Uma mãe segundo o Coração de Deus


Pr. David Merkh

Quanta diferença a mulher faz no lar! Uma vez por ano, paramos para refletir um pouco sobre esse assunto. Qual a diferença que a mãe cristã faz, ou deve fazer, no lar? Hoje gostaria de olhar para a vida de 3 mães que admiro muito nas Escrituras, para descobrirmos a diferença que uma mãe, pela graça de Deus, pode fazer na vida de sua família. Também seremos desafiados, todos nós—mães, pais, filhos, solteiros, viúvas—com qualidades de caráter de pessoas transformadas por Deus

Qual a diferença que uma mãe com um grande Deus pode fazer? Vamos examinar a vida de três mães, que realmente fizeram uma diferença—Ana, mãe de Samuel; Joquebede, mãe de Moisés; e Eunice, mãe de Timóteo. ação ou significado. Lembrar maridos que é suficiente para a mulher ser uma mãe e esposa piedosa. Lembrar todos nós de como devemos ser gratos que Deus chamou mães para fazer o que fazem. Mas acima de tudo, lembrar que o mesmo Deus digno, fiel, bondoso, é o nosso Deus também.

I. Ela Entrega Seus Filhos para Deus

(Ana e Samuel–1 Sm. 1:1-3, 6-8, 9-11, 15, 19-28, Pv 22.6)

Sl 127.3 Herança do Senhor são os filhos, o fruto do ventre seu galardão.

Pv. 22.6 = “dedique” ou “consagre” a criança; entregue!

Nossos filhos não são nossos. Pertencem a Deus. Somos mordomos das pequenas vidas que Deus nos empresta, para serem moldados conforme a Sua imagem. Somos pastores que cuidam dessas ovelhas para o Supremo e Bom Pastor. Para isso, temos que entregá-los a Deus, confiante de que Ele é um Deus BOM, CONFIÁVEL, DIGNO do nosso melhor.

A Hístória: (Ler 1 Sm. 1:1-3, 6-8, 9-11, 15, 19-28)

*uma mulher piedosa (3) mas sem filhos, enquanto Eli, o sacerdote insensível, tem (4)

*Uma mulher injustiçada pela sua rival, mas que levava isso para Deus (7-10; 1 Pe 5.7)

*Uma mulher que ofereceu seu melhor para Deus, reconhecendo que foi Ele que o deu para ela (note nome: Samuel, ou seja, “nome de Deus”) e cumpriu seus votos (1:11, 19-23, 27,28).

(Sempre fiquei intrigado com uma questão: como que Ana entregou o filho precioso dela para ser cuidado por Eli, um pai que já havia perdido seus próprios filhos? A resposta é que Ana não deu Samuel para Eli, ela o deu para Deus! Assim como a viúva que entregou suas duas moedinhos no Templo na época de Jesus, Ela o entregou para Deus, não para homens corruptos.

Note o espírito com que Ana entregou Samuel ao Senhor—foi com alegria, adoração, júbilo (2.1ss). Ela louva a Deus pela Sua santidade (2.2), conhecimento (3), poder (4-8) e juízo (9,10). Novamente, foi DEUS, e não Ana, o foco da história.

Aplic.: Ana confiava totalmente na soberania de Deus! Deus sabe melhor. Podemos descansar, entregando nossos filhos a um Deus grande, digno, confiável e bom.Ai dos pais que têm um deus tão pequeno que não é digno de ser confiado com a vida dos filhos. Que pena dos pais que precisam ser Deus na vida dos seus filhos, e não podem confiar num Deus soberano que os ama mais que eles.

Que alicerce bíblico cedo na vida prepara o caminho para o futuro! (Note que Ana só levava o filho depois de desmamado—1 Sm 1.22,24; a palavra “gamal” traz a idéia de “plenamente tratado” ou “preparado”. Não foi só a nutrição do seu corpo, mas da sua alma também, que fez a diferença nos primeiros 3 anos!).

A importância de dedicar nossos filhos ao Senhor–não somente num culto, mas durante a vida. Nossos filhos pertencem ao Senhor. Entregar/devolver nossos filhos a Ele é a única resposta lógica para um pai cristão! Mas muitos pais tentam guardar seus filhos para si . . . queremos que nossos sonhos, nossas expectativas se realizem neles. Às vezes tentamos viver nossas vidas através deles. Tentamos segurá-los tanto tempo quanto possível. E às vezes impedimos que sirvam ao Senhor. A dedicação dos nossos filhos não deve ser “de boca para fora” mas sincero. Devemos encorajar nossos jovens a seguirem passos que os levarão a uma vida frutífera para o Senhor.

Filhocentrismo: filhos não são a razão da nossa existência; existem para o Senhor!

