O Plano da Salvação


por Rev. Noé Wey

E todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo! – Atos 2.21

Esta passagem faz parte de uma célebre profecia de Joel, citada pelo apóstolo S. Pedro, para ilustrar o miraculoso evento do dia do Pentecostes. A aplicação literal do texto é para aqueles que foram libertados da destruição de Jerusalém, crendo nas palavras de Jesus dando atenção aos avisos e invocando o nome do Senhor. Mas o texto não necessita de ser assim restringido, visto que temos uma passagem paralela em Rom. 10:13, quando o apóstolo S. Paulo fala sobre a pregação do Evangelho a todos, indistintamente. Neste versículo temos resumidamente o plano divino da nossa salvação. Notemos:

I – A Sua Universalidade. “Todo aquele” – diz o apóstolo S. Pedro. “Deus não faz acepção de pessoas”.

Não há restrição de nacionalidade – Entre os homens faz-se distinção de sangue, de cor, de língua, de nacionalidade, mas Deus diz: “Todo aquele” de qualquer nação, povo, cor, tribo ou língua. Grego, romano, judeu, gentio, ariano, branco, preto, amarelo, vermelho. Deus não faz distinção de nacionalidade.

Não há restrição de saber – O plano divino da salvação não exclui os sábios, os cientistas, os filósofos, os intelectuais, como também não exclui os iletrados, os analfabetos, os indoutos. O mais pobre e obscuro selvagem alapado nos ínvios sertões também está incluído no plano de Deus.

Não há restrição de classes – Os ricos, os nobres, os grandes não são excluídos. Nem os pobres, os humildes, os mendigos, os indigentes. Os homens fazem distinção de castas, de classes, mas Deus não faz diferença de pessoas.

Não há restrição de sexo nem de idade – Onde o evangelho não domina, o sexo feminino é rebaixado, aviltado e desprezado. A mulher deixa de ser uma personalidade para ser um simples objeto como qualquer outro. O Evangelho eleva, dignifica o sexo feminino, tornando-o igual ao homem na sua dignidade de privilégios. Não há restrição de idade – “Todo aquele” inclui todos: Crianças, moços, homens e velhos.

Não há restrição moral – A salvação é oferecida ao homem moral, educado, isento de pecados graves e grosseiros. Sim, todos são bem-vindos. Mas o maior pecador também não é excluído. “Todo aquele”,  também abrange os publicanos, as meretrizes, os ladrões, os bêbados, os criminosos. Toda classe de pecadores.

Mas no Plano da Salvação há:

II – Uma condição – “Todo aquele que invocar o nome do Senhor”. Invocar o nome do Senhor diz a condição.

1 – Invocar aqui implica:

Reconhecimento de perigo – Ninguém invocará sem que primeiro sinta e reconheça que está em perigo. Pedro, sentindo o perigo de perecer afogado no mar sobre cujas águas vinha andando, gritou a Jesus: “Senhor, salva-me!”. Quando nos convencemos do pecado e reconhecemos o perigo de ficarmos para sempre separados de Deus, pois o pecado dele nos separa, somos impulsionados a invocar: “Senhor Jesus, tem misericórdia de mim”.

Invocar ainda implica reconhecimento de incapacidade – Quando nos convencemos de nossa insuficiência para nos livrar do pecado e suas trágicas conseqüências, então invocamos: “Senhor Jesus, salva-me que eu pereço”.

2 – Notemos o objeto da invocação:

“Todo aquele que invocar o nome do Senhor”. O nome do Senhor Jesus, o Deus da nossa Salvação. Notemos: não o nome de qualquer pessoa, seja homem ou mulher, santo ou santa. “Nenhum deles pode remir a seu irmão” diz o salmista. Sl. 49:7

“Eu sou o caminho, a verdade e a vida, ninguém vai ao Pai senão por mim” disse Jesus.

E S. Paulo confirma na sua primeira carta a Timóteo 2:5,6: “ Porque há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem, o qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos”. É por isso que o mesmo S. Pedro, no seu sermão registrado no livro de Atos dos Apóstolos, capítulo 4 e verso 12, diz: “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há dado aos homens, pelo que devamos ser salvos”. Não sabemos de outra pessoa, homem, mulher, que, vindo a este mundo e não tendo pecado, morresse pregado na cruz pelos pecadores. Só e unicamente Jesus. Só Ele, portanto nos pode perdoar os pecados, lavar as nossa almas de toda a mancha, dar-nos paz e vida eterna. A Ele pois é que devemos invocar!

Agora:

3 – A certeza – “Será salvo”.

Deus não pode mentir, não pode negar-se a si mesmo. “Deus não é homem pra que minta, nem filho do homem para que se arrependa; porventura diria Ele, e não o faria? Ou falaria, e não confirmaria? Números 23:19. A glória de Jesus é atender, socorrer e salvar.

Pedro invocou: “Senhor salva-me” e foi salvo de ser afogado.

O cego Bartimeu implorou: “Jesus, filho de Davi, tem misericórdia de mim. E foi livre da cegueira.

O leproso clamou: “Senhor, se tu queres, bem podes limpar-me”. Foi purificado da lepra.

O ladrão da direita, na cruz pediu: “Senhor, lembra-te de mim quando entrares no teu Reino. Em verdade te digo que hoje estará comigo no Paraíso”. Foi atendido, foi salvo.

Jamais alguém invocou a Jesus sinceramente sem que recebesse uma grande benção. Ele mesmo disse: “O que vier a mim, jamais o lançarei fora”.

“Todo aquele que invocar o nome do Senhor, será salvo”.

Amados ouvintes: O Plano Divino da Salvação é Universal, abrange a todos. Portanto, é para vós também. A condição é que invoqueis o nome do Senhor. O resultado é a certeza da salvação. Já invocastes o Senhor? No reconhecimento do perigo em que se acha a vossa alma de ficar para sempre separado de Deus, pelo pecado; na convicção da vossa incapacidade de por vós mesmos vos salvar; na certeza da vossa necessidade de socorro e valimento. Invocai ao Senhor, suplicai a Ele como outrora Pedro. “Senhor, salva-me. Ele vos livrará do castigo do pecado, pelo perdão, do domínio  do pecado, pela redenção e da presença do pecado, pela glorificação no Paraíso Eterno.

“Buscai ao Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto”

Mensagem proferida pelo Reverendo Noé Wey

na rádio Cacique, Araguari 1949