PODCAST: A Influência de Erasmo na Reforma Protestante

Muito bem (3x), o seu podcast semanal de teologia está no ar. Bibo recebe o professor Marcelo Berti do site Teologando para juntos conversarem sobre a influência do trabalho de Erasmo de Roterdã na Reforma Protestante, principalmente em Lutero.

OUÇA O PODCAST AQUI (baixe o audio do podcast aqui).

Quem foi Erasmo de Roterdã? Qual a importância do humanismo cristão? O que significa voltar as fontes? O que foi o Novum Instrumentum Omne (o primeiro texto grego do Novo Testamento)? Qual a relação de Erasmo e do NI com a Reforma Protestante? Por que Erasmo não rompeu com a Igreja Católica como Lutero fez? Essas e outras perguntas discutidas nesse programa.

podcast cristão do Bibotalk tem a missão de ensinar teologia em áudio a fim de ver o crescimento bíblico-teológico da igreja brasileira.

Arte da capa: Guilherme Match (conheça o trabalho dele aqui!).

Anúncios

O Mais Antigo Comentário dos Evangelhos

O mais antigo comentário latino nos evangelhos foi descoberto e publicado em inglês pela primeira pela editora De Gruyter. Trata-se do comentário de um bispo do norte da Itália chamado Fortunatianus de Aquiléia. Ele escreveu seu comentário durante o período de Constantius II (337-361) que anos mais tarde foi usado por Jerônimo. Em sua abordagem do texto dos evangelhos, Fortunatianus os interpreta como uma série de alegorias teológicas ao invés de historiografia literal. Comentando sobre essa descoberta, Dr. Hugh Houghton, que traduziu o documento, afirmou: Continue lendo “O Mais Antigo Comentário dos Evangelhos”

As 7 Cartas de Apocalipse – Aula 1: Introdução

O livro de Apocalipse combina o rigor apocalíptico com claras ênfases proféticas numa moldura literária de uma carta greco-romana em uma obra literária sem par no mundo antigo. Como já disse Ramsay Michaels, “Se Apocalipse é uma carta, é uma carta como nenhuma carta cristã primitiva que possuímos. Se é um apocalipse, é como nenhum outro. Se profecia, é singular entre as profecias” (Interpreting Revelations, 30). Escrito para as sete igrejas da Ásia Menor, o livro de Apocalipse deve ser lido por todas as igrejas. Continue lendo “As 7 Cartas de Apocalipse – Aula 1: Introdução”

Devoção a Jesus no Cristianismo Primitivo

Em 2003 Larry Hurtado publicou um dos livros mais importantes sobre a devoção a Jesus Cristo no cristianismo primitivo. Entitulado Lord Jesus Christ: Devotion to Jesus in Earliest Christianity esse livro apresenta uma em pouco mais de 650 páginas uma abordagem crítica, acadêmica e evangélica das evidências neotestamentárias e do periódo pós-apostólico a respeito da centralidade da adoração de Cristo na experiência e teologia cristã.

Continue lendo “Devoção a Jesus no Cristianismo Primitivo”

O Texto do Novo Testamento e a Reforma Protestante

Nessa aula vamos observar a importância do Texto Grego do Novo Testamento para a reforma protestante. Por isso, vamos falar a respeito de:

  1. Erasmo de Rotterdam
  2. Novum Instrumentum Omne (o primeiro texto grego do NT publicado)
  3. A relação de Erasmo e do NI com a Reforma Protestante
  4. Vamos demonstrar a influência de Erasmo na teologia de Lutero (dois exemplos)

A apresentação dessa aula pode ser baixada aqui: O Texto do NT e a Reforma Protestante. Continue lendo “O Texto do Novo Testamento e a Reforma Protestante”

ARTIGO: Era Júnia uma Apóstola?

Na edição desse mês da revista Teologia Brasileira foi publicado o meu primeiro artigo acadêmico intitulado Era Júnia uma Apóstola?. Esse artigo é a versão expandida do post publicado no Teologando com o mesmo nome. Uma versão em PDF também foi colocada na minha conta do Academia.edu. Nessa versão paginada o leitor terá acesso as notas de rodapé e às referências bibliográficas com mais facilidade.

ABSTRACT

Nesse artigo o autor se propõe a apresentar diferentes elementos relacionados ao problema interpretativo de Rom16.7, especialmente referentes ao gênero de Júnia(s) e o lugar que lhe cabe no ministério apostólico. Em primeiro lugar, o autor examina o texto do ponto de vista de sua forma textual e sua influência na identificação do gênero e lugar de Júnia(s) em relação aos apóstolos. Em segundo lugar, analisa os problemas relacionados ao estudo da identificação do gênero de Júnia(s). Por fim, analisa a posição que Júnia(s) ocupa em relação ao ministério apostólico. O autor conclui que as evidências apontam para o fato de que Júnia era de fato uma mulher que era notável pelos apóstolos.

Leia a versão publicada na revista Teologia Brasileira aqui.

Baixe o PDF aqui.