Evidências da Ressurreição de Cristo – Uma resposta a Bart Ehrman


por Willian Lane Craig

Eu quero esboçar brevemente como o argumento histórico para a ressurreição de Jesus se apresenta. Ao construir uma argumentação para a ressurreição de Jesus, é importante fazer uma distinção entre evidência e a melhor explicação para a evidência. Esta distinção é importante, pois na argumentação em questão a evidência é relativamente não-controversa. Como veremos, a evidência é aceita pela maioria dos estudiosos. Por outro lado, a explicação para a evidência é controversa. Que a ressurreição é a melhor explicação para a evidência é uma questão controversa. Embora Dr. Ehrman diga que não possa existir qualquer evidência histórica para a ressurreição, veremos que o que ele realmente quer dizer com suas palavras é que a ressurreição não pode ser a melhor explicação para a evidência, não que não exista evidência.

Prossigo, então, para meu primeiro ponto, a saber:

(I) Existem quatro fatos históricos que precisam ser explicados por alguma hipótese histórica adequada:
– O sepultamento de Jesus.

– A descoberta de seu túmulo vazio.

– Suas aparições post-mortem.

– A origem da crença dos discípulos em sua ressurreição.

Agora, vamos analisar este primeiro ponto mais de perto. Eu quero compartilhar quatro fatos que são largamente aceitos pelos historiadores atualmente.

Fato #1: Após sua crucificação Jesus foi sepultado por José de Arimatéia em uma tumba. Os historiadores sustentam este fato baseando-se em evidencias como:

1. O sepultamento de Jesus é atestado multiplamente por fontes primitivas independentes – Nós temos quatro biografias de Jesus, por Mateus, Marcos, Lucas e João, que formam o Novo Testamento juntamente com várias cartas do apóstolo Paulo. O relato do sepultamento é uma parte do relato de Marcos sobre a história do sofrimento e morte de Jesus. Trata-se de uma fonte muito próxima aos acontecimentos que provavelmente é baseada no testemunho de um observador dos eventos e que, sobre a qual, o comentarista Rudolf Pesch data para algum momento entre sete anos após a crucificação. Além disso, Paulo cita uma fonte extremamente antiga para o sepultamento de Jesus que a maioria dos estudiosos data para algum momento entre cinco anos após a crucificação de Jesus. Testemunhos independentes sobre o sepultamento de Jesus por José de Arimatéia são também fundamentados nas fontes por trás de Mateus e Lucas e o evangelho de João, para não citar o evangelho apócrifo de Pedro. Assim, nós temos pelo menos cinco notáveis fontes independentes sobre o sepultamento de Jesus, algumas extremamente próximas ao evento da crucificação.

2. Como um membro do Sinédrio Judaico que condenou Jesus, José de Arimatéia provavelmente não é uma invenção cristã – Existia uma hostilidade compreensível no início na igreja em relação aos líderes judeus. Aos olhos dos cristãos, eles planejaram a condenação judicial de Jesus. Assim, de acordo com o estudioso do Novo Testamento Raymond Brown, o sepultamento de Jesus por José é “muito provável”, uma vez que é “quase inexplicável” porque os cristãos inventariam uma história sobre um membro do Sinédrio Judaico que fez um bem a Jesus1.

Por estas e outras razões, a maioria dos críticos do Novo Testamento concordam que Jesus foi sepultado por José de Arimatéia em uma tumba. De acordo com John A. T. Robinson da Cambridge University, o sepultamento de Jesus em sua tumba é “um dos mais antigos e melhor-atestados fatos sobre Jesus”2.

Fato #2: No domingo após a crucificação, a tumba de Jesus foi encontrada vazia por um grupo de seguidoras de Jesus. Entre as razões que levaram a maioria dos estudiosos a esta conclusão estão:

1. A tumba vazia também é atestada multiplamente por fontes antigas independentes – A fonte de Marcos não terminou com o sepultamento, mas com a história da tumba vazia, que está ligada à história do sepultamento verbal e gramaticalmente. Além disso, Mateus e João contêm fontes independentes sobre a tumba vazia; esta história também é mencionada nos sermões nos Atos dos Apóstolos (2.29; 13.36); e esta é implícita por Paulo em sua primeira carta à igreja de Corinto (I Co. 15.4). Assim, novamente nós temos múltiplas fontes antigas atestando o fato da tumba vazia.

