Vinho de Acordo com o AT


[Parte 1]

Talvez você já tenha passado por uma situação similar. Você está na igreja em uma aula do grupo de jovens da Escola Dominical. O assunto é relacionado a vida cristã, namoro, decisões e o futuro. No fim da aula, o professor ainda tem alguns minutos sobrando e decide abrir aquele momento para perguntas. Então, lá no fundo, um jovem com barba por fazer, cabelo por lavar e com a camiseta do Nirvana pergunta: “Professor, o que o sr. acha de bebidas alcoólica? A bíblia proíbe o cristão de beber cerveja?“. Ele mal termina a pergunta, e já se ouve aquele “Aww” em um misto de susto e escândalo pelo tipo da pergunta. É como se esse questão estivesse fora do escopo de perguntas permitidas na Escola Bíblica.

O professor sabe que não tem tempo para dar uma explicação mais detalhada, mas não pode deixar de responder a pergunta. Ele não quer que as pessoas pensem que a pergunta é ilegítima, mas também não se sente à vontade para responder a pergunta e apresentar sua opinião. Então, ele pede para que seus alunos leiam Pv.20.1 e pergunta: “Como a bíblia apresenta o vinho aqui?” Os alunos prontamente respondem dizendo que é zombador e promotor de intrigas. Na sequência, o professor sugere que seus alunos leiam Pv.31.4 e pergunta, “Qual é a ordenança das escrituras para o cristão de acordo com esse texto?” Seu alunos, ávidos por conhecimento então respondem: “Não convém para o cristão beber vinho“. Então o professor completa: “Por que vocês acham que a Bíblia oferece esse conselho?“. “A Bíblia assim nos aconselha“, dizem os alunos, “por que o vinho é zombador e promotor de intrigas“. Fechando as escrituras, então, o professor encerra: “Essa não é a minha opinião. Essa é a opinião das escrituras. Portanto, se você quiser ser um cristão fiel, você não poderá beber nenhum tipo de bebidas alcoólicas“.

Não sei como essa “aula” se parece para você, mas é o tipo de fim de aula de EBD que já participei diversas vezes. Alguns poucos versículos são lidos, pouco tempo é investido e uma resposta final é oferecida. É como se na Bíblia o vinho sempre fosse descrito como algo proibido, negativo, errado. Lendo alguns livros ou artigos sobre o assunto a impressão que temos é a visão geral do AT aponta para o fato de que o vinho é apenas apresentado como maldição.

Por exemplo, Carl Coopler assumindo que a imagem geral do vinho nas escrituras é negativa afirma que “a Bíblia não autoriza o consumo de bebidas alcoólicas por razão nenhuma” (Carl Cooper, Does God Drink Wine? The Truth About Bible Wine, p. 21). Conclusão similar é apresentada por Robert Teachout, que afirma que “a abrangente mensagem das escrituras, apoiada por toda informação disponível é que Deus nunca intencionou que Seus santos consumissem bebida alcoólica, e que Ele mesmo não aprova essa prática” (Robert P. Teachout, Wine – The Biblical Imperative: Total Abstinence, p. 61). Em outro lugar, o mesmo autor afirma: “Em qualquer quantidade, o vinho é condenado e bebê-lo é um ato de desobediência” (Idem, p.30). O mesmo tipo de “princípio hermenêutico” é usado por Samuele Bacchiocchi, que após apresentar a visão geral das escrituras sobre o vinho, conclui: “À luz de tais advertências bíblicas, nós devemos respeitar a orientação divina e nos abster de qualquer tipo de bebida alcoólica e qualquer tipo de substancia inebriante” (Samuele Bacchiocchi, Wine in the Bible – A Biblical Study on the Use of Alcoholic Beverages, p.101). O que fica evidente nas opiniões apresentadas aqui é que em função da imagem negativa do vinho nas escrituras, o cristão deveria abster-se completamente de consumi-lo como um ato de obediência ao Senhor.

Entretanto, eu gostaria de questionar nesse artigo se de fato a imagem do vinho nas escrituras é tão negativa quanto esses livros (e tantos outros artigos) parecem sugerir. Portanto, nesse post nós iremos investigar a imagem do vinho no AT para verificar se tal pressuposição é de fato apresentada pelas escrituras. Em outras palavras, nesse post nós responder as perguntas:

É correto afirmar que a imagem geral do vinho no AT é de fato negativa? Seria correto afirmar que Deus se opõe ao vinho baseado no fato de que a imagem geral do vinho no AT é negativa?

