O Mais Antigo Comentário dos Evangelhos

O mais antigo comentário latino nos evangelhos foi descoberto e publicado em inglês pela primeira pela editora De Gruyter. Trata-se do comentário de um bispo do norte da Itália chamado Fortunatianus de Aquiléia. Ele escreveu seu comentário durante o período de Constantius II (337-361) que anos mais tarde foi usado por Jerônimo. Em sua abordagem do texto dos evangelhos, Fortunatianus os interpreta como uma série de alegorias teológicas ao invés de historiografia literal. Comentando sobre essa descoberta, Dr. Hugh Houghton, que traduziu o documento, afirmou: Continue lendo “O Mais Antigo Comentário dos Evangelhos”

Anúncios

O Texto do Novo Testamento e a Reforma Protestante

Nessa aula vamos observar a importância do Texto Grego do Novo Testamento para a reforma protestante. Por isso, vamos falar a respeito de:

  1. Erasmo de Rotterdam
  2. Novum Instrumentum Omne (o primeiro texto grego do NT publicado)
  3. A relação de Erasmo e do NI com a Reforma Protestante
  4. Vamos demonstrar a influência de Erasmo na teologia de Lutero (dois exemplos)

A apresentação dessa aula pode ser baixada aqui: O Texto do NT e a Reforma Protestante. Continue lendo “O Texto do Novo Testamento e a Reforma Protestante”

ARTIGO: Era Júnia uma Apóstola?

Na edição desse mês da revista Teologia Brasileira foi publicado o meu primeiro artigo acadêmico intitulado Era Júnia uma Apóstola?. Esse artigo é a versão expandida do post publicado no Teologando com o mesmo nome. Uma versão em PDF também foi colocada na minha conta do Academia.edu. Nessa versão paginada o leitor terá acesso as notas de rodapé e às referências bibliográficas com mais facilidade.

ABSTRACT

Nesse artigo o autor se propõe a apresentar diferentes elementos relacionados ao problema interpretativo de Rom16.7, especialmente referentes ao gênero de Júnia(s) e o lugar que lhe cabe no ministério apostólico. Em primeiro lugar, o autor examina o texto do ponto de vista de sua forma textual e sua influência na identificação do gênero e lugar de Júnia(s) em relação aos apóstolos. Em segundo lugar, analisa os problemas relacionados ao estudo da identificação do gênero de Júnia(s). Por fim, analisa a posição que Júnia(s) ocupa em relação ao ministério apostólico. O autor conclui que as evidências apontam para o fato de que Júnia era de fato uma mulher que era notável pelos apóstolos.

Leia a versão publicada na revista Teologia Brasileira aqui.

Baixe o PDF aqui.

A Versão Copta Saídica e a Divindade de Cristo

Em Março de 1923, a cerca de 45 kilômetros ao sul de Asyult, entre Cairo e as montanhas de Aswan no lado leste do rio Nilo próximo ao vilarejo de Hamamieh, num antigo cemitério do período Romano, Guy Brunton encontrou um vaso de barro enterrado perto de antigas sepulturas Coptas. Nesse vaso, Brunton encontrou um grupo de manuscritos que pareciam serem feitos de papiros que estavam enrolados e bem preservados. Tratava-se de um documento com características litúrgicas (ou seja, um documento utilizado por uma comunidade cristã e não por um indivíduo), que parecia ter sido usado por um bom tempo e que, por sua grafia defeituosa e desgaste, teria sido enterrado naquele cemitério. Naquele momento não se tinha a dimensão da grandiosidade daquela descoberta: Entretanto, esse documento veio mais tarde a ser identificado como o mais antigo manuscrito do evangelho de João em língua Copta jamais encontrado. Continue lendo “A Versão Copta Saídica e a Divindade de Cristo”

Sempre Cheque Suas Fontes!

Um autor que definitivamente me impactou largamente e me desafiou a aprimorar meu conhecimento teológico e minha habilidade de defender a fé foi Norman Geisler. Sua capacidade de pesquisa e síntese sempre me deixaram impressionado. Eu li quase todos os livros que ele publicou em português e garanto que ele estava presente em diversas das aulas que ministrei. Sua Enciclopédia de Apologética ilustra claramente o calibre desse homem: Ele é por excelência um Defensor da Fé Cristã.
Continue lendo “Sempre Cheque Suas Fontes!”

Foi o Tetragrama usado nos originais no NT?

Qualquer cristão que já teve contato com a versão do Novo Testamento produzido pela Sociedade Torre da Vigia sabe que um dos princípios de tradução usados pelos anônimos tradutores da Tradução do Novo Mundo (TNM) foi incluir o termo Jeová nas ocasiões em que acreditam refletir um suposto original desconhecido que teria usado o Tetragrama naquele mesmo lugar. E acredite se quiser, eles acreditam que isso aconteceu 237 vezes em todo o NT. O pressuposto para tal inserção é simples: O Tetragrama foi usado no Antigo Testamento recorrentemente, e portanto, é evidente que os escritores judeus dos livros do Novo Testamento também o usaram. Continue lendo “Foi o Tetragrama usado nos originais no NT?”

A diferença que uma letra faz

“Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens de boa vontade” Lucas 2:14 (ARC)

Acho que a maioria de nós já ouvir esse verso na época do Natal: pode ter sido num cartão, numa cantata ou até mesmo em algum comercial de televisão. A verdade é que é um texto bem conhecido até mesmo por quem nunca sequer abriu a Bíblia em sua vida. Continue lendo “A diferença que uma letra faz”

O Tetragrama e sua tradução

Recentemente tive a oportunidade de conhecer mais um grupo religioso cuja missão é apresentar o correto nome de Deus ao mundo. Eles não são uma grande organização, não tem grandes produções mas usam e abusam dos benefícios da internet para divulgar suas teorias. Segundo esse grupo o nome verdadeiro de Deus deveria ser Yaohu e todos os que não adoram a Deus usando esse nome estão estão adorando o verdadeiro Deus, mas uma ou outra divindade da antiguidade. Continue lendo “O Tetragrama e sua tradução”

O que Ehrman disse? O que Ehrman não disse?

O que Ehrman disse? O que Ehrman não disse? from Marcelo Berti

Nessa mensagem, Marcelo Berti fala sobre algumas das informações oferecidas no livro “O que Jesus disse? O que Jesus não disse? Quem mudou a bíblia e porque?“e como o autor as usa para demonstrar que o NT não é confiável. Também se propõe a demonstrar como alguns dessas informações são interpretadas e distorcidas por Ehrman, e como as investidas de Ehrman não parecem tão plausíveis, quando analisadas com atenção. Enfim, conclui sua sua mensagem demonstrando como as escrituras ensinam os cristãos a reagirem a esse tipo de ataque.