2. A tumba foi descoberta vazia por mulheres – Na sociedade judaica patriarcal o testemunho de mulheres não possuía consideração. De fato, o historiador judeu Josefo disse que não era permitido às mulheres servirem como testemunhas em um tribunal judaico. À luz deste fato, quão extraordinário é o fato de terem sido mulheres quem descobriram a tumba vazia de Jesus. Qualquer invenção posterior certamente colocaria discípulos homens como Pedro e João como descobridores da tumba vazia. O fato de terem sido mulheres, mais do que homens, que descobriram a tumba vazia, é melhor explicado pelo fato de que elas eram as principais testemunhas para o fato da tumba vazia, e os escritores dos evangelhos sinceramente relataram isto, para eles, a descoberta da tumba pelas mulheres foi um fato incomodo e embaraçoso.

Eu poderia continuar, mas eu acho que foi dito o suficiente para indicar porque, nas palavras de Jacob Kremer, um especialista austríaco sobre a ressurreição, “a confiabilidade das narrativas bíblicas em relação à tumba vazia é sustentada firme-mente pela grande maioria dos exegetas”3.

Fato #3: Em diferentes ocasiões e sobre várias circunstâncias diferentes indivíduos e grupos de pessoas experimentaram aparências de Jesus ressuscitado da morte. Este é um fato que é virtualmente reconhecido universalmente pelos estudiosos, pelas seguintes razões:

1. A lista de Paulo das testemunhas oculares das aparições do Jesus ressurreto garante que tais aparições ocorreram – Paulo nos diz que Jesus apareceu para seu principal discípulo Pedro, então para o grupo dos apóstolos conhecido como “os doze”; então depois ele apareceu para um grupo de 500 discípulos de uma só vez, então para seu irmão mais novo Tiago, que até então era aparentemente um descrente, então para os discípulos. Finalmente, Paulo acrescenta, “ele apareceu também a mim”, quando Paulo era ainda um perseguidor de cristãos (I Co 15.5-8). Dado o momento no qual Paulo escreveu tais informações, bem como sua familiaridade com as pessoas envolvidas, estas aparições não podem ser desconsideradas como simples lendas.

2. Os relatos das aparições nos evangelhos provêm múltiplas e independentes atestações das aparições – Por exemplo, a aparição a Pedro é atestada por Lucas e Paulo; a aparição aos “doze” é atestada por Lucas, João e Paulo; e a aparição para as mulheres é atestada por Mateus e João. As narrativas das aparições alcançam tantas fontes independentes que não se pode racionalmente negar que os primeiros discípulos tiveram tais experiências. Assim, até mesmo o crítico cético do Novo Testamento Gerd Lüdemann conclui, “Pode ser tomado como historicamente certo que Pedro e os discípulos tiveram experiências após a morte de Jesus nas quais Jesus apareceu a eles como Cristo ressurreto”4.

Finalmente,

Fato #4: Os discípulos de repente e sinceramente começaram a acreditar que Jesus havia ressuscitado dos mortos não obstante suas muitas predisposições para o contrário. Pense na situação que os discípulos encararam após a crucificação de Jesus:

1. Seu líder estava morto – E as expectativas judaicas messiânicas não continham a idéia de um Messias que, ao invés de triunfar sobre os inimigos de Israel, seria vergonhosamente executado pelos seus inimigos como um criminoso.

2. Crenças judaicas sobre o além-vida excluíam a possibilidade de qualquer pessoa ressuscitando da morte para a glória e imortalidade antes da ressurreição geral da morte no fim do mundo – Todavia, os discípulos repentinamente começaram a crer tão fortemente que Deus ressuscitou Jesus de dentre os mortos que eles se dispuseram a morrer pela verdade desta crença. Mas então surge a questão óbvia: O que no mundo fez-los acreditar em algo tão antijudeu e estranho? Luke Johnson, um estudioso do Novo Testamento na Emory University, comenta, “Alguma espécie de experiência poderosa e transformativa é necessária para gerar o tipo de movimento como o do cristianismo primitivo”5. E também N. T. Wright, um eminente estudioso britânico, conclui, “Esta é a razão porque, como um historiador, eu não consigo explicar o surgimento do cristianismo primitivo a não ser por Jesus ressuscitando, deixando uma tumba vazia para trás”6.

Em resumo, existem quatro fatos que são reconhecidos pela maioria dos estudiosos: o sepultamento de Jesus, a descoberta do túmulo vazio, suas aparições post-mortem, e a origem da crença dos discípulos em sua ressurreição.