II. Ela Ensina Seus Filhos sobre Deus:

(Moisés/Joquebede/Anrão (Ex 6.2), Ex. 2.9-12; Hb 11.23-27)

Além de entregar seus filhos a Deus, a mãe que tem um grande Deus também faz seu papel de ensinar seus filhos sobre Deus. Implícito na idéia de Pv 22:6 (consagre seu filho ao Senhor…) é um processo de acompanhamento, de construção, colocando o filho no caminho do Senhor.

Para essa mãe, Deus é soberano, fiel e nosso único Rei!Ilust.: Seqüestro de um de nossos filhos (como Moisés, José, Daniel, moça em Reis, serva de Naamã). . . o que será dele? Muito depende da formação que já recebeu, nos primeiros anos de vida! Se meu filho de 7 anos fosse sequestrado, teria a bagagem bíblica, o legado espiritual, para continuar firme com o Senhor?

A. A História: O mais importante nesse ensino que Anrão e Joquebede deram para o pequeno Moisés, foi sua identidade como filho de Deus, e o fato de que era melhor obedecer a Deus do que aos homens.

O desenvolvimento da história de Moisés é fascinante. Diante do decreto de Faraó, que todos os bebês masculinos fossem mortos, Joquebede…

*Ela protegeu seu filho, pela fé (coragem para resistir o decreto) (2:2)*Ela planejou para sua salvação (2:3,4)

*Ela ensinou-o sobre sua verdadeira identidade (2.9,10); Sabemos disso por causa de 2:11 “saiu a seus irmãos”) (n.b. chamado um egípcio em 2:19—pareceu, mas não era) e 3:6 Deus disse “Sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão . . .”. Veja Atos 7.20-25, onde descobrimos que foi visitar seus irmãos com 40 anos de idade, imaginando que eles também sabiam da sua identidade como o Libertador, como provavelmente tinha sido ensinado pelos seus pais.

Hb. 11:23-27 Note: Pela fé, Moisés foi ocultado por seus pais… Parece que foi a fé de Moisés, mas de fato era dos pais. Mas ele era tão identificado com a fé deles, que é como se fosse dele. Coragem para desobedecer o rei . . . um modelo para seu filho (imagine a fé de entregar seu filho precioso para a filha do rei pagão que quer destruí-lo!) Mais tarde, Moisés precisaria desse tipo de convicção da sua identidade para enfrentar Faraó!

B. Aplicação: Podemos ensinar nossos filhos sobre sua verdadeira identidade como filhos de Deus.Pais que não têm medo de viver pela fé, viver como povo de Deus. Esta mesma fé foi transmitida para seu filho infante, que depois escolheu identificar-se com o povo de Deus, fazendo assim uma enorme diferença.

*Modelar coragem! Ficar sós, quando necessário, pela causa de Cristo

*Modelar identidade em Cristo (quem eu sou determina o que eu faço) (ensinar nossos filhos o que significa viver pela graça . . .avaliar a vida a luz da eternidade.Filho do Rei, povo escolhido por Deus, sacerdócio real, príncipes, adotado na família de Deus, aceito em Cristo, vivo dentre os mortos, perdoado, redimido, embaixador do Rei dos reis, Filho seguro, selado pelo ES, nunca sozinho, Herdeiro da Vida Eterna*Desafiar nossos filhos a serem corajosos:–ministério–missões–testemunho na escola, na vizinhança, universidade, etc.

III. Ela Equipa Seus Filhos com a Palavra de Deus

(Timóteo: Eunice e Lóide; 2 Tm. 3:14ss; 2 Tm. 1:5,6;)

Muitos consideram Paulo o pai espiritual de Timóteo, e têm razão. De fato, Paulo era o pai na fé que Timóteo nunca tinha (2 Tm 1.3,4; Fp 2.22; 1 Co 4.17.) Mas muito antes do Apóstolo, o jovem ministro tinha uma mãe espiritual e uma avó espiritual—Eunice e Lóide. Quando Paulo encontrou Timóteo em Atos 16.1-3, ela já era uma obra praticamente terminada. Era discípulo, com bom testemunho em toda a região de Listra e Icônio. Cabia ao Paulo dar aqueles ‘retoques finais’ para estabelecer Timóteo como servo do Senhor.

Para essa mãe, Deus se revelou de forma pessoal, pela Sua Palavra! Não nos deixou sós, órfãos, mas deu-nos Sua Palavra para nos conduzir pelo labirinto de vida!

Como isso aconteceu? O segredo foi o preparo, o equipamento, dado para Timóteo em casa, baseado na Palavra de Deus! E notem que foi um lar dividido. Tudo indica que o pai de Timóteo era incrédulo, um grego que provavelmente não seguia a fé judaica (sabemos disso pelo fato de que, em At 16.3, Timóteo não era circuncidado. A vontade do pai dele então prevalecia em questões rituais de religião.