1. O Problema da Linguagem

Muito embora a ideia de se analisar a imagem geral do vinho no AT seja louvável, esse tipo de investigação enfrenta alguns problemas. O primeiro deles é relacionado à linguagem. O que nós queremos dizer com a palavra vinho no AT? Infelizmente, a palavra vinho não é uma tradução perfeita para as palavras hebraicas usadas no texto sagrado.

Na verdade, a palavra vinho traduz dez diferentes palavras hebraicas e uma palavra em aramaico, que em muitos casos são usadas como sinônimos. Entretanto, cada uma dessas palavras tem sua própria significância, e, eventualmente aponta para diferentes produtos derivados da uva. Combinando essas onze palavras (yayin, tiyrowsh, shaykawr, chamar, chemar, awsees, chomets, shemer, sobhe, mamsak e mezeg), nós encontramos 231 versos que descrevem algum tipo de produto da videira que de modo geral é traduzido como vinho no AT.

Dada a quantidade de versos e a clara diferença de usos entre as palavras usadas para descrever o vinho em português, é difícil apresentar uma visão geral e unificada do assunto. Enquanto algumas palavras, como por exemplo  tiyrowsh, são apresentadas de modo positivo (2Re 18:32), outras, como shaykawr, são normalmente apresentadas de modo negativo no AT (Pv. 20:1). Será que devemos sugerir que essas duas palavras representam o mesmo produto? A evidência léxica sugere que essas palavras são frequentemente usadas como sinônimas [1], mas em alguns casos elas não podem significar a mesma coisa [2].

2. O Problema das Categorias

Outro problema que deve ser lembrado aqui é relacionados a classificação da evidência. Tentando realizar esse tipo de investigação Brad Whittington, seguindo outro bom exemplo, definiu que essa evidência deveria ser classificada em três diferentes categorias: Afirmações positivas, neutras e negativas. De acordo com sua pesquisa, 59% das vezes que a Escritura (AT, NT) falam sobre vinho ela o faz de modo positivo, enquanto 25% trata-se de afirmações neutras e apenas 16% dos casos as Escrituras apresentam o vinho de modo negativo (Brad Whittington, What Would Jesus Drink: What the Bible Really Says About Alcohol. Edição não paginada do Kindle).

Entretanto, parece que as categorias sugeridas por Whittington não comporta as evidências apresentadas nas escrituras. Por exemplo, Whittington considerou que quando o vinho é usado como uma ferramenta literária em comparações, tais afirmações deveriam ser consideradas como neutras. O problema desse tipo de classificação é que existem comparações positivas (Sl 75:8) e negativas (Isa 29:9) por toda a Escritura. Outro problema grave na metodologia empregada por Whittington é que ele considerou que os votos de abstinência deveriam ser classificados como afirmações neutras. Em outras palavras, por categorizar equivocadamente a evidência, Whittington apresentou uma imagem distorcida do vinho nas escrituras.

3. Nossa Proposta

Entretanto, nós acreditamos que se esses dois problemas forem considerados, uma imagem mais próxima da realidade do AT pode ser apresentada. Portanto, para tentar resolver o primeiro problema, nós sugerimos que a pesquisa não seja feita em nosso idioma, mas em Hebraico, a língua na qual o texto sagrado do AT foi escrito. Com isso, ao invés de tentar apresentar uma imagem do vinho, nós iremos apresentar a visão geral de cada uma das palavras hebraicas usados no AT que foram traduzidas em português como vinho.

Para tentar resolver o problema das categorias, nós acreditamos que duas atitudes são necessárias:

(1) Nós precisamos considerar os diferentes tipos comparação usados no AT e então classifica tais versos em conformidade com a categoria que melhor descreve o sentido do texto. Por exemplo, se a comparação tem teor negativo, nós entendemos que naquele verso o vinho é apresentado de modo negativo e não neutro por ser comparativo.

(2) Nós também resolvemos criar uma quarta categoria para os versos que falam sobre abstinência ao invés de tentar forçar tais versos em outras categorias. A lógica por traz dessa iniciativa é simples: Nós entendemos que a abstinência apresentada no AT não era normativa para todo Israel, mas algo especial para dedicação especial ao Senhor ou ao serviço a YHWH.