Agora, em uma publicação mais antiga, Dr. Ehrman expressou ceticismo sobre estes fatos. Ele insistiu que não podemos afirmar esses fatos7. Por que não? Bem, ele apresentou duas razões:

Primeiro, ele diz, historiadores não dizem que um milagre provavelmente ocorreu. Mas aqui ele estava obviamente confundindo a evidência para a ressurreição com a melhor explicação para a evidência. A ressurreição de Jesus é uma explicação miraculosa para a evidência existente. Mas a evidência em si não é milagrosa. Nenhum destes quatro fatos é de alguma forma sobrenatural ou inacessível para um historiador. Para prover uma analogia, você sabia que após o assassinato de Abraham Lincoln, houve uma conspiração para roubar seu corpo enquanto este estava sendo transportado por trem de volta a Illinois? Agora, os historiadores obviamente vão querer saber se esta conspiração falhou ou não. O corpo de Abraham Lincoln sumiu do trem? O corpo foi enterrado com sucesso em uma tumba em Springfield? Seus assessores próximos, como o Secretário de Guerra Stanton ou o Vice-Presidente Johnson, afirmaram ter visto aparições de Lincoln após sua morte? Estas são questões que qualquer historiador pode investigar. E o mesmo ocorre em relação aos quatro fatos sobre Jesus.

Mas Professor Ehrman tinha uma segunda razão que justificasse seu pensamento de que historiadores não podem afirmar estes fatos: os relatos dos Evangelhos destes eventos são irremediavelmente contraditórios. Mas o problema com esta linha de argumentação é que ela assume três coisas: (i) que as inconsistências são mais insolúveis do que simplesmente aparentam; (ii) que as inconsistências negam a parte mais importante da narrativa mais do que em relação aos detalhes secundários e periféricos; e (iii) que todas as narrativas possuem a mesma confiabilidade histórica, desde que a presença de inconsistências numa fonte posterior e menos confiável não diminui em nada a credibilidade de uma fonte anterior e mais fidedigna. Na verdade, quando você olha para as supostas inconsistências, o que você descobre é que a maioria delas – como nomes e número de mulheres que visitaram a tumba – são simplesmente aparentes inconsistências, não inconsistências reais. Além do mais, as alegadas inconsistências encontram-se em detalhes secundários e circunstanciais da história e não têm absolutamente nenhum efeito sobre os quatro fatos que eu citei.

Assim, a maioria dos historiadores não foi dissuadida por este tipo de objeção. E, na verdade, o Dr. Ehrman repensou sua posição nestas questões. Não obstante as inconsistências em detalhes, ele agora reconhece que nós temos “sólidas tradições”, não apenas para o sepultamento de Jesus, mas também para a descoberta da tumba vazia pelas mulheres e, portanto, ele diz, nós podemos concluir com “certa certeza” que Jesus foi de fato sepultado pode José de Arimatéia em uma tumba e que três dias depois a tumba foi encontrada vazia8.

Quando eu descobri que Professor Ehrman mudou de opinião em relação a esta questão, minha admiração por sua honestidade cresceu. Pouquíssimos estudiosos, uma vez que já se declararam em relação a um assunto, possuem coragem para repensar sobre este assunto e admitir que estavam enganados. A mudança do Dr. Ehrman em sua opinião sobre estas questões é testemunha, não apenas para a força da evidência acerca destes quatro fatos, mas também para sua determinação de seguir a evidência não importa aonde ela o conduza. O que isto significa é que meu primeiro ponto não é uma questão de discordância no debate desta noite. O debate vai se concentrar em relação à resposta de Dr. Ehrman para meu segundo ponto, a saber:

(II) A melhor explicação para estes fatos é que Jesus ressuscitou dentre os mortos.
Esta, obviamente, foi a explicação que as testemunhas oculares deram aos acontecimentos, e eu não consigo pensar em uma explicação melhor. A hipótese da ressurreição passa por todos os critérios para ser uma melhor explicação, como poder explanatório, escopo explicativo, plausibilidade, e os demais critérios. Claro, através da história várias explicações naturalistas alternativas para a ressurreição têm sido propostas, como a hipótese de Conspiração, a hipótese da Aparente Morte, a hipótese de Alucinação, etc. No julgamento dos estudiosos contemporâneos, entretanto, nenhuma destas hipóteses naturalistas proveu uma explicação para os fatos. Nem mesmo o Dr. Ehrman sustenta alguma destas explicações naturalistas para os fatos.

