A relação de autoria entre 1João e o Quarto Evangelho


Os livros de 1João e Hebreus são as únicas cartas do Novo Testamento que não tem seu autor descrito, ou seja, são anônimas. Por isso, não pouco esforço tem sido realizado para determinar com alto grau de certeza quem é o autor desses documentos.

No artigo que trata da autoria de 1João temos demonstrado que além das evidências externas favoráveis à autoria joanina dessa epístola, a relação entre ambos os documentos favorece a tese defendida desde a antiguidade do cristianismo: João é de fato o autor dessa carta.

Até onde se tem conhecimento, Irineu é o primeiro autor cristão à equivaler esses documentos cristãos, e abertamente atribuir ao mesmo autor. Em uma de suas declarações teológicas sobre Jesus Cristo, Irineu teria dito:

Essas palavras concordam com o que ele havia dito no evangelho: ‘O Verbo se fez carne e habitou entre nós’. Por isso, ele afirma em sua Epístola: ‘Todo o que confessa que Jesus é o Cristo é nascido de Deus’; conhecer a Jesus Cristo como o único e o mesmo a quem os portões do céu se abriram por ter assumido sobre si mesmo a carne, o que veio em carne na qual sofreu revelando assim a Glória de Deus” (Adversus Haereses III, 16.8)

Nessa citação de Irineu notamos que desde cedo na história da igreja a relação de autoria entre 1João e o Evangelho que leva seu nome já era assumida e desenvolvida. Entretanto, faz-se necessário verificar se tal elo é de fato verdadeiro ou apenas uma questão tradicional da igreja. Também é importante lembrar que autores cristãos, mais recentes na história vieram a rejeitar essa relação de autoria em função da descrição teológica da epístola ser tão distinta das encontradas no evangelho (ex. C.H. Dodd).

Por essa razão, vamos desenvolver nesse post o que entendemos ser um vibrante elo entre os dois documentos que atestam a similaridade teológica entre os dois documentos, levantando uma forte evidência de que ambos têm o mesmo autor. Essa similaridade se encontra nas declarações (1) da humanidade não regenerada; (2) no resgate soberano oferecido por Deus e (3) na relação da ação divina na prática da vida dos regenerados.

1. Dos não resgatados

Na análise dos documentos que traçamos a relação, a saber 1João e o Evangelho, encontramos grande similaridade teológica no que se refere ao estado daqueles que não foram resgatados, regenerados pela ação soberana de Deus através de Cristo.

a. Em última análise, ambos documentos atestam que o ser humano não resgatado pertence a Satanás, o mentiroso desde o princípio:

Jo.8:44: Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira

1Jo.3:8: Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo

b. Entretanto, tal relação não é apenas assim descrita, afinal o ser humano não resgatado também é descrito como vindo, pertencendo e existindo [em conformidade] neste mundo:

Jo.8:23: E prosseguiu: Vós sois cá de baixo, eu sou lá de cima; vós sois deste mundo, eu deste mundo não sou

Jo.15:19: Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; como, todavia, não sois do mundo, pelo contrário, dele vos escolhi, por isso, o mundo vos odeia

1Jo.2:15-16: Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele porque tudo que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procede do Pai, mas procede do mundo

1Jo.4:5: Eles procedem do mundo; por essa razão, falam da parte do mundo, e o mundo os ouve

c. A relação do ser humano não resgatado com Satanás e com o mundo, o sistema pandemico de rebeldia contra Deus coordanado por Satanás (1Jo.5.19) o subjaz a uma dupla condição (1) primeiramente direcionada ao pecado e sua prática como estado natural e (2) por consequência a um estado de incapacidade [alienação] moral de autonomia ou liberdade dessa condição:

Jo.8:34: Replicou-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: todo o que comete pecado é escravo do pecado

1Jo.3:4: Todo aquele que pratica o pecado também transgride a lei, porque o pecado é a transgressão da lei.

Jo.9:41: Respondeu-lhes Jesus: Se fôsseis cegos, não teríeis pecado algum; mas, porque agora dizeis: Nós vemos, subsiste o vosso pecado

1Jo.1:8: Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade não está em nós

d. Essa relação de prática do pecado é tão intensa que João define que a humanidade em seu estado natural está diretamente associada ao pecado de tal modo que é impossível falar que não existe pecado em sua estrutura. Assim, a existência do ser humano é fadada a uma esfera de aversão, rejeição e alienação a Deus, que o autor desses documentos chama de trevas, ou escuridão, em clara oposição com o caráter santo e iluminado do próprio Deus:

Jo.8:12: De novo, lhes falava Jesus, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida

Jo.12:35: Respondeu-lhes Jesus: Ainda por um pouco a luz está convosco. Andai enquanto tendes a luz, para que as trevas não vos apanhem; e quem anda nas trevas não sabe para onde vai

1Jo.1:6: Se dissermos que mantemos comunhão com ele e andarmos nas trevas, mentimos e não praticamos a verdade

1Jo.2:11: Aquele, porém, que odeia a seu irmão está nas trevas, e anda nas trevas, e não sabe para onde vai, porque as trevas lhe cegaram os olhos

e. Não é à toa que o homem nesse estado é declarado como sem vida, no que se refere à sua espiritualidade e destino eterno:

Jo.5:25: Em verdade, em verdade vos digo que vem a hora e já chegou, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus; e os que a ouvirem viverão

1Jo.3:14: Nós sabemos que já passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos; aquele que não ama permanece na morte

2. Do resgate divino

a. Contudo, é fundamental notar que a visão desse autor sobre a humanidade, apesar de pesada e definda, não é definitiva. Ambos documentos atestam que existe uma intervenção divina definida por seu amor:

Jo.3:16: Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna

1Jo.4:10-11: Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou o seu Filho como propiciação pelos nossos pecados. Amados, se Deus de tal maneira nos amou, devemos nós também amar uns aos outros

b. Essa manifestação amorosa de Deus está diretamente ligada ao envio de Seu Filho para ser salvador de toda a humanidade:

Jo.4:42: …e diziam à mulher: Já agora não é pelo que disseste que nós cremos; mas porque nós mesmos temos ouvido e sabemos que este é verdadeiramente o Salvador do mundo

1Jo.4:14: E nós temos visto e testemunhamos que o Pai enviou o seu Filho como Salvador do mundo

1Jo.2.1-2: Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo; e ele é a propiciação pelos nossos pecados e não somente pelos nossos próprios, mas ainda pelos do mundo inteiro

c. A ação amorosa do Pai é definida e demonstrada pelo envio de Seu Filho mais amado:

Jo.1:14: E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai

Jo.3:16, 18: Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna (…) Quem nele crê não é julgado; o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.

1Jo.4:9: Nisto se manifestou o amor de Deus em nós: em haver Deus enviado o seu Filho unigênito ao mundo, para vivermos por meio dele

d. Esse que é enviado da parte de Deus, Jesus Cristo, é descrito como existindo antes de todas as coisa:

Jo.1:1: No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus

1Jo.1:1: O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos próprios olhos, o que contemplamos, e as nossas mãos apalparam, com respeito ao Verbo da vida

e. Jesus Cristo também é descrito como sendo verdadeiro Deus:

Jo.1:1: No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus

Jo.20:28: Respondeu-lhe Tomé: Senhor meu e Deus meu!

1Jo.5:20: Também sabemos que o Filho de Deus é vindo e nos tem dado entendimento para reconhecermos o verdadeiro; e estamos no verdadeiro, em seu Filho, Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna

f. Entretanto, apesar de Ser antes de todas as coisas e verdadeiro Deus com Deus, Jesus Cristo fez-se carne, verdade que não pode ser negada, antes, deve ser proclamada como descrição da doutrina dos primeiros seguidores de Cristo:

Jo.1:14: E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai

1Jo.2:22:  Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? Este é o anticristo, o que nega o Pai e o Filho.

1Jo.4:2: Nisto reconheceis o Espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus

g. Jesus Cristo, existindo desde sempre e co-eterno com Deus, divino como Ele, foi feito carne com o objetivo de oferecer sua vida em resgate (redenção, propiciação) pelos seres humanos:

Jo.10:11: Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida pelas ovelhas

Jo.10:14-15: Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem a mim; assim como o Pai me conhece a mim, e eu conheço o Pai; e dou a minha vida pelas ovelhas

1Jo.3:16: Nisto conhecemos o amor: que Cristo deu a sua vida por nós; e devemos dar nossa vida pelos irmãos

h. Com seu sacrifício, Cristo não apenas nos comprava para Deus, mas Ele “tira” o pecado e termina com o domínio e as obras do Diabo:

Jo.1:29: No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!