Em outras palavras, nós entendemos que as declarações de abstinência aos produtos da vide traduzidos para o português como vinho não sugerem que o mesmo deva ser visto de modo negativo. Aliás, nos parece incoerente que Deus exija a abstinência ao vinho de algumas pessoas, em algumas ocasiões para uma eventual dedicação a Ele ou a Seu serviço, quando o vinho já era proibido para todo o povo de Israel. Se o vinho era proibido para TODO o povo, por que razão aquele que faz um voto nazireu deveria se abster do vinho? Qual seria a diferença entre o nazireu e o hebreu comum? Não nos parece plausível, portanto, que os versos relacionados à abstinência sejam classificados como uma declaração negativa em relação ao vinho, ao mesmo tempo que não deveriam ser classificados como positivos. Portanto, nós iremos analisar esses versos em uma nova categoria, ao invés de tentar encaixá-los em outras classificações.

A. Declarações Positivas

Mas, o que nós queremos dizer com declarações positivas encontrada nas escrituras relacionado ao vinho? De acordo com nossa classificação da evidência, classifica-se como positiva as declarações que apresentam o vinho como:

(1) Um bom exemplo: Por exemplo, no livro de Provérbios a sabedoria é apresentada como preparando um banquete para os inexperientes. A ideia do texto é que aqueles que ainda não são maduros devem aprender da sabedoria para poderem amadurecer. Entretanto, o autor aqui apresenta a sabedoria convidando o inexperiente e indouto a participar de um jantar que ela mesmo preparou acompanhado de um bom vinho:

“A sabedoria construiu sua casa; ergueu suas sete colunas. Matou animais para a refeição, preparou seu vinho e arrumou sua mesa. E enviou as servas para fazerem convites desde o ponto mais alto da cidade, clamando: “Venham todos os inexperientes! ” Aos que não têm bom senso ela diz: “Venham comer a minha comida e beber o vinho que preparei. – Provérbios 9:1-5

(2) Em comparações positivas: Em outras ocasiões, o vinho é apresentado em comparações positivas. Por exemplo, quando a esposa se refere aos cuidados de seu marido ela diz:

“Ah, se ele me beijasse, se a sua boca me cobrisse de beijos…  Sim, as suas carícias são mais agradáveis que o vinho” (Cânticos 1:2)

Nesse verso nota-se claramente que o vinho era extremamente agradável para sua esposa, mas não tão agradável quanto as carícias de seu esposo. Nesse caso, nós entendemos que apesar de o vinho ser apresentado em uma comparação, tal comparação oferece uma visão positiva do mesmo.

(3) Uma bênção dada por Deus: Em várias ocasiões no AT, o vinho é apresentado como uma dádiva divina. Por exemplo, em Salmos 104 14-15 nós lemos

“É Ele que faz crescer o pasto para o gado, e as plantas que o homem cultiva, para da terra tirar o alimento: o vinho, que alegra o coração do homem; o azeite, que faz brilhar o rosto, e o pão que sustenta o seu vigor – (Salmos 104:14-15)

(4) Algo a ser consumido: Apesar de muitos pensarem que o consumo do vinho nunca é estimulado nas escrituras, eventualmente isso acontece. Aliás, em alguns casos, o próprio Deus convida seu povo a beber o vinho que alegra o coração:

Com prata comprem o que quiserem: bois, ovelhas, vinho ou outra bebida fermentada, ou qualquer outra coisa que desejarem. Então juntamente com suas famílias comam e alegrem-se ali, na presença do Senhor, do seu Deus – (Deuteronômio 14:26)

(5) Parte do ato de devoção a Deus: Em algumas ocasiões, o vinho é parte da cerimônia de adoração a Deus no Antigo Testamento:

Com o primeiro cordeiro ofereça um jarro da melhor farinha misturada com um litro de azeite de olivas moídas, e um litro de vinho como oferta derramada ao Senhor. – Êxodo 29:40

(6) A falta do vinho também é vista como maldição de Deus: Eventualmente, Deus manifestou seu juízo contra Israel e outras nações do mundo ao retirar deles o vinho. O que se entende de textos como esses é que a presença do vinho é um sinal de bênção, enquanto sua ausência como maldição:

Se vocês não obedecerem ao Senhor, ao seu Deus, e não seguirem cuidadosamente todos os seus mandamentos e decretos que hoje lhes dou (…) Plantarão vinhas e as cultivarão, mas não beberão o vinho nem colherão as uvas, porque os vermes as comerão – Deuteronômio 28:15, 39

