Jesus - Adoração

“Adorar a Jesus é idolatria”

Adorar a Jesus é idolatria,” de acordo com a Sociedade Torre da Vigia [STV]. De acordo com essa entidade religiosa, “a Bíblia deixa bem claro [...] que a adoração — no sentido de reverência e devoção religiosas — deve ser dirigida unicamente a Deus. Moisés o descreveu como ‘um Deus que exige devoção exclusiva’.” [É correto adorar a Jesus? - Despertai, 2000, pp.27]. Oferecer adoração a Jesus Cristo seria uma violação desse princípio, e portanto, um ato de idolatria. De acordo com a STV, Jesus é digno da nossa homenagem, mas não da nossa adoração, afinal, apenas Jeová é digno de adoração. Continuar lendo

Conclusão Teológica

Como Chegar a uma Conclusão Teológica?

Normalmente as conversas, debates e discussões sobre teologia giram em torno das diferentes perspectivas apresentadas: Pessoas apresentam suas conclusões e dialogam sobre suas diferenças na tentativa de clarificar sua própria opinião e apontas os possíveis equívocos da opinião do outro. Entretanto, pouco tempo é investido no diálogo relacionado ao processo de formação de uma opinião teológica. Por isso, nesse artigo gostaríamos de responder a pergunta: Se a Bíblia é a fonte de informação para a Teologia Cristã, como as pessoas chegam a diferentes conclusões teológicas? Continuar lendo

Bíblia – Alimento Divino para Alma

bible

A Bíblia, palavra de Deus é o meio pelo qual nós podemos nos alimentar espiritualmente. Quando ela deixa de ser um livro chato, de difícil entendimento, e passa a ser o nosso alimento espiritual, temos a alegria e prazer em observar tudo o que ela diz. Nela encontramos a voz de Deus dizendo: “Eu sou o pão da vida”; “Eu sou a água da vida”; “Quem de mim se alimenta por mim viverá”.Outra coisa que Deus diz: “Vocês vão me buscar e me encontrarão, quando buscarem de todo o coração”. Nós encontramos vários exemplos e passagens na Bíblia que mostram essa realidade. Continuar lendo

Bíblia aqui, não!

Escada do Ateísmo

Certa vez, participando de uma reunião administrativa numa igreja local, a tensão tomou proporções maiores que precisei intervir. Um quadro típico nas igrejas democráticas e congregacionais, infelizmente. Abri minha Bíblia para ler um trecho da Escritura e pedi a palavra. Até que, de súbito, o mais acalorado e destemperado cristão do recinto bradou em alta voz: “Bíblia aqui, não!” Fiquei horrorizado, claro. Hoje, a história é motivo de brincadeiras. Mas pensei que há algo de semelhante entre esta contumaz declaração e o liberalismo teológico presente em alguns seminários e igrejas de Cristo. Continuar lendo