1Jo.3:5, 8: Sabeis também que ele se manifestou para tirar os pecados, e nele não existe pecado (…) Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo

i. Sobre essa ação divina, nós a conhecemos por intermédio daqueles que estiveram com Cristo e sobre Ele anunciaram em toda parte como o tendo visto e ouvido, ou seja, como testemunhas presenciais Daquele que é o Salvador:

Jo.1:34: Pois eu, de fato, vi e tenho testificado que ele é o Filho de Deus;

Jo.19:35: Aquele que isto viu testificou, sendo verdadeiro o seu testemunho; e ele sabe que diz a verdade, para que também vós creiais

1Jo.1:1-3: O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos próprios olhos, o que contemplamos, e as nossas mãos apalparam, com respeito ao Verbo da vida (e a vida se manifestou, e nós a temos visto, e dela damos testemunho, e vo-la anunciamos, a vida eterna, a qual estava com o Pai e nos foi manifestada), o que temos visto e ouvido anunciamos também a vós outros, para que vós, igualmente, mantenhais comunhão conosco. Ora, a nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho, Jesus Cristo.

j. Nesses documentos também encontramos a descrição de que não apenas os seguidores imediatos de Cristo testemunharam sobre Ele, mas o próprio Deus e Seu Espírito são testemunhas de Cristo:

Jo.3:33: Quem, todavia, lhe aceita o testemunho, por sua vez, certifica que Deus é verdadeiro

Jo.5:32: Outro é o que testifica a meu respeito, e sei que é verdadeiro o testemunho que ele dá de mim

Jo.5:37: O Pai, que me enviou, esse mesmo é que tem dado testemunho de mim. Jamais tendes ouvido a sua voz, nem visto a sua forma

1Jo.5:9-10: Se admitimos o testemunho dos homens, o testemunho de Deus é maior; ora, este é o testemunho de Deus, que ele dá acerca do seu Filho. Aquele que crê no Filho de Deus tem, em si, o testemunho. Aquele que não dá crédito a Deus o faz mentiroso, porque não crê no testemunho que Deus dá acerca do seu Filho.

Jo.15:26: Quando, porém, vier o Consolador, que eu vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da verdade, que dele procede, esse dará testemunho de mim

1Jo.5:6: Este é aquele que veio por meio de água e sangue, Jesus Cristo; não somente com água, mas também com a água e com o sangue. E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade

l. Entretanto, o fato de que Deus envia Seu Filho como propiciação por nossos pecados e sobre sua obra testifica e assegura como verdadeira, não isenta uma resposta do ser humano. Não há qualquer automação nesse processo divino de restauração da humanidade, muito pelo contrário: Deus em Cristo faz uma oferta de pacificação e convida os seres humanos a fazerem parte da vida eterna, que em sua qualidade é definida pelo relacionamento com Deus, e em sua validade, como interminável sendo temporal (hoje) e e para sempre (na eternidade). Como todo convite, a oferta de resgate é oferecida a todo e qualquer que receber o presente gracioso de Deus, desse modo, podemos receber (aceitar) o testemunho dos apóstolos, pois esse mesmo testemunho é assegurado por Deus e Seu Espírito:

Jo.3:11: Em verdade, em verdade te digo que nós dizemos o que sabemos e testificamos o que temos visto; contudo, não aceitais o nosso testemunho

Jo.3:31-33: Quem vem das alturas certamente está acima de todos; quem vem da terra é terreno e fala da terra; quem veio do céu está acima de todos, e testifica o que tem visto e ouvido; contudo, ninguém aceita o seu testemunho. Quem, todavia, lhe aceita o testemunho, por sua vez, certifica que Deus é verdadeiro.

1Jo.5:9:  Se admitimos o testemunho dos homens, o testemunho de Deus é maior; ora, este é o testemunho de Deus, que ele dá acerca do seu Filho

m. A resposta apropriada para essa aceitação (recebimento) é apresentada como o exercício da fé e a confissão de sua veracidade:

Jo.3:14-15: E do modo por que Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado para que todo o que nele crê tenha a vida eterna.

1Jo.5:10: Aquele que crê no Filho de Deus tem, em si, o testemunho. Aquele que não dá crédito a Deus o faz mentiroso, porque não crê no testemunho que Deus dá acerca do seu Filho

Jo.1:12: Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome

Jo.9:22: Isto disseram seus pais porque estavam com medo dos judeus; pois estes já haviam assentado que, se alguém confessasse ser Jesus o Cristo, fosse expulso da sinagoga

1Jo.4:2-3: Nisto reconheceis o Espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus; e todo espírito que não confessa a Jesus não procede de Deus; pelo contrário, este é o espírito do anticristo, a respeito do qual tendes ouvido que vem e, presentemente, já está no mundo

n. Recebendo a Cristo (aceitando Seu testemunho), o ser humano passa da morte para a vida e passa a desfrutar da vida eterna com Deus e de seu relacionamento com Ele, pois a verdadeira vida está no Filho de Deus. E participando dessa vida passamos a ser chamados de nascidos de Deus:

Jo.5:24: Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida

Jo. 3:36: Por isso, quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus

Jo.1:4: A vida estava nele e a vida era a luz dos homens

1Jo.3:14: Nós sabemos que já passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos; aquele que não ama permanece na morte

1Jo.5.12: Aquele que tem o Filho tem a vida; aquele que não tem o Filho de Deus não tem a vida

1Jo.2:29: Se sabeis que ele é justo, reconhecei também que todo aquele que pratica a justiça é nascido dele;

Jo.1:13: os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus

3. Da vida cristã

a. Outra interessante conexão entre os dois documentos que apontam uma autoria una está nas descrições da vida cristã. Segundo esses documentos, os cristãos são de Deus e da verdade:

Jo.8:47: Quem é de Deus ouve as palavras de Deus; por isso, não me dais ouvidos, porque não sois de Deus

1Jo.3:10: Nisto são manifestos os filhos de Deus e os filhos do diabo: todo aquele que não pratica justiça não procede de Deus, nem aquele que não ama a seu irmão

1Jo.5:20: Também sabemos que o Filho de Deus é vindo e nos tem dado entendimento para reconhecermos o verdadeiro; e estamos no verdadeiro, em seu Filho, Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna

Jo.18:37: Então, lhe disse Pilatos: Logo, tu és rei? Respondeu Jesus: Tu dizes que sou rei. Eu para isso nasci e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz

1Jo.3:19: E nisto conheceremos que somos da verdade, bem como, perante ele, tranqüilizaremos o nosso coração

b. É por isso que os cristãos são considerados como portadores e praticantes da verdade, pois receberam o Espírito da verdade:

Jo.3:21: Quem pratica a verdade aproxima-se da luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque feitas em Deus

1Jo.1:6: Se dissermos que mantemos comunhão com ele e andarmos nas trevas, mentimos e não praticamos a verdade

Jo.14:17: o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não no vê, nem o conhece; vós o conheceis, porque ele habita convosco e estará em vós

Jo.15:26: Quando, porém, vier o Consolador, que eu vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da verdade, que dele procede, esse dará testemunho de mim

Jo.16:13: quando vier, porém, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará as coisas que hão de vir

1Jo.5:6: Este é aquele que veio por meio de água e sangue, Jesus Cristo; não somente com água, mas também com a água e com o sangue. E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade

c. Os cristãos mantém um relacionamento com Deus e com a Verdade por meio de Jesus Cristo permanecendo em Seu amor:

Jo.15:4-10: Permanecei em mim, e eu permanecerei em vós. Como não pode o ramo produzir fruto de si mesmo, se não permanecer na videira, assim, nem vós o podeis dar, se não permanecerdes em mim. Eu sou a videira, vós, os ramos. Quem permanece em mim, e eu, nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. Se alguém não permanecer em mim, será lançado fora, à semelhança do ramo, e secará; e o apanham, lançam no fogo e o queimam. Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis o que quiserdes, e vos será feito. Nisto é glorificado meu Pai, em que deis muito fruto; e assim vos tornareis meus discípulos. Como o Pai me amou, também eu vos amei; permanecei no meu amor. Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; assim como também eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai e no seu amor permaneço

1Jo.2:6: aquele que diz que permanece nele, esse deve também andar assim como ele andou

1Jo.2:27-28: Quanto a vós outros, a unção que dele recebestes permanece em vós, e não tendes necessidade de que alguém vos ensine; mas, como a sua unção vos ensina a respeito de todas as coisas, e é verdadeira, e não é falsa, permanecei nele, como também ela vos ensinou. Filhinhos, agora, pois, permanecei nele, para que, quando ele se manifestar, tenhamos confiança e dele não nos afastemos envergonhados na sua vinda

1Jo.3:24: E aquele que guarda os seus mandamentos permanece em Deus, e Deus, nele. E nisto conhecemos que ele permanece em nós, pelo Espírito que nos deu

d. Por outro lado, o próprio Cristo habita no cristão amadurecido em Seu relacionamento com Deus:

Jo.6:56: Quem comer a minha carne e beber o meu sangue permanece em mim, e eu, nele.