B. Declarações Neutras

O que nós queremos dizer com declarações neutras? Por declarações neutras nós nos referimos a afirmações feitas pelas escrituras que não vem acompanhadas de recomendação ou reprovação. Ao que o texto parece indicar, nada positivo ou negativo pode ser auferido sobre a bebida em questão. Por exemplo, o vinho é descrito de modo neutro quando se refere a:

(1) Refeições Ordinárias: Eventualmente o escritor apenas descreve uma situação comum da qual o vinho faz parte. Nesses casos, nenhuma recomendação ou reprovação acontecem (Jz 19:19; 1Sam 1:24)

(2) Refeições Extraordinárias: Em alguns poucos casos, o vinho é apresentado como parte de uma refeição especial. Nesses casos, o autor apenas relata o evento, mas nada positivo ou negativo pode se inferir da ocasião (Est 5:6).

(3) Comparações: Algumas comparações usadas nas escrituras não oferecem qualquer tipo de recomendação ou condenação. Nesses casos, mais raros, entendemos que a declaração das escrituras deve ser entendida como neutra (Jer 51:7)

(4) Moeda de troca: Também se encontram usos do vinho no AT como moeda de troca. Nesses casos, não enocontra-se qualquer recomendação ou condenação do vinho (Ez. 27:18).

C. Declarações Negativas

O que queremos dizer com declarações negativas? Nós entendemos que em ocasiões em que um exemplo negativo, exortação contrária ao uso do vinho, comparações que descrevem o vinho de modo negativo e ocasiões nas quais o autor bíblico descreve vinhos de outras nações. Nesses casos uma clara e explícita mensagem é apresentada a respeito do vinho e ela é negativa.

(1) Exemplos negativos:

Bebeu do vinho, embriagou-se e ficou nu dentro da sua tenda – Gênesis 9:21

Vamos dar vinho a nosso pai e então nos deitaremos com ele para preservar a linhagem de nosso pai – Gênesis 19:32

(2) Exortações Contrárias ao uso do Vinho:

Até quando você continuará embriagada? Abandone o vinho!- 1 Samuel 1:14

Ai dos que se levantam cedo para embebedar-se, e se esquentam com o vinho até à noite – Isaías 5:11

(3) Comparações Negativas:

Pasmem e fiquem atônitos! Ceguem-se a si mesmos e continuem cegos! Estão bêbados, não porém de vinho, cambaleiam, mas não pela bebida fermentada – Isaías 29:9

(4) Vinho Pagão:

O vinho deles é a peçonha das serpentes, o veneno mortal das cobras – Deuteronômio 32:33

D. Visão geral do Vinho no AT

Bom, assumindo que nossa classificação está correta e que tal classificação comporta a evidência vétero-testamentária, nós podemos apresentar a imagem do vinho de acordo com o Antigo Testamento dos seguinte modo:

A Imagem Geral do Vinho no AT

Palavra Hebraica

Negativa Neutra Positiva Abstinência

Total

yayin [3] 34 43 45 19 141
tiyrowsh [4] 2 10 26 0 38
shaykawr [5] 11 0 5 7 23
chamar/chemar [6] 3 1 3 0 7
awsees [7] 1 0 4 0 6
chomets [8] 0 3 1 2 6
shemer [9] 1 1 3 0 5
sobhe [10] 2 1 0 0 3
mamsak [11] 2 0 0 0 2
mezeg [12] 0 0 1 0 1
Total 56 (24%) 59 (26%) 88 (38%) 28 (12%) 231

Como se pode perceber, a imagem geral do vinho é positiva, uma conclusão bem diferente daquela apresentada em tantos livros e artigos escritos por proibicionistas.

O Antigo Testamento como um todo aponta para o vinho muito mais como benção do que como maldição.

É verdade que quando as escrituras apresentam o vinho de maneira negativa a linguagem do texto é forte e direta. Entretanto, parece que existe uma miopia teológica no que se refere a abundante evidência que aponta para o fato de que o vinho é também marca da bênção divina no AT.