A. Equipa o filho com Um Legado de Fé, (mesmo que dividido)

2 Tm. 1:5–fé sem fingimento que veio de duas gerações de mulheres de Deus (o exemplo de mãe e avó, sem o apoio de pai e avô; mesmo assim, há poder no exemplo da mãe) (At. 16:1)

Uma mãe com marido descrente; uma avó piedosa; uma viúva; um divorciado PODE criar um filho que teme a Deus sozinho. O segredo não está nos pais, mas em Deus e Sua Palavra! Todos nós temos esse mesmo recurso!

Aplic.: O bastão da fé precisa ser transmitido de geração a geração! Podemos INICIAR um novo legado!

B. Equipa o filhos com O Ensino da Palavra, desde o berço

2 Tm. 3:14-17–desde a infância (quando era bebê!)

*sábio para a salvação;

*perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra = equipado para servir o povo de Deus como líder, mesmo sendo jovem!

Fp 2.19-23 – a vida de Cristo em Timóteo (20,21), caráter provado, “tal pai, tal filho”.

Dt. 6:4-9 aproveitando todos os momentos oportunos, de não conflito, para ensinar nossos filhos sua identidade como filhos de Deus; a importância de culto familiar, memorização da Palavra, músicas, atmosfera do lar, etc.: tudo tem significado. Não é fácil, certamente custa, mas é justamente na preparação de uma futura geração de líderes que a mãe encontra seu significado duradouro.

1 Tm 2.15 Todavia, será preservada (salva) através de sua missão de mãe, se elas permanecerem em fé e amor e santificação, com bom senso. (Testemunho da vida de Timóteo! Ele teria entendido!)

Aplicação: A Diferença está na Palavra de Deus, transmitida por um legado de fé.

*Pais são muito importantes, mas pela graça de Deus, a mãe pode criar filhos que lideram o povo de Deus

*Mesmo quando o marido seja descrente, a mãe piedosa faz toda a diferença. Às vezes parece ser uma batalha perdida, nadando contra a maré, mas uma fé simples semeada cedo na vida da criança pode gerar fruto eterno.

*1 Co. 7:14–uma mãe convertida “santifica” ou “separa” seus filhos para o Senhor.(para ação e atenção especial de Deus)

Conclusão:

A mãe não precisa entrar em greve para mostrar a diferença que faz no lar. Não precisa abandonar seu marido e filhos por 9 dias para eles descobrirem o quanto precisam dela!

A mãe que realmente faz diferença:

1) Entrega seus filhos ao Senhor (prepará-los para servir ao Senhor)

2) Ensina seus filhos sobre o Senhor, e sua verdadeira identidade, coragem para ficar sós (prepará-los a identificar com o povo de Deus)

3) Equipa seus filhos com a Palavra de Deus, para servir ao Senhor Mas a resposta não está tanto nas mães, e sim no DEUS dessas mães. Um Deus digno e confiável, a quem entregá-los. Um Deus fiel, que nos deu uma identidade como filhos e por isso coragem para resistir o mal; Um Deus bom, que nos deu Sua Palavra, para conduzir nossas vidas. Como pais e mães, somos falhos. Mas pela graça de Deus, com um grande Deus, podemos fazer uma diferença neste mundo, a começar com nossos lares. Um amigo escreveu um livreto chamado “A Videira Frutífera”.

Ele diz, “Mães estão procurando sua realização em carreiras, programas da igreja, ou atividades sociais fora do lar. Estão jogando fora a maior maneira de alcançar uma influência e realização que realmente permanecerão quando não focalizam no seu papel como mãe . . . Seu maior ministério espiritual é para sua família. Ela é o centro do lar. Ela é o ministro principal na vida dos seus filhos.”

Uma mãe que teme a Deus e capaz de fazer toda a diferença.

A MÃO QUE BALANÇA O BERÇO, impacta o MUNDO para eternidade.

A maneira que Deus ordenou para a mãe realmente fazer uma diferença não é sendo uma secretária executiva, uma recepcionista, uma ortodonta ou mulher de negócios; não é através de atividades sociais, clubes, ou até mesmo a igreja. Estas coisas podem ser boas, quando ocupam seus devidos lugares, mas não são as maneiras principais pelas quais a mãe deixa sua marca no mundo. A mãe deixa uma marca no mundo quando ela prepara uma nova geração que por sua vez se levantará e continuará a fé. Esta é a prioridade principal da mãe piedosa–preparar seus filhos para o Reino de Deus.

Proposição: A MÃO QUE BALANÇA O BERÇO, impacta o mundo para eternidade. (A mãe que tem um grande Deus deixa uma marca para eternidade na vida de seus filhos.)

Que diferença maravilhosa a mãe piedosa pode fazer!