Jo.15:4: Permanecei em mim, e eu permanecerei em vós. Como não pode o ramo produzir fruto de si mesmo, se não permanecer na videira, assim, nem vós o podeis dar, se não permanecerdes em mim. Eu sou a videira, vós, os ramos. Quem permanece em mim, e eu, nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer

1Jo.2:24: Permaneça em vós o que ouvistes desde o princípio. Se em vós permanecer o que desde o princípio ouvistes, também permanecereis vós no Filho e no Pai

1Jo.3:24: E aquele que guarda os seus mandamentos permanece em Deus, e Deus, nele. E nisto conhecemos que ele permanece em nós, pelo Espírito que nos deu

e. Aqueles que são resgatados por Deus, além de desfrutarem da presença de Cristo, também contam com o privilégio de conhecerem sua palavra. Para João, a Palavra de Cristo permanece nos cristãos:

Jo.5:38: Também não tendes a sua palavra permanente em vós, porque não credes naquele a quem ele enviou

Jo.15:7: Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis o que quiserdes, e vos será feito

1Jo.2:14: Filhinhos, eu vos escrevi, porque conheceis o Pai. Pais, eu vos escrevi, porque conheceis aquele que existe desde o princípio. Jovens, eu vos escrevi, porque sois fortes, e a palavra de Deus permanece em vós, e tendes vencido o Maligno

1Jo.2:24: Permaneça em vós o que ouvistes desde o princípio. Se em vós permanecer o que desde o princípio ouvistes, também permanecereis vós no Filho e no Pai

f. Por outro lado, os cristãos também se esforçam para permanecer nela:

Jo.8:31: Disse, pois, Jesus aos judeus que haviam crido nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos

1Jo.2:27: Quanto a vós outros, a unção que dele recebestes permanece em vós, e não tendes necessidade de que alguém vos ensine; mas, como a sua unção vos ensina a respeito de todas as coisas, e é verdadeira, e não é falsa, permanecei nele, como também ela vos ensinou

g. Os cristãos também buscam guardar a palavra de Cristo e seus mandamentos:

Jo.14:23: Respondeu Jesus: Se alguém me ama, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada.

Jo.15:20: Lembrai-vos da palavra que eu vos disse: não é o servo maior do que seu senhor. Se me perseguiram a mim, também perseguirão a vós outros; se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa.

Jo.17:6: Manifestei o teu nome aos homens que me deste do mundo. Eram teus, tu mos confiaste, e eles têm guardado a tua palavra

1Jo.2:5: Aquele, entretanto, que guarda a sua palavra, nele, verdadeiramente, tem sido aperfeiçoado o amor de Deus. Nisto sabemos que estamos nele

Jo.14:15: Se me amais, guardareis os meus mandamentos

Jo.14:21: Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me manifestarei a ele

Jo.15:10: Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; assim como também eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai e no seu amor permaneço

1Jo.5:2-3: Nisto conhecemos que amamos os filhos de Deus: quando amamos a Deus e praticamos os seus mandamentos. Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamentos; ora, os seus mandamentos não são penosos

h. Os cristãos, seja por sua identidade com Cristo ou com Seus ensinos, serão perseguidos e odiados pelo mundo:

Jo.15:18: Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outros, me odiou a mim

1Jo. 3:13: Irmãos, não vos maravilheis se o mundo vos odeia

i. Isso acontece pelo fato de que não são mais do mundo, mas ainda vivem no mundo:

Jo.15:19: Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; como, todavia, não sois do mundo, pelo contrário, dele vos escolhi, por isso, o mundo vos odeia

Jo.17:16: Eles não são do mundo, como também eu não sou

1Jo.4:5-6: Eles procedem do mundo; por essa razão, falam da parte do mundo, e o mundo os ouve. Nós somos de Deus; aquele que conhece a Deus nos ouve; aquele que não é da parte de Deus não nos ouve. Nisto reconhecemos o espírito da verdade e o espírito do erro

j. Por isso, os cristãos são considerados vencedores:

Jo.16:33: Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo

1Jo.5:4-5: porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé. Quem é o que vence o mundo, senão aquele que crê ser Jesus o Filho de Deus?

l. Os cristãos também são considerados como tendo alegria plena

Jo.15:11: Tenho-vos dito estas coisas para que o meu gozo esteja em vós, e o vosso gozo seja completo

Jo.16:24: Até agora nada tendes pedido em meu nome; pedi e recebereis, para que a vossa alegria seja completa

Jo.17:13: Mas, agora, vou para junto de ti e isto falo no mundo para que eles tenham o meu gozo completo em si mesmos

1Jo.1:4: Estas coisas, pois, vos escrevemos para que a nossa alegria seja completa

4. Conclusão

A similaridade da Teologia e Terminologia de ambos os escritos sugere fortemente que tenham o mesmo autor. De fato, tal semelhança é tão amplamente percebida que negá-la seria um ato de perversão do texto das escrituras. Não à toa, apenas poucos acadêmicos cristãos tem rejeitado essa relação de autoria. Por isso, concluímos com segurança: O autor do evangelho é sem sombra de dúvidas o autor da primeira epístola.