Vale observar também que a imagem do vinho não é homogênea: as diferentes palavras usadas no AT que são frequentemente traduzidas por vinho em português tem diferentes níveis de recomendação e condenação. Note que o termo hebraico Shaykawr, que é recorrentemente traduzido como bebida forte, em 45% dos casos é apresentado de modo negativo e em 30% dos usos do termo se refere à abstinência do mesmo. Evidentemente esse termo descreve uma bebida fermentada, de alto teor alcoólico (Isa.5.11) capaz de entorpecer o julgamento daqueles que o bebem (Pr 20:1).Dificilmente alguém poderia dizer que tal termo descreve uma bebida não fermentada ou não alcoólica. Entretanto, é exatamente essa bebida que Deus convida seu povo a beber em celebração em Sua presença (Deut 14:26) e que é usada no serviço de adoração a YHWH (Num 28:7).

Por outro lado, outros termos são apresentados de modo mais positivo, como no caso de Tiyrowsh (vinho novo), que é apresentada de modo positivo em 68% das vezes que o termo é usado e nunca aparece em um voto de abstinência. Isso, entretanto, não sugere que tal bebida seja desprovida de qualquer teor alcoólico, afinal ela é capaz de alterar a capacidade cognitiva dos homens (Os 4.11).

Entretanto, é importante dizer que um trabalho com a dimensão do que apresentamos aqui invariavelmente irá conter erros.  Por isso que gostaria de deixar listado abaixo todos os versos usados nessa pesquisa, para que o leitor possa não apenas verificar se tal classificação está correta, mas também para corrigi-la quando eventual erro for encontrado. Portanto, não quero apenas apresentar os dados numéricos frios, mas deixar transcrito nas notas no fim do artigo todos os versos que alimentam os dados da nossa pesquisa.

Minha expectativa é que você não apenas aceite as informações listadas aqui ou nossas conclusões, mas que você questione nossas conclusões e as re-avalie à luz das evidências apresentadas.

4. Conclusão

Em outras palavras, o vinho, desde sua forma mais branda até à sua forma mais forte, o vinho é descrito ao mesmo tempo como bênção e maldição. Aquela apresentação do vinho como bandido ou vilão simplesmente não se sustenta diante da evidência do AT. O vinho é também uma bênção divina, dada por Ele para Seu povo e usada como forma de adoração do Seu Santo nome.

Mas, dizer que o vinho é parte da bênção de Deus e se esquecer das constantes exortações que Ele nos dá sobre o vinho seria ignorar a evidência das escrituras. Não podemos nos esquecer dos exemplos negativos daqueles que por muito beber vinho vieram a experimentar a embriaguez.

O vinho é assim apresentado nas escrituras: não apenas bênção, mas maldição; não apenas maldição, mas bênção. Afirmar apenas um dos pontos é ignorar a evidência das escrituras.

Próximo Artigo: Era o Vinho do AT não alcoólico?


Notas

[1]  Koehler, Ludwig, Walter Baumgartner, M. E. J. Richardson, and Johann Jakob Stamm. The Hebrew and Aramaic Lexicon of the OT. Leiden; New York: E.J. Brill, 409; Gesenius, Wilhelm, and Samuel Prideaux Tregelles. Gesenius’ Hebrew and Chaldee Lexicon to the Old Testament Scriptures. Bellingham, WA: Logos Bible Software, 2003. Brown, Francis, Samuel Rolles Driver, and Charles Augustus Briggs. Enhanced Brown-Driver-Briggs Hebrew and English Lexicon. Oak Harbor, WA: Logos Research Systems, 2000. Swanson, James. Dictionary of Biblical Languages with Semantic Domains : Hebrew (Old Testament). Oak Harbor: Logos Research Systems, Inc., 1997. Swanson, James. Dictionary of Biblical Languages with Semantic Domains: Aramaic (Old Testament). Oak Harbor: Logos Research Systems, Inc., 1997.

Ver Também: Jenni, Ernst, and Claus Westermann. Theological Lexicon of the Old Testament. Peabody, MA: Hendrickson Publishers, 1997; Harris, R. Laird, Gleason L. Archer Jr., and Bruce K. Waltke, eds. Theological Wordbook of the Old Testament. Chicago: Moody Press, 1999.

A Considerar: Arndt, William, Frederick W. Danker, and Walter Bauer. A Greek-English Lexicon of the New Testament and Other Early Christian Literature. Chicago: University of Chicago Press, 701; Liddell, Henry George, Robert Scott, Henry Stuart Jones, and Roderick McKenzie. A Greek-English Lexicon. Oxford: Clarendon Press, 1207. Whitaker, William. Dictionary of Latin Forms. Bellingham, WA: Logos Bible Software, 2012. Lewis, Charlton T. An Elementary Latin Dictionary. Medford, MA: American Book Company, 1890.