Então, podemos perguntar, por que Dr. Ehrman não aceita a ressurreição como a melhor explicação? A resposta é simples: a ressurreição é um milagre, e Dr. Ehrman recusa a possibilidade de se estabelecer um milagre. Ele escreve, “Uma vez que historiadores podem estabelecer apenas o que provavelmente aconteceu, e um milagre desta natureza ser um evento altamente improvável, o historiador não pode dizer que a ressurreição ocorreu”9. Este argumento contra a identificação de um milagre é velho, já refutado no século XVIII por alguns eminentes estudiosos como William Paley e George Campbell, e é rejeitado como falacioso por muitos filósofos contemporâneos igualmente.

Dr. Ehrman sustenta que nós nunca podemos dizer que um milagre como a ressurreição provavelmente aconteceu porque milagres, por sua própria natureza, são intrinsecamente improváveis. Agora, a despeito do que ele disse, este argumento não é novo. Ele já foi proposto no século XVIII por David Hume em seu ensaio Of Miracles. O argumento do Dr. Ehrman é apenas uma versão recauchutada do pensamento de David Hume. Agora, o que os filósofos contemporâneos pensam sobre o argumento de Hume contra a identificação de milagres? Bem, permitam-se apresentar-lhes outro Earman, John Earman, Professor de Filosofia da Ciência na University of Pittsburgh.

Este Professor Earman não é um cristão; na verdade, ele é um agnóstico. Ele nem mesmo acredita na existência de Deus. Todavia, veja o que ele pensa sobre o argumento de Hume: não é apenas um fiasco, é um fiasco desprezível. Isto é para dizer que, ele é demonstradamente, irremediavelmente, desesperadamente falacioso. Permitam-me explicar por que.

Quando falamos sobre a probabilidade de algum evento ou hipótese A, esta probabilidade é sempre relativa a um corpo de informações de um contexto B. Assim, nós dizemos sobre a probabilidade de A sobre B, ou de A em relação a B.

Então, a fim de descobrirmos a probabilidade da ressurreição, tomemos B como o corpo de informações que nós temos à parte de qualquer evidência para a ressurreição. Tomemos E para a evidência específica da ressurreição de Jesus: a tumba vazia, as aparições post-mortem, etc. Finalmente, tomemos R como a ressurreição de Jesus. Agora, o que nós queremos descobrir é a probabilidade da ressurreição de Jesus dado o corpo de informações que nós temos e a evidência específica neste caso.

Probabilidade da Ressurreição
Probabilidade da Ressurreição

Os teóricos em probabilidade desenvolveram uma fórmula muito complexa para calcular probabilidades como esta, e eu vou caminhar com vocês passo a passo, então vocês a entenderão.

O primeiro fator que nós precisamos considerar é a probabilidade da ressurreição sobre o corpo de informações que nós temos, apenas:

 

Pr (R/B) é chamada de intrínseca probabilidade da ressurreição. Ela nos diz o quão provável a ressurreição é dado o corpo de informações que temos.

A seguir nós a multiplicamos pela probabilidade da evidência dado o corpo de informações que temos e a ressurreição:

 

Pr (E/B & R) é chamado de poder explanatório da hipótese da ressurreição. Ela nos diz o quão provável a ressurreição torna a tumba vazia e os demais fatos. Estes dois fatores formam o numerador do cálculo.

Agora, na linha de baixo, no denominador, apenas reproduza o denominador. Apenas mova tudo o que está no numerador para a linha de baixo:

 

Finalmente, nós adicionamos a este produto dois novos fatores: a intrínseca probabilidade que Jesus não ressuscitou de dentre os mortos e o poder explanatório da hipótese da não-ressurreição:

 

Basicamente, Pr (not-R/B) x Pr (E/B& not-R) representa a intrínseca probabilidade e o poder explanatório de todas as explicações naturalistas alternativas à ressurreição de Jesus.

Assim, a probabilidade da ressurreição de Jesus relativa ao corpo de informações que temos e a específica evidência é equivalente nesse cálculo complicado.

Agora nós estamos prontos para observar precisamente onde o erro do Dr. Ehrman mente. Então, em homenagem ao desprezível erro de Hume, eu lhes dou: o Erro Escandaloso de Ehrman.

 

Ele diz: “Uma vez que historiadores podem estabelecer apenas o que provavelmente aconteceu, e como um milagre é em sua natureza muito improvável, os historiadores não podem dizer que a ressurreição provavelmente aconteceu”.

