto de vista ele cita as seguintes informações

Em 1959 A.G.R.E. Paap, após larga investigação chegou à conclusão de que o uso do nomina sacra nasceu em um ambiente judaico cristão nas proximidades de Alexandria perto de 100 d.C, por considerarem que o termo grego theos era mais significativo que transliterar o tetragrama.

Entretanto, mesmo Howard julga que as evidências que Paap usa não levam inevitavelmente à conclusão de um ambiente judaico cristão como origem do nomina sacra na LXX, afinal para os judeus o mais sagrado dos nomes era o tetragrama e para os judeus cristãos o Antigo Testamento Grego (LXX) era tão válido quanto o texto hebraico do mesmo. Howard também afirma que em geral nos textos judaicos pré-cristão theós não era um equivalente ao tetragrama e que os judeus continuaram a usar o tetragrama hebraico mesmo em seus escritos gregos. Em outras palavras, seria muito inusual que judeus cristãos falantes do grego fossem responsáveis pela substituição do tetragrama por theós ou kuriós. Para Howard é mais provável que gentios cristãos tenham iniciado essa prática.

6. Conclusão:

Diante dessas evidências, Howard conclui que é possível afirmar que o Tetragrama teria sido usado no NT e removido dele com o passar do tempo. Os argumentos para isso, podem ser resumidos do seguinte modo:

(1) Nas cópias pré-cristãs o uso do Tetragrama, seja em Paleo-Hebraico ou Aramaico foi preservado em textos judaicos;

(2) Os judeus não abandonaram o uso de escrever o Tetragrama em suas versões da LXX;

(3) Do lado dos cristãos, judeus cristãos, provavelmente (palavra do autor), não abandonaram essa prática;

(4) Assim, no primeiro século do cristianismo gentílico, os cristão que não tinham motivo para manter o termo hebraico para o nome de Deus o substituíram por kúrios e theós. Seriam eles, na opinião Howard, que iniciaram a inserção do nomina sacra. Com isso em mente, Howard defende que o mesmo padrão de substituição aconteceu com o NT, embora sem qualquer condição de demonstrar esse fato ocorrendo. Os argumentos para isso seguem abaixo:

o    Como o tetragrama era usado nas cópias gregas do AT, que era as escrituras da igreja primitiva, é razoável (outra palavra do autor) crer que os escritores do NT quando citavam o AT usavam o nome divino. Observe que essa declaração é uma suposição pessoal, não fato passível de ser verificado.

o    Em analogia a prática judaica pré-cristã, podemos imaginar (palavra do autor), que o NT incorporava o tetragrama quando citava o AT e que usava kurios e theós quando comentavam as citações. Mais uma vez, temos aqui uma afirmação de preferência pessoal, suposição, não de uma comprovação factual. É uma opção possível, não verdadeira.

o    O tetragrama poderia (palavra do autor) ter sobrevivido tanto tempo quanto as cópias da LXX que continham o tetragrama quando usado por cristãos. Ou seja, assim que a LXX deixou de preservar o tetragrama, as versões cristãs do NT também devem (palavra do autor) ter sido retiradas. Outra suposição baseada no que se conhece fora do NT, mas sem qualquer demonstração dentro do NT.

o    A substituição foi rápida e universal, embora é possível (palavra do autor) que alguns grupos mais conservadores, como os Ebionitas, tivessem mantido o uso do tetragrama, pois sua herança judaica demandaria isso deles. Outra possibilidade improvável. O desaparecimento universal e rápido exigiria provas sobreviventes. Como sabemos, cada palavra do NT tem aproximadamente 3 palavras variantes encontradas em diferentes manuscritos. São pouco mais de 400.000 variantes, mas nenhuma indicação de que o Tetragrama tenha passado pelos escritos do NT.

o    Assim ele conclui que a igreja gentílica foi responsável pela remoção do tetragrama do NT, alterando sua forma de modo a influenciar o desenvolvimento da teologia. Conclusão claramente possível, mas não necessariamente verdadeira, afinal depende de outras seis suposições pessoais. Parece que tal conclusão é bem improvável.

Após ler o texto de George Howard chegamos a inevitável conclusão de que há um alto grau de propabilidade intrínseca por falta de amostragem. Uma vez que nenhum manuscrito sequer do Novo Testamento foi encontrado em toda a história com o Tetragrama, as analogias e comparações que encontramos nesse artigo, como o próprio Howard entende, sugerem que o Tetragrama pudesse estar presente, ao contrário daqueles que afirmam que o Tetragrama deveria estar presente.

Com isso, entendemos que a análise de Howard é série é muito bem fundamentada, entretanto insuficiente para ser decisiva: as evidências contrárias são muito claras. Alguém poderia argumentar que Howard estabelece os princípios para a investigação do Novo Testamento. Contudo, como há imovível silêncio nesse assunto, entre todos os manuscritos historicamente conhecidos, não é possível sustentar tal afirmação por falta de amostragem.  Ou seja, entendemos que essa é uma questão possível, mas bem pouco provável. Abaixo transcrevemos seis evidências que sugerem exatamente o oposto sugerido por Howard:

1. Não se conhecem manuscritos gregos das Escrituras Cristãs que usam o Tetragrammaton. No entanto, existem 5.000 manuscritos que utilizam Kyrios, confiavelmente datado entre 201 e 300d.C. Este fato representa um obstáculo intransponível para a inclusão do  Tetragrammaton em traduções atuais das Escrituras Gregas Cristãs.
2. Nenhuma alteração textual das Escrituras Gregas Cristãs poderia acontecer universal e instantaneamente. Qualquer alteração em que Kurios substituísse YHWH teria deixado uma mistura de manuscritos antigos mostrando ambas as formas. Além disso, essa mudança teria deixado variantes no texto grego representando substituições paralelas, não apenas as substituições exatas.
3. Uma alteração nas Escrituras Gregas Cristãs de YHWH para Kurios teria tido uma profunda influência sobre a teologia nas congregações cristãs do primeiro séuclo. Se essas 237 referências foram alteradas a partir do Tetragrammaton para Kyrios, o entendimento das pessoas de Jeová e do Jesus teriam sido radicalmente alterados. É inconcebível que uma mudança tão extrema que pudesse ter ocorrido sem qualquer objeção por parte dos primeiros escritores das congregações cristã e não atacar os pontos de vista divergentes dos seus proponentes. As frequentese heresias e controvérsias que surgiram nos primeiros anos da história da congregação cristã são conhecidos hoje por causa das trocas literárias feitas nos escritos dos Pais da Igreja. (Em muitos casos, os escritos de ambas as facções heréticas e os defensores da fé estão representados.) Assim, os debates dos gnósticos , nominalistas, donatistas, Marcionistas, maniqueus, a controvérsia ariana, e muitos outros são bem conhecidos e documentados para nós hoje. No entanto, em tudo isso, um debate sobre a remoção do Tetragrammaton nunca foi uma vez abordada. Certamente, considerando a magnitude da alteração supostamente, teria sido mencionado tivesse ocorrido.

4. Existem inúmeros escritos antigos além da Escritura. Estes escritos gregos não-canônico freqüentemente citam passagens da Bíblia em hebraico. Não há evidência de que os escritos da época mais antiga congregação cristã tenham utilizado o Tetragrama nestas citações. Em vez disso, estes escritos usam livremente o termo grego Kurios quando citam ou aludem a passagens das Escrituras Hebraicas. O mais antigo desses escritos não teria sido escrito mais do que 10 a 30 anos após o último Evangelho ser escrito. É inconcebível que, dentro de 10 a 30 anos da redação final das Escrituras esses escritos corrompido pudessem ter circulado livremente na congregação cristã primitiva se continha uma heresia tão grave como a deturpação da natureza de Jesus.

5. Existe a possibilidade de um evangelho cristão ter sido originalmente escrito em hebraico, que se mantém desde a era apostólica. Esta Shem-Tob Mateus usou o substituto para o Tetragrama, que significa “O Nome”, como um circunlóquio. Caso Mateus tivesse usado as letras hebraicas YHWH, qualquer indicação disso se perdeu.

6. A precoce expansão geográfica das congregações argumenta contra uma heresia uniforme que poderia expurgar todas as provas escritas de um anterior de ensino, sem qualquer vestígio.

4 comentários sobre “O Tetragrama e o Novo Testamento

  1. Celina Martin

    Marcelo, boa noite!

    Excelente e interessante!
    Não tinha idéia da relação do Tetragrama com o NT!
    Aproveitarei o trabalho para conhecer mais sobre o assunto.

    Obrigada!

    Você sempre nos traz uma nova perspectiva sobre a Palavra de Deus.

    Que Deus continue a usá-lo e iluminá-lo!

    Um abraço da

    Celina.//♥

  2. J.CARLOS

    Olá!!
    Bom dia!

    Creio que O nome de Deus foi removido pela igreja catolica para dar credibilidade a doutrina Platonica da santíssima trindade.(( por Jeronimo, no quinto Século dc )

    abraços e paz a todos

    1. J.Carlos,

      Tenho apenas três comentários a fazer sobre sua declaração:

      PRIMEIRO: Essa foi a intenção desse post: Demonstrar aos defensores que o uso Tetragrama no Novo Testamento é uma questão de fé (ou achismo), como você bem salientou ou de possibilidade, como Howard demonstrou.

      SEGUNDO: Diferente do que você pensa, se o Tetragrama tivesse sido usado no Novo Testamento, ele fortaleceria a Doutrina Bíblica da Trindade, afinal, ocasiões em que Cristo é equiparado a Jeová Deus viriam acompanhadas do Tetragrama. Veja alguns exemplos:

      1. Jesus e YHWH como Criador (Sl.102.25-27; Hb.1.10-12)

      2. Jesus e YHWH visto por Isaías (Is.6.1; Jo.12.41)

      3. Jesus e YHWH precedido por um mensageiro (Is.40.3; Mt.3.3)

      4. Invocar a YHWH e a Cristo para salvação (Jol.2.31; At.2.21; Rm.10.9, 13)

      Infelizmente não temos evidência do uso do Tetragrama no NT, pois se esse fosse o caso, não haveria qualquer dificuldade com a doutrina da Divindade de Cristo, que alguns sempre tentam deturpar.

      TERCEIRO: Sua visão de que Jerônimo teria sido o responsável pela “remoção” do Tetragrama não pode ser verdadeira, pelo simples fato de que existem muitos manuscritos anteriores ao quinto século, gregos e latinos, que não o usaram.

      Grande abraço,
      Marcelo Berti

  3. olá, Marcelo; obrigado por mais esse comentário sucinto, pois creio que o seu esforço tem enriquecido a muitas pessoas, inculsive a mim. No comentário do J. Carlos, ele diz sobre “a doutrina platônica da santíssima trindade”. Mas o que platão tem que ver com a Trindade? (isso é só um comentário). Estou orando por você, abraço.

Os comentários estão desativados.