[2] B.L. Bandstra, “Wine.” Edited by Geofrey W. Bromiley, The International Standard Bible Encyclopedia. Grand Rapids: William B. Eerdmans, 1072; Jenni, Ernst, and Claus Westermann. Theological Lexicon of the Old Testament. Peabody, MA: Hendrickson Publishers, 1997; Harris, R. Laird, Gleason L. Archer Jr., and Bruce K. Waltke, eds. Theological Wordbook of the Old Testament. Chicago: Moody Press, 1999. Klingbeil, G. A. “Agriculture and Animal Husbandry.” Edited by Bill T. Arnold and H. G. M. Williamson. Dictionary of the Old Testament: Historical Books. Downers Grove, IL: InterVarsity Press, 2005.

Ver Também, Easton, M. G. Easton’s Bible Dictionary. New York: Harper & Brothers, 1893. Myers, Allen C. The Eerdmans Bible Dictionary. Grand Rapids, MI: Eerdmans, 1987. Bird, Phyllis A. “Wine.” Edited by Mark Allan Powell. The HarperCollins Bible Dictionary (Revised and Updated). New York: HarperCollins, 2011. Maltsberger, David. “Wine.” Edited by Chad Brand, Charles Draper, Archie England, Steve Bond, E. Ray Clendenen, and Trent C. Butler. Holman Illustrated Bible Dictionary. Nashville, TN: Holman Bible Publishers, 2003. Fitzsimmonds, F. S. “Wine and Strong Drink.” Edited by D. R. W. Wood, I. H. Marshall, A. R. Millard, J. I. Packer, and D. J. Wiseman. New Bible Dictionary. Leicester, England; Downers Grove, IL: InterVarsity Press, 1996.  Eadie, John. A Biblical Cyclopædia; or, Dictionary of Eastern Antiquities, Geography, Natural History, Sacred Annals and Biography, Theology, and Biblical Literature. London: The Religious Tract Society, 1883.

[3] Yayin:

Declarações Negativas: Exemplo negativo: Gen 9:21, Gen 9:24, Gen 19:32, Gen 19:33 ,Gen 19:34, Gen 19:35, 1 Sam 25:37, 2 Sam 13:28, Isa 22:13, Isa 28:1, Isa 28:7*2, Isa 56:12, Joel 4:3, Amos 2:8, Amos 2:12, Miq 2:11, Prov 23:20, Prov 23:30, Ester 1:10.  Exortações contra: 1 Sam 1:14, Isa 5:11, Isa 5:12, Isa 5:22, Hos 4:11, Hos 7:5, Hab 2:5, Prov 20:1, Prov 21:17. Comparações negativas: Isa 29:9 Isa 51:21 Jer 23:9 Sal 60.5. Vinho pagão: Deu 32.33.

Declarações Neutras: Refeições ordinárias: Gen 27:25, Jz 19:19, 1 Sam 1:24, 1 Sam 10:3, 1 Sam 16:20, 1 Sam 25:18, 2 Sam 16:1, 2 Sam 16:2, Jer 35:5*2, Jer 40:10, Jer 40:12, Jo 1:13, Jo 1:18, Prov 4:17, Lam 2:12, Ne 2:1*2, Ne 5:15, Ne 5:18, 1 Cr 9:29, 1 Cr 12:41, 1 Cr 27:27, 2 Cr 2:9, 2 Cr 2:14, 2 Cr 11:11. Refeições especiais: Ester 5:6, Ester 7:2, Ester 7:7, Ester 7:8, Dan 1:5. Comparação: Jer 13:12*2, Jer 25:15, Jer 51:7, Jo 32:19. Moeda de troca: Ez 27.18, Ne. 13:15. Outros: Jos 9:4 Jos 9:13 Jer 35:2 Amos 6:6 Ageu 2:12.