Em outras palavras, ao calcular a probabilidade da ressurreição de Jesus, o único fator que ele considera é a intrínseca probabilidade apenas [Pr (R/B)]. Ele simplesmente ignora todos os outros fatores. E isto é uma falácia aritmética. A probabilidade da ressurreição poderia ainda ser muito alta mesmo que a Pr (R/B) tivesse um valor muito baixo. Especificamente, Dr. Ehrman ignora os fatores cruciais das alternativas naturalistas para a ressurreição [Pr (not-R/B) x Pr (E/B & not-R)]. Se estes fatores possuem baixos valores, eles vão contrabalançar a qualquer intrínseca improbabilidade da hipótese da ressurreição.

Nós podemos ver isto ao olhar para a forma dos cálculos de probabilidade. Eles têm esta forma:

 

Eles têm esta forma, pois o numerador é reproduzido no denominador. Agora, observe que quanto mais próximo de zero o Y estiver, mais o valor deste cálculo se aproxima de 1, que na teoria de probabilidade representa “absoluta certeza”. Então, o que é realmente crucial aqui é a probabilidade de Y, que representa a intrínseca probabilidade e o poder explanatório das explicações naturalistas para a ressurreição de Jesus. Então, o Dr. Ehrman não pode simplesmente ignorar estas hipóteses inconsistentes. Se ele quiser explicar que a ressurreição é um evento improvável, ele precisa não apenas derrubar todas as evidências para a ressurreição, mas ele também precisa erigir um caso positivo em favor de alguma explicação naturalista alternativa à ressurreição.

Mas isto não é tudo. Dr. Ehrman apenas assume que a probabilidade da ressurreição em relação ao corpo de informações que temos [Pr (R/B)] é muito pequeno. Mas aqui, eu penso, ele se confundiu. O que, afinal de contas, é a hipótese da ressurreição? É a hipótese de que Jesus ressuscitou sobrenaturalmente da morte. Não é uma hipótese de que Jesus reviveu naturalmente da morte. Que Jesus ressuscitou naturalmente da morte é fantasticamente improvável. Mas eu não vejo nenhuma boa razão para considerar como improvável o fato de Deus ter ressuscitado Jesus de dentre os mortos.

A fim de mostrar que esta hipótese é improvável, você teria de mostrar que a existência de Deus é improvável. Mas Dr. Ehrman disse que um historiador não pode dizer nada sobre Deus. Portanto, ele não pode dizer que a existência de Deus é improvável. Mas se ele não pode dizer isto, ele também não pode dizer que a ressurreição de Jesus é improvável. Portanto, a posição do Dr. Ehrman é literalmente autocontraditória.

Mas isto fica ainda pior. Existe outra versão da objeção do Dr. Ehrman que é ainda mais falaciosa que o “Erro Escandaloso de Ehrman”. Eu o chamo de “A Mancada do Ehrman”.

 

Aqui está: “uma vez que historiadores podem estabelecer apenas o que provavelmente aconteceu no passado, eles não podem mostrar que milagres aconteceram, uma vez que isto envolveria uma contradição – que o maior dos eventos improváveis é mais provável”.

A verdade é que não existe em absoluto nenhuma contradição aqui porque estamos falando sobre duas probabilidades diferentes: a probabilidade da ressurreição em relação ao corpo de informações que temos e a evidência [Pr (R/B & E)] e a probabilidade da ressurreição sobre o corpo de informações que temos apenas [Pr (R/B)]. Não é surpresa alguma que a primeira probabilidade possa ser muito alta enquanto a segunda possa ser muito baixa. Não existe absolutamente nenhuma contradição. Em suma, o fundamental argumento do Dr. Ehrman contra a hipótese da ressurreição é demonstradamente falacioso.

Hume, porém, tinha uma desculpa para sua desprezível falácia: o cálculo de probabilidade não havia sido desenvolvido em seu tempo. Mas hoje os estudiosos do Novo Testamento não têm mais esta desculpa ao usar a seu favor um pensamento demonstradamente falacioso. Agora, Dr. Ehrman já mostrou que possui honestidade intelectual para mudar de opinião sob o poder da evidência empírica. Mas, neste caso, a mudança de sua opinião é matematicamente obrigatória, e eu espero que ele faça uso da mesma honestidade intelectual que o levou a mudar de opinião a respeito dos quatro fatos, que esta honestidade o conduza a repensar sua oposição à hipótese da ressurreição.

Artigo composto de parte do Debate entre Willian Lane Craig e Bart Ehrman, sob o título: “Existem Evidências Históricas para a Ressurreição de Jesus?” no College of the Holy Cross, Worcester, Massachusetts em 28 de Março de 2006. Originalmente publicado no site Reasonable Faith.