Declarações PositivasFalta como punição divina: Deut 28:39 Isa 16:10 Isa 24:9 Isa 24:11 Jer 48:33 Os 9:4 Joel 1:5 Amos 5:11 Miq 6:15 Zac 1:13; Comparações positivas: Os 14:8 Zac 9:15 Sal 75:9 Cant 1:2 Cant 1:4 Cant 2:4 Cant 4:10 Cant 5:1 Cant 7:10; Exemplos Positivos: Zac 10:7 Sal 78:65 Prov 9:2 Prov 9:5 Prov 23:31w Ec 2:3 Ecc 10:19 Ester 1:7 Cant 8:2; Adoração: Gen 14:18 Exod 29:40 Lev 23:13 Num 15:5 Num 15:7 Num 15:10 Num 28:14; Dádiva Divina: Gen 49:11 Gen 49:12 Isa 55:1 Amos 9:14 Sal 104:15; Uso encorajado: Num 6:20 Deut 14:26 Prov 31:6 Ec 9:7; Uso especial: Gen.27:25

AbstinênciaComo voto: Lev 10:9 Num 6:3*2 Jz 13:4 Jz 13:7 Jz 13:14*2; Temporal: Num 6:4 Deut 29:5 1 Sam 1:15 Ez 44:21; Sugestão: Jer 35:6*2 Jer 35:8 Jer 35:14; Vonluntária: Dan 1:8 Dan 1:16 Dan 10:3 Prov 31:4;

[4] Tiyrowsh:

Declarações Negativas: Exemplo Negativo: Os 4:11 Os 9:2;

Declarações Neutras: Refeições Ordinárias: Joel 1:10 Ne 10:38 Ne 10:40 Ne 13:5 Ne 13:12 2 Cr 31:5 2 Cr 32:28; Comparações: Isa 24:7 Isa 65:8 Os 2:24;

Declarações PositivasFalta como punição divina: Deut 28:51 Os 2:11 Miq 6:15 Ag 1:11; Comparação Positiva: Jz 9:13 Zac 9:17 Sal 4:8; Adoração: Deut 18:4 Num 18:12; Dádiva Divina: Gen 27:28 Gen 27:37 Deut 7:13 Deut 11:14 Deut 12:17 Deut 14:23 Deut 33:28 2 Re 18:32* Isa 36:17 Isa 62:8 Jer 31:12 Os 2:10 Os 7:14 Joel 2:19 Joel 2:24 Prov 3:10 Ne 5:11;

Abstinência: – – –

[5] Shaykawr:

Declarações NegativasExemplo Negativo: Isa 28:7*3 Isa 56:12 Miq 2:11 Sal 69:13; Exortações contra: Isa 5:11 Isa 5:22 Prov 20:1; Comparação Negativa: 1 Sam 1:15 Isa 29:9;

Declarações Neutras: – – –

Declarações PositivasFalta como maldição: Isa 24:9; Adoração: Num 28:7; Dádiva Divina: Deut 29:5; Uso encorajado: Deut 14:26 *Prov 31:6;

AbstinênciaVotos: Lev 10:9 Num 6:3*2 Jz 13:4 Jz 13:7 Jz 13:14; Voluntária: Prov 31:4.

[6] Chamar/Chemar

Declarações Negativas: Dan 5:2 Dan 5:4 Dan 5:23;

Declarações Neutras: Dan 5:1

Declarações Positivas: Esd 6:9* (Tatenai) Esd 7:22* (Artaxerxes) Deut 32.14* (Aramaico);

Abstinência: – – –

[7] Awsees

Declarações Negativas:  Isa 49:26;

Declarações Neutras: Dan 5:1

Declarações Positivas: Joel 1:5 Cant 8:2 Joel 4:18 Amos 9:13;

Abstinência: – – –

[8] Chomets

Declarações Negativas: – – –

Declarações Neutras: Ps 69:22 Prov 10:26 Prov 25:20;

Declarações Positivas: Rt 2:14

Abstinência: Num 6:3*2;

[9] Shemer

Declarações Negativas: Zac 1:12

Declarações Neutras: Jer 48:11

Declarações Positivas: Sal 75:9 Isa 25:6*

Abstinência: – – –

[10] Sobhe

Declarações Negativas: Os 4:18 Ne 1:10

Declarações Neutras: Isa 1:22

Declarações Positivas: – – –

Abstinência: – – –

[11] Mamsak

Declarações Negativas: Isa 65:11 Prov 23:30

Declarações Neutras: – – –

Declarações Positivas: – – –

Abstinência: – – –

[12] Mezeg

Declarações Negativas: – – –

Declarações Neutras: – – –

Declarações Positivas: Cant 7:3

<

p style=”padding-left:30px;”>Abstinência: – – –

2 comentários sobre “Vinho de Acordo com o AT

  1. Pingback: SÉRIE: Vinho, as Escrituras e o Cristão | Teologando

  2. Pingback: Era o Vinho do AT não alcoólico? | Teologando

Os comentários